..
  NOSSOS ANUNCIANTES SŐO A GARANTIA DE CONTEÚDO SEMPRE MELHOR E GRATUITO

Leia também:

Os peixes que mantêm o homem no campo.
AN Economia

Picape Mitsubishi L200 fica mais confortável.
AN Veículos












































Atriz vive a personagem Paola em "Terra Nostra" e já é comparada à musa italiana Sophia Loren
Foto: Luiza Dantas/Carta Z Notícias

Sensualidade apimentada

Maria Fernanda Cândido decide aceitar seu destino e investe na carreira de atriz

Fábio Dobbs
TV Press

Quando o diretor Jayme Monjardim viu o teste da atriz Maria Fernanda Cândido para o papel de Paola na novela "Terra Nostra", não teve dúvidas: "Você é a italiana que preciso!". Descendente de italianos, a atriz só sabia algumas expressões na língua e tinha a certeza de que precisaria estudar muito mais se quisesse ficar com o papel. "Sabia que não bastaria apenas um 'mama mia' ou um 'santo Dio'", raciocina Maria Fernanda. Mas o idioma era um obstáculo transponível e, sem dúvida, foi o que menos contou para que o diretor visse na atriz o perfil para o papel. O que valeu foi mesmo a sensualidade. Um fogo que a atriz traz nos olhos azuis esverdeados e no corpo de medidas perfeitas. Uma volúpia que quase pode ser saboreada como um bom prato de massa fumegante, com um molho apimentado, all'arrabiata, no melhor estilo italiano.

Um prato que Maria Fernanda conhece na intimidade. "Reunir a família no almoço de domingo para comer massa sempre foi tradicional lá em casa", conta. A dieta, que poderia servir para contribuir com alguns quilos ao corpo da atriz, não fez diferença. Com 1,76 m de altura, Maria Fernanda consegue manter sem dificuldades os seus 66 kg. "A única coisa que faço para manter o corpo é alongamento todos os dias", garante. Uma rotina que ela se acostumou desde os 14 anos, quando começou a carreira de modelo, ainda no estado natal, o Paraná. Foram cinco anos de fotos e desfiles com direito a passagens por Nova York e trabalhos também na Itália. Durante esse tempo, ela foi considerada top de linha pela agência Elite.

O glamour do mundo da moda, no entanto, durou pouco tempo. Aos 19 anos, ela largou tudo para se dedicar à faculdade de terapia ocupacional. Uma carreira que garantia a tranqüilidade que a atriz almejava. "Sempre fui calma e não tenho muito a ver com essa sensualidade que a Paola transmite", acredita. Inevitável, porém, foi tentar esconder por trás de um temperamento calmo o dom para a voluptuosidade. Uma dádiva logo percebida por Hans Donner ao assistir ao programa "Ilha do Biquíni", que Maria Fernanda, ainda aproveitando o resquício da fama da carreira de modelo, apresentava na MTV. Assim como o diretor Jayme Monjardim, o designer das vinhetas e aberturas da Globo encontrou na atriz a mulher ideal para a abertura da novela "A Indomada".

O destino de Maria Fernanda estava traçado. Querendo ou não, era sensual e deveria estar na mídia. Foi quando ela acordou e decidiu aceitar o destino e investir na carreira de atriz. Fez cursos de impostação de voz e de interpretação. Logo trocou a faculdade de terapia ocupacional pela de artes cênicas e batalhou o primeiro papel na novela "Serras Azuis", da Band, em 1998, na pele da manicure Magali.

Foi assim, com uma novela apenas no currículo, que Maria Fernanda bateu à porta de Jayme Monjardim para os testes da novela "Terra Nostra". Quando soube que tinha sido escalada para interpretar umas das poucas personagens realmente italianas da novela - as outras duas são a Juliana e a Eleonora, vividas por Ana Paula Arósio e Lu Grimaldi - a atriz tratou de procurar uma professora do idioma. "Passei três horas por dia estudando italiano", calcula. A intensidade das aulas era para fazer um trabalho perfeito . Com o principal garantido, foi só acrescentar a pimenta, para dar o ar selvagem de Paola. "Ela é uma lutadora e vai contra todos os preceitos morais", define.

Na verdade, Maria Fernanda está apaixonada pela personagem e pelo temperamento selvagem que ela assegura que não tem. Mas quando fala de Paola, mostra um certo brilho no olhar como se o fogo da personagem estivesse lá, adormecido por uma atriz comedida. Ela chega mesmo a ter a modéstia de não se achar bonita. "Quando acordo de manhã, olho no espelho e falo: meu Deus, o que é isso?", espanta-se.

Os olhos meio puxados e claros, o estilo sensual italiano e o papel de uma mulher rebelde rendeu a Maria Fernanda a inevitável comparação com a musa do cinema italiano dos anos 70 Sophia Loren. "Confesso que busquei inspiração em Sophia Loren para compor a Paola", admite Maria Fernanda. Um estilo que a atriz define como "areado", no sentido de estonteante, provocante e completamente lascivo, que pode ser conferido nas cenas de amor entre Paola e Augusto, papel de Gabriel Braga Nunes em "Terra Nostra".

Mas não foi somente na atriz italiana que Maria Fernanda buscou inspiração. Como numa cadeia de acontecimentos que se encaixam, ela logo descobriu nos filmes do diretor Vittorio De Sica, admirador inveterado de Sophia, mais uma fonte para compor Paola. Foi assistindo filmes como "Ladrões de Bicicleta", "Matrimônio à Italiana" e "O Ouro de Nápoles", os dois últimos com Sophia Loren, que a atriz começou a incorporar a personagem. A identificação com a época em que vive Paola Maria Fernanda foi buscar em "1900", de Bernardo Bertolucci. "Adoro cinema e gostaria de me especializar ainda mais nessa área", enfatiza. A única experiência de Maria Fernanda na telona foi no longa "Amor em Condicional", de Del Rangel.


Apresentadora aposta no conteúdo educacional de "Flora Encantada" como o diferencial do programa
Foto: Luiza Dantas/Carta Z Notícias

Volta ao mundo encantado

Angélica faz nova incursão pela dramaturgia e estréia esquete no "Angel Mix"

Fernando Miragaya
TV Press

Angélica já estava com saudades de mudar suas funções dentro do "Angel Mix". Aos 25 anos, a bela apresentadora volta a se aventurar na dramaturgia estrelando o "Flora Encantada", um esquete de meia hora de duração que estréia nesta segunda-feira dentro do seu programa matinal na Globo. O quadro vai trazer a cada dia três histórias envolvendo outros personagens, bonecos e dando dicas sobre meio ambiente. O esquete marca a volta de Angélica representando, o que ela não fazia desde a novelinha "Caça Talentos", exibida entre 1996 e 1998. "Gosto de interpretar e vai ser legal contracenar passando mensagens educativas", anima-se a lourinha.

A motivação de Angélica não é para menos. Desde julho que ela apenas apresenta os desenhos animados que são exibidos dentro do "Angel Mix". Agora, ela volta a estrelar uma novelinha e mais uma vez interpretando uma fada. No novo quadro do programa, a apresentadora é Flora, uma ecologista que tira substâncias de uma bolsa para fazer poções mágicas e poder defender o meio ambiente. "Me identifico muito com a Flora, pois também gosto da natureza", ressalta.

Mas Flora não vai estar sozinha nesta luta pela defesa do meio ambiente. A protagonista vai poder contar com a ajuda do adolescente Gafa, interpretado por Leonardo Miggio, e do indiozinho mirim Cambiro. Fora os bonecos de manipulação: Tanachata, uma tanajura estressada; Joaninja, uma joaninha tagarela; Topera, uma toupeira tapada; e mais três flores cantoras. Juntos, eles vão lutar contra as atrocidades ecológicas e as maldades da vilã Gana Ganância, papel de Fernanda Lobo, e de suas aliadas Traça e Papa, dois bonecos em forma de traça que devoram livros.

Angélica aposta no conteúdo educacional de "Flora Encantada" como o diferencial do programa. "É uma linguagem inovadora", acredita. O quadro segue bem o estilo edutainment - entretenimento e educação - que vem sendo adotado por muitas produções infantis no mundo. Além disso, Angélica promete trazer uma estética diferente, com mistura de estilos, como cartoons, histórias em quadrinhos e livros infantis. Tudo com assessoria pedagógica e ecológica. "A idéia é passar consciência ecológica sem ser didática", avisa. No entanto, o enredo é o mesmo que deu certo com a extinta novelinha "Caça Talentos" - que registrava médias de 14 pontos de audiência. "Vamos falar de magia e fantasia. As crianças gostam disso", enaltece Angélica.

Tentativa

O quadro também serve como uma tentativa para elevar a audiência do insosso "Angel Mix". O formato burocrático atual, repleto de desenhos e sem atrativos como jogos e a participação de crianças, acabou trazendo conseqüências nada boas no Ibope. O programa da lourinha vem registrando baixos índices de audiência - médias que variam entre seis e sete pontos - e chega a empatar e até perder para concorrentes do mesmo gênero, como o "Bom-dia & Cia." e "Festolândia", ambos do SBT, e para o "Eliana & Alegria", da Record. "Não me preocupo com audiência e esse formato do 'Angel' é um quebra-galho para a manhã", justifica.

Mas a lourinha sente saudades é do formato convencional dos programas infanto-juvenis, com platéia, palco, jogos e a participação das crianças. "Representar é uma curtição, mas estou sentindo falta do outro programa", admite. Mas, para realizar seu desejo, a apresentadora vai ter de esperar só um pouco mais. Para novembro, está prevista a estréia de "Globinho da Angélica", uma espécie de revista eletrônica para crianças. "Vai ser um 'Fantástico' infantil, com um pouco de cada programa da tevê como 'Vídeo Show', 'Barraco MTV'", adianta.

Paralelamente, a apresentadora finaliza a gravação de seu mais Sensualidade apimentada novo CD, "Angélica". O disco traz músicas inéditas mescladas com regravações de antigos sucessos como "Vou de Táxi", gravada pela própria lourinha na década de 80, e "Aquarela", de Toquinho. "Gravei 'Vou de Táxi' com o Claudinho e Buchecha em um novo ritmo e ficou muito legal", valoriza Angélica.


Guerra pela audiência

Dia da Criança acirra disputa das emissoras pelo público infantil

Leandro Calixto
TV Press

Todo ano, quando chega outubro, a proximidade do Dia da Criança deixa as emissoras de televisão em pé de guerra. Vale tudo na luta pelas maiores audiências entre os menores de idade. Afinal, as crianças representam um mercado consumidor apetitoso, que merece investimentos dignos de gente grande. Eliana foi aos Estados Unidos para mostrar a magia dos parques temáticos para seu público, enquanto Jackeline Petkovic promete armar um grande circo para festejar a data. Já Angélica aproveita para sair do marasmo e ganha um novo programa, que tem como pano de fundo a natureza. Há também espaço para a tradicional edição do "Criança Esperança", da Globo, que terá como tema central a educação.

A loura do SBT vai fazer o programa especial no dia 12 ao vivo, diretamente de um circo em São Paulo, com a presença de mais de duas mil crianças. "Não adianta mostrar a Disney se a grande maioria dos brasileiros não tem condições de ir até lá", alfineta Jackeline. No mesmo dia, a Record promete fazer duas festas numa só: está prevista uma grande homenagem a Eliana, que vai comemorar, justamente no Dia das Crianças, um ano à frente do "Eliana & Alegria". No programa, ela vai apresentar uma série de reportagens gravadas no parque temático Seaworld, em Orlando, nos Estados Unidos.

Já a Globo escolheu a Semana da Criança para lançar o novo programa comandado pela apresentadora Angélica. Amanhã, dentro do "Angel Mix", estréia o quadro "Flora Encantada". No dia 16, a Globo promove uma nova edição do tradicional "Criança Esperança", ao vivo, diretamente do ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. Comandado mais uma vez por Renato Aragão, o especial deste ano vai abordar o tema "Brasil 500 anos".

Toque adulto

O Dia da Criança acabou despertando o interesse dos programas femininos para debater os problemas infantis. O "Dia Dia Revista", da Band e o "GNT Revista com Márcia Peltier", exibido pelo canal de assinatura da Globosat, irão fazer programas especiais. "É uma oportunidade de conhecermos um pouco mais o universo infantil", acredita a diretoria-geral do "Dia Dia Revista", Catarina Casanova.

Márcia Peltier vai promover um debate com vários convidados, que vão discutir o que significa ser criança no Brasil. "Queremos saber o que as crianças estão pensando dos mais variados temas de nosso País", antecipa Márcia. O programa também contará com a presença de professores. A atração matutina da Band, no entanto, não vai se limitar apenas à preocupação didática. Haverá também aulas de ginástica e dança direcionadas ao público infantil.

Manchetes AN

Das últimas edições de AN Tevê
Furacão italiano conquista os brasileiros
Paloma Duarte: Em ritmo de delírio
Globo investe pesado em "Terra Nostra"
Carolina Kasting: O avesso da mocinha
Mylla Christie: Gata ferida

A semana

Noite jazzística

O "H" desta segunda (Band, 20h30) apresenta um especial com Eagle Eye Cherry. O cantor sueco vai se apresentar ao vivo no programa comandado por Otaviano Costa. O artista é uma das atrações do Free Jazz Festival, que acontece este mês no Rio e em São Paulo. Além de apresentar suas canções que misturam jazz com rithym'n'blues e rap, Eagle Eye Cherry também responde a perguntas da platéia do "H".

Garotada sem limites

Em homenagem ao Dia da Criança, o "Sem Limites pra Sonhar" (Record, 21h45) desta terça vai fazer um programa infantil. A principal atração é a apresentadora Eliana, que canta várias músicas e vai levar os bonecos do "Eliana & Alegria". Além disso, Fábio Júnior recebe como convidadas crianças que vão debater questões relativas à infância no Brasil.

Prenda baiana

O Canal Fox (Net/TVA) apresenta nesta quinta, às 22 horas, "Prenda Minha", show de Caetano Veloso gravado ao vivo no Metropolitan, no Rio. O espetáculo apresenta uma coleção de canções antigas de Caetano combinadas com composições inéditas. O principal momento é quando Caetano apresenta a sua banda com uma música composta por seu filho, Moreno Veloso. Outro destaque é quando interpreta "Sozinho", canção de Peninha, que acabou impulsionando a venda de mais de um milhão de cópias do último CD do cantor baiano.

Spa muvucado

O "Muvuca" de sexta (Globo, 22h55) volta ao casarão do Rio e se transforma em um spa. Os convidados do programa comandado por Regina Casé receberam tratamentos de beleza e de saúde. O ator Thiago Lacerda faz um tratamento de cromoterapia e relaxamento em uma máquina. Já a atriz Denise Fraga fez um tratamento facial com uma máscara à base de flor de hibiscus. O grupo Pavilhão 9 faz um número musical.

Novidades na TV

Humor futurista

A atriz Paula Burlamaqui parece ter aterrissado de vez no humor. Depois de ser uma das Marias no quadro de "Zorra Total", Paula gravou participação em "A Turma do Didi". Na história, a atriz vai interpretar Zap, uma garota do futuro que entra em contato com Didi pelo computador. Colecionadora de antigüidades do ano 3035, ela sai da tela do micro para a casa do Trapalhão e vai ter de aprender a viver como os humanos de 1999, encarados por ela como pré-históricos.

Consulta prévia

A Globo pretende minimizar os riscos na estréia do programa "Mais Você" comandado pela apresentadora Ana Maria Braga. Antes de colocar no ar o programa, a emissora apresentou o "Mais Você" para um grupo de discussão em São Paulo. Pelas opiniões dos espectadores que assistiram, o programa está aprovado sem nenhuma mudança.

Nova animação

O canal por assinatura Locomotion, da TVA, preparou uma nova grade de programação. O destaque fica com o desenho "Evangelion", uma série de animação japonesa que virou febre nos Estados Unidos. A história fala de uma conspiração para encobrir os planos de um comitê secreto que busca criar um deus humano.

Fórmula cantada

O ator Licurgo Spínola vai soltar a voz na nova fase de "Malhação". Licurgo vai estar na pele do professor de matemática Victor, o preferido das meninas do Colégio Múltipla Escolha, que vai ensinar as fórmulas matemáticas cantando. O personagem é inspirado no professor de física mineiro Pachecão, conhecido por preparar turmas para o vestibular utilizando canções para que os alunos decorem as fórmulas.

Copyright © 1998 A Notícia - Todos os direitos reservados - Telefone: 055-47 3431-9000 - Fax: 055-047 431 9100
Rua Caçador, 112 - CEP 89203-610 - Caixa Postal: 2 - 89201-972 - Joinville - Santa Catarina - BRASIL
..
. .