Joinville         -          Domingo, 09 de Julho de 2000         -          Santa Catarina - Brasil
 
 

ANotícia  

E  
S  
P  
O  
R  
T  
E  













Sai hoje, no Mineirão, o
campeão da Copa do Brasil

Cruzeiro e São Paulo só empataram por 0 a 0 no jogo de ida e agora vão para o tudo ou nada

Cruzeiro e São Paulo decidem hoje quem é o campeão da Copa do Brasil. O jogo será no Mineirão, às 18h30, com arbitragem do gaúcho Carlos Eugênio Simon. O primeiro jogo, quarta-feira, no Morumbi, terminou 0 a 0. Hoje, quem vencer levará o título. Empate sem gols leva a decisão para os pênaltis. Empate com gols dá a vantagem para o São Paulo.
O técnico Marco Aurélio, do Cruzeiro, só revela a escalação da equipe minutos antes do início. "Todo mundo sabe a formação do Cruzeiro, mas manter o mistério é fundamental em um jogo como este", disse. Precisando da vitória e não podendo levar gols do tricolor, o técnico, porém, deve optar por um esquema diferente do utilizado na partida de ida, quarta-feira, no Morumbi.
"A situação é a seguinte: temos que fazer gols e não podemos sofrer gols", disse Marco Aurélio. "Se eu jogo muito para a frente, o São Paulo, que tem uma média excelente de gols na competição, pode aproveitar-se de contra-ataques, mas se eu fico muito atrás, corremos o risco de não cumprir a nossa missão", acrescentou, em tom de brincadeira. O resumo, no entanto, dá a medida do esquema que deve ser adotado pelo treinador.
A julgar pelos treinos da semana, o Cruzeiro deve entrar em campo com três volantes e três atacantes. Na intermediária, os confirmados são Marcos Paulo, que atuaria como segundo homem de contenção, e Ricardinho, bom marcador que ganharia liberdade para ir ao ataque. O outro meia pode ser Donizete, caso se recupere a tempo de contusão no tendão do pé esquerdo, ou o colombiano Viveros.
Para o ataque são duas as opções do treinador: ou coloca Müller desde o início, auxiliando pela esquerda a dupla de frente Geovanni e Oséas e tornando o time mais ofensivo, ou, a exemplo do primeiro jogo, opta por Jackson como meia-direita, o que lhe garantiria maior poder de marcação sobre a ala esquerda da equipe paulista.

Levir precavido

Apesar da disposição em atacar desde o início da partida, o técnico Levir Culpi, do São Paulo, vai tomar todos os cuidados defensivos para que sua equipe não seja surpreendida no Mineirão. Na busca do equilíbrio, o São Paulo deverá observar as ações do adversário para então partir para o contra-ataque ou optar por um recuo estratégico. Raí deverá ser a voz de Levir em campo, já que ele mesmo garantiu que, a princípio, jogará voltado para o ataque mas, se houver necessidade, irá recuar para ajudar na marcação.
Pelas laterais, Belletti e Fábio Aurélio têm a orientação de apoiar sempre que houver espaço, mas Levir deve alertar Belletti para as subidas do argentino Sorín. No ataque, será escalado Sandro Hiroshi ou Edu, para tabelar com França, que está há cinco partidas sem marcar, mas tem toda a confiança do treinador.

CRUZEIRO: André; Rodrigo, Cris, Cléber e Sorín; Donizete (Viveros), Marcos Paulo, Ricardinho e Müller (Jackson); Oséas, Geovanni. Técnico: Marco Aurélio. SÃO PAULO: Rogério Ceni; Beletti, Rogério Pinheiro, Edmílson e Fábio Aurélio; Alexandre, Maldonado, Sandro Hiroshi e Marcelinho; França e Raí. Juiz: Carlos Eugênio Simon (RS). Local: Mineirão, 18h30.

Futuro incerto atrapalha
o são-paulino França

São Paulo - Por trás do desconforto de França, artilheiro do São Paulo na Copa do Brasil com 5 gols e que decide hoje o título da competição contra o Cruzeiro, estão os cerca de US$ 3 milhões que o jogador teria direito em uma eventual transferência para a Europa. Para quem desembarcou em 1995 no Aeroporto de Cumbica, com potes de goiabada caseira na mala, o dinheiro representaria uma guinada completa em sua vida.
Não é de se estranhar que o tímido Françoaldo Sena de Souza, de 24 anos, esteja ainda mais calado nos últimos dias. Em uma semana foi o artilheiro do maior campeonato do País com 18 gols. Convocado para a Seleção Brasileira pela primeira vez, marcou um gol histórico em Wembley, em amistoso contra a Inglaterra.
Resultado: seu passe começou a ser disputado por vários clubes da Europa, entre eles Bayer Leverkursen, Arsenal, PSG e Fiorentina. Na semana seguinte, o eletro teve uma queda vertiginosa. Ficou de fora da final do Campeonato Paulista, voltou mal ao time e foi vaiado junto com a Seleção, na partida contra o Uruguai pelas Eliminatórias.
Ilha do Cardoso, paraíso ecológico
Antes restrito a pesquisadores, parque passa a receber turistas.  AN_Turismo 
No São Paulo, não marca gols há cinco jogos. Agora, corre o risco até de não mais se transferir para o futebol europeu. "Estou louco para ir embora", desabafou o atacante. Depois de tantas especulações, o clube não recebeu nenhuma proposta oficial por seu passe. "Essa incerteza em relação ao futuro é o que me preocupa e está me prejudicado em campo", revela. "Não sei o que vai acontecer comigo. É capaz de hoje ser meu último jogo ou de ainda jogar outro Paulista pelo São Paulo."


Jogo em Lages define
campeão da Segundona

Internacional tem a vantagem do empate diante do Joaçaba

Lages - Internacional e Joaçaba entram em campo neste domingo à tarde, em Lages, com o mesmo pensamento: sair do Estádio Municipal Vidal Ramos Júnior como campeão do Estadual da Segunda Divisão e assim garantir vaga automática na elite do futebol catarinense na próxima temporada. Para o Internacional, que até agora teve a melhor campanha, basta um empate. O Joaçaba precisa vencer para comemorar o título.
Longe de ser uma grande vantagem, o time de Lages deverá entrar em campo com uma responsabilidade ainda maior, pois joga diante de sua torcida, que promete lotar as dependências do estádio. Nessas circunstâncias, principalmente os jogadores que ainda não viveram grandes decisões (como é o caso do Inter), o nervosismo costuma aparecer, o que pode complicar as coisas.
Pelo lado do Inter, o técnico Tonho Gil passou a semana treinando jogadas ensaiadas, realizou dois treinamentos coletivos (um na quarta e um na sexta-feira) e aproveitou para conversar muito com seus atletas. O objetivo foi aliviar um pouco a ansiedade dos jogadores, através do diálogo. "Tentei mostrar a eles que decisões acontecem todos os dias da nossa vida. E que agora estamos vivendo o momento perseguindo durante toda a competição. Mas o nervosismo e a ansiedade só vão atrapalhar", declarou antes de embarcar na sexta-feira à noite para São Joaquim, local onde a delegação está concentrada para a partida de hoje.
Diálogo e temores à parte, Tonho Gil deverá contar com o time titular para a partida. Mais uma vez a equipe vai precisar das boas atuações do goleiro Carlos Alberto, da precisão dos desarmes do volante Marcão e da eficiência de ataque do artilheiro Kuki, três dos principais destaques da equipe na competição, além de todos os demais jogadores em dia inspirado.

INTERNACIONAL: Carlos Alberto; Róbson, Wagner, Félix e Júnior; Odair, Marcão, Wágner Ricardo e Éverton; Rogério e Kuki. Técnico: Tonho Gil. JOAÇABA: Adalberto; Paulo Cesar, Mauro Ovelha, Marcelo Nunes e Juninho; Lita, Claudinei, Vandré e Magno ou Johw; Rogério e Marcelinho. Técnico: Mauro Ovelha. ÁRBITRO: Giuliano Bozzano, auxiliado por Valter Miranda e Welinkson Bozzano. LOCAL: Estádio Vidal Ramos Júnior (Lages). HORÁRIO: 15h30

Inter conta com a força e a
habilidade do volante Marcão

Loreno Siegas

Lages - Dos 25 jogos já disputados pelo Internacional até este domingo, o volante Marcos Costa Campos, 23 anos (que como jogador é simplesmente o "Marcão"), disputou 24 partidas. Com um estilo de marcação forte, boa qualidade nos passes e habilidade para tirar a bola dos adversários, ele tem chamado atenção no campeonato pela regularidade. Tanto que o técnico Tonho Gil não esconde e coloca o atleta como uma das principais revelações da competição: "Ele quase não aparece nas partidas. Mas é um jogador fundamental em nosso esquema de jogo", declarou na sexta-feira o treinador do Inter.
Com características mais defensivas do que ofensivas, Marcão poderá representar o fator de desequilíbrio na final contra o Joaçaba. Isso porque ele tem sido uma grande segurança para a zaga, protegendo quando o setor está desguarnecido, e até ajudando no ataque, quando é necessário. "E se não levarmos gols, mesmo que não façamos uma grande partida, será o suficiente para sair com o título", analisou um dos diretores do Inter.
Marcão é mais exigente e vê problemas em jogar apenas pelo empate. "A responsabilidade do ataque é do Joaçaba. Mas nós não podemos correr o risco de levar um sufoco diante de nossa torcida, podendo tomar gols. Temos de nos resguardar, é verdade. Mas também procurar os gols", observou.

Primeira vez

Com 1,75 de altura e 71 Kg, Marcão já atuou como profissional no Guarani, de Venâncio Aires (RS) e no Lajeadense, de Lajeado (RS). Se chegar ao título, no domingo, será a primeira vez a conseguir a façanha como jogador profissional. "Temos de ter os pés no chão e lutar muito dentro de campo. Estou muito concentrado para o jogo e, junto com os demais companheiros, só pensamos em vitória", finalizou.
O destaque do Internacional ainda não sabe qual o seu futuro para a decisão desta tarde. Mas pelo futebol apresentado ao longo da competição, já apareceram algumas equipes interessadas. Não será surpresa, se Marcão se transferir para um clube do módulo amarelo da Copa João Havelange (antiga série B). Antes, porém, ele quer festejar com a torcida o título de campeão catarinense da Segunda Divisão.

Marcelo Nunes
reforça a defesa

Joce Pereira

Joaçaba - O zagueiro Marcelo Nunes é o homem escolhido pelo time do Joaçaba para marcar Kuki, jogador do Internacional de Lages e o artilheiro do Campeonato Estadual da Segunda Divisão. Uma tarefa nada estranha para o zagueiro que já fez marcação cerrada em Kuki em outras partidas. "Se depender de mim, ele simplesmente não andará em campo" brinca o zagueiro.
Marcelo Nunes está bastante otimista para o jogo da final, já que não participou da primeira partida em casa, por que cumpria suspensão automática. O zagueiro volta fazendo dupla de zaga com o capitão e técnico do time Mauro Ovelha. "Estou tranquilo. Marcar o artilheiro do campeonato para mim não é nenhuma missão impossível, não vou dar espaço. " garante.
A tática que o time deve usar para ganhar o jogo e o título de campeão, segundo o zagueiro, é uma marcação forte e velocidade nas jogadas de ataque.
Experiência é o que não falta para Marcelo Nunes. Com 28 anos ele já atuou em times de Primeira Divisão como o Americano de Campos, São Cristovão e Friburguense do Rio de Janeiro e Uberlândia de Minas Gerais. Além de equipes do exterior como do Japão e da Arábia Saudita. O Joaçaba é o primeiro time da Segunda Divisão que Marcelo Nunes atua e onde já está desde o ano passado.
A equipe do Joaçaba não vai poder contar com dois titulares nesta tarde. Jacozinho está fora da partida porque quebrou o antebraço esquerdo, após uma queda domingo no jogo em casa, e Beto que está suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Mas isso parece não tirar a tranqüilidade do técnico e zagueiro Mauro Ovelha. Ele definiu a pré escalação. Juninho entra no lugar de Beto. A única duvida é quanto a quem vai substituir Jacozinho. Mauro Ovelha está entre os atacantes Magno e Johw.
E o Joaçaba está contando com o 12º jogador, a sua torcida. Seis ônibus estão confirmados para levarem os torcedores até Lages. Os ingressos incluindo a passagem de ida e volta estão sendo vendidos a R$ 15,00 e podem ser adquiridos na Locadora Locatelli, em Joaçaba, e no Bar do Fermino em Herval D´Oeste. O time do Joaçaba viaja amanhã às 9 horas com destino a decisão.


Catarinense é destaque
na seleção sub-15

Romerito, de Rio Negrinho, foi artilheiro no México

Rio Negrinho - Um sonoro "não" foi o que Romerito Trentini da Cruz, 14, ouviu da mãe quando contou que precisava viajar ao México para integrar a seleção brasileira de futebol Sub-15 na disputa da Copa Coca Cola Internacional. A mãe acabou cedendo à convocação da CBF e Romerito foi o único catarinense a integrar a seleção na Copa Internacional, disputada de 23 a 25 de junho, no México.
Para Romerito e os outros 15 garotos o resultado não poderia ser melhor. "A gente foi campeão", resume o rio-negrinhense. Romerito, ao lado dos colegas Laudson, de Sergipe e Alex, do Amazonas, foram os artilheiros do Brasil. Cada um marcou cinco gols. A final foi justamente contra os mexicanos donos da casa. "A vitória foi estranha: 1x 0 e com gol contra", comenta Romerito. O jogo que gostou mesmo foi o da goleada sobre a Colômbia: 20 a 0.
A convocação do garoto de Rio Negrinho para a seleção aconteceu depois que "olheiros" da CBF o viram jogar, num torneio no Rio de Janeiro, no início do ano. Depois de passar um mês no México, entre treinamentos e a Copa, não era apenas Silvana, a mãe, quem esperava pelo craque. A cidade preparou uma festa. "Teve até carreata e caminhão dos bombeiros", lembra Romerito. À espera de uma nova convocação para a seleção brasileira, Romerito já recebeu propostas de grandes clubes, como o Palmeiras. "Acontece que se eu me federar não posso ir para a Seleção Sub-15", lamenta.

Incentivo do avô

O gosto pelo futebol acompanha Romerito desde os quatro anos de idade. O maior incentivador é o avô, Bento Trentini, que por 12 anos presidiu o Vila Nova, time de futebol amador de Rio Negrinho. "Acho que por causa do meu avô que eu gosto tanto de futebol".
Enquanto pensa nas propostas de grandes clubes como o Palmeiras e o Sport Recife, Romerito vai treinando na escolinha de futebol da Fundação Municipal de Esportes. De olho nos craques brasileiros, Romerito afirma que sabe que é preciso ter humildade para crescer no futebol. "É claro que tenho vontade de ser um grande jogador, sonho jogar no Corinthians um dia, mas tudo vai depender do quanto eu me esforçar e de Deus também", comenta.
O sucesso de Romerito comprova a fama de Santa Catarina de revelar talentos para as seleções inferiores da CBF. Outro atacante de destaque revelado nas escolinhas de futebol do Estado foi Fábio Pinto, que começou em Itajaí, e se destacou no Internacional de Porto Alegre. Fábio está jogando no futebol espanhol. Recentemente, o volante Eduardo, natural de São José, foi campeão mundial júnior e atualmente integra o elenco principal do Grêmio de Porto Alegre.


Gama ameaça
realização de campeonato

São Paulo - Uma enxurrada de pedidos de liminares promete aumentar ainda mais a confusão em torno do Campeonato Brasileiro deste ano. Depois de conseguir uma liminar na Justiça, impedindo a realização do torneio pela CBF, o Gama também tentará barrar a Copa João Havelange, idealizada pelo Clube dos 13. A tática será semelhante à utilizada por sindicatos nos processos de privatização das estatais. "Em cada Estado alguma entidade vai entrar com liminar contra esse torneio", antecipa o advogado Paulo Goyaz. "Serão 27 liminares e qualquer juiz do País poderá impedir esse torneio."
Para o advogado do Gama, o Clube dos 13 não tem condições jurídicas de organizar a competição. De acordo com ele, a Lei Pelé estabelece que os campeonatos ou torneios só podem ser organizados por três entidades: administrativa, de prática desportiva ou Liga. "Como o Clube dos 13 não é de prática desportiva e nem constituiu uma Liga, ele só pode ser uma entidade administrativa", explica Goyaz.


Copa dos Campeões vale
vaga na Taça Libertadores

São Paulo - A Copa dos Campeões será a última chance concreta no ano das equipes vencedoras de torneios regionais conquistarem vaga na Taça Libertadores 2001, levando-se em conta a indefinição técnica que envolve a Copa João Havelange e o Campeonato Brasileiro. A competição, que tem início quarta-feira, terá duração de treze dias e será disputada por oito equipes em duas sedes (Estádio Rei Pelé, em Maceió, e Estádio Almeidão, em João Pessoa). A competição será transmitida pela Rede Globo.
Além de São Paulo e Flamengo, vencedores de seus respectivos estados, quatro campeões regionais (Palmeiras, América-MG, Cruzeiro e Sport), Goiás e Vitória-BA, campeão e vice da seletiva do torneio. Os oito participantes foram divididos em quatro chaves de dois times: América-MG x Sport (A), Flamengo x Goiás (B), São Paulo x Vitória (C) e Palmeiras x Cruzeiro (D). Os vencedores dos grupo (jogos de ida e volta) passam à semifinal (A x C e B x D), que também será decidida em dois jogos. A final será jogada em apenas uma partida.
A primeira rodada da primeira fase será realizada quarta-feira, no Almeidão, em João Pessoa, com os jogos América-MG x Sport, às 19h30, e Palmeiras x Cruzeiro, às 21h40. No mesmo dia e horário, Flamengo x Goiás e São Paulo x Vitória enfrentam-se em Maceió. Sábado, os mandos são invertidos e os horários mudam para 16 e 18 horas. As semifinais serão realizadas nos dias 19 e 22. A final será jogada dia 25, em Maceió.
A Globo Esportes fechou contrato de transmissão da competição com a CBF, mas os valores publicitários, que serão rateados pelos clubes, não foram revelados. Especula-se que cada participante embolse R$ 600 mil com isso. Todas as despesas envolvendo transportes e hospedagens serão custeados pela empresa. Na primeira fase, cada time receberá, como prêmio, R$ 200 mil. Na semifinal, as cotas aumentam para R$ 400 mil. O campeão leva ainda R$ 800 mil e o vice fica com R$ 600 mil. O governo da Paraíba investiu mais de R$ 1 milhão para recuperar o Estádio Almeidão, em João Pessoa.


Atlético/MG 1 - O técnico Márcio Araújo explicou o motivo que o levou a deixar o Atlético Mineiro. Segundo o treinador, já estava na hora de mudar de clube porque já havia feito tudo o que podia fazer na equipe mineira. "Estava na hora de mudar, o que eu podia tirar do time do Atlético acho que consegui", explicou.

Atlético/MG 2 - Márcio Araújo ficou revoltado com as notícias divulgadas nos jornais, dando conta de que ele teria deixado o Atlético para ser pastor de igreja: "Não é verdade. Tenho outras propostas para trabalhar no futebol. Essas informações de que deixei o clube mineiro para ser pastor são mentirosas", encerrou Márcio Araújo.


Marcelo Negrão pretende
ir a mais duas Olimpíadas

O acerto com o time de Suzano, onde vai atuar na temporada 2000/2001, é o primeiro passo de uma nova fase

São Paulo - O atacante Marcelo Negrão, medalha de ouro em Barcelona, em 1992, e melhor jogador do mundo na mesma temporada, traçou uma nova meta para sua vida. Cortado da seleção brasileira que começa a disputar, na segunda-feira, as semifinais da Liga Mundial, em Roterdã, na Holanda, e, conseqüentemente, fora do grupo que vai aos Jogos Olímpicos de Sydney, ele sonha alto. "Quero disputar mais duas Olimpíadas", afirmou o atleta, de 27 anos.
O acerto com o time de Suzano, onde vai atuar na temporada 2000/2001, é, segundo Marcelo Negrão, o primeiro passo de uma nova fase em sua vida. "Encontrei lá uma infra-estrutura que me dará condições de voltar ao melhor da minha forma", disse o jogador, que atualmente está com 95 quilos, dois abaixo do ideal.
Há cinco anos sofrendo de uma tendinite no ombro direito, que o afastou das quadras em abril, o jogador disse que finalmente vai poder se submeter ao tratamento ideal. "Terei uma atenção específica", explicou. "Na minha posição é mais complicado, porque tenho de 'bater' o tempo todo, o que provoca um desgaste muito maior".
Negrão admite que recebeu propostas de equipes do Japão e da Itália, mas que a fama do técnico Ricardo Navajas de bom recuperador de jogadores pesou em sua decisão. "Nunca fiquei sabendo de um caso de atleta que tenha saído de Suzano em más condições", observou. Quanto ao fato de morar em uma cidade pequena, o campeão olímpico foi enfático. "Sou caseiro", garante. "Para mim, tanto faz estar em Roma ou em Suzano."
Apesar de ter sido cortado do grupo que vai à Austrália, Marcelo Negrão garantiu que está agradecido à comissão técnica brasileira, especialmente ao técnico Radamés Lattari. Ele atribuiu seu bom estado físico e clínico ao trabalho desenvolvido no último mês. "Agradeço a eles a oportunidade que me deram para me recuperar", afirmou, ressaltando que não esperava permanecer no grupo. "Quando fui chamado, já ficou claro que era para tentar uma recuperação."
O respeito aos demais jogadores da seleção também foi uma das razões apontadas pelo atacante para seu corte. Para ele, sacrificar um atleta que vem jogando para investir em uma dúvida seria, no mínimo, injusto. "Me coloco no lugar deles e não me sentiria bem se isso acontecesse", revelou Marcelo Negrão.

Carlão evita
despedida humilhante

São Paulo - O atacante Carlão, que pediu dispensa da seleção brasileira por causa de uma hérnia de disco torácica, está com medo de ter seqüelas para a vida toda e, por causa das fortes dores nas costas e pescoço, decidiu evitar uma triste despedida das quadras. "É humilhante para um atleta ter um treco e sair de quadra de maca", disse o jogador, recordando-se de duas cenas tristes de Ronaldinho, na final da Copa do Mundo de 98 e na decisão da Copa da Itália, com a camisa da Inter de Milão. Se as dores persistirem, ele terá de abandonar a carreira. "Cheguei ao meu limite; todos têm um e eu sou normal, de carne e osso", declarou Carlão. "Chorei muito porque a seleção é o meu time do coração, mas preciso me preocupar com o meu bem-estar físico e a saúde."
Carlão, que abriu mão do posto de capitão da seleção brasileira, desembarcou sexta-feira no Rio, ainda emocionado pelo fato de ter abdicado de disputar pela quarta vez uma Olimpíada. A equipe estréia na fase final da Liga Mundial na segunda-feira, às 15h30 de Brasília, contra os holandeses. Carlão, campeão olímpico em Barcelona, em 1992, teve o diagnóstico do problema somente em maio, depois das finais da Superliga. Ele já havia desfalcado o Telemig/Minas, sua equipe na época, por causa das dores nas costas. "Contei para o Radamés Lattari (técnico da seleção) que não queria nem me apresentar na seleção por conta disso, mas ele pediu para eu tentar." Carlão voltou a fazer comparações e citou a companheira Ana Moser, que se aposentou das quadras no ano passado, aos 31 anos, por causa de um problema crônico nos dois joelhos.


Canoagem 1 - A seleção brasileira enfrenta hoje neste domingo as delegações da Argentina, Estados Unidos, Canadá, entre outras, no Pan-americano de Canoagem Velocidade, em Lake Placed, Nova York. Hoje, às 11 horas, Roger Caumo será o primeiro atleta da delegação brasileira a entrar na raia de Lake Placed, para a prova da categoria K1 500 metros. À tarde, às 15 horas, será a vez de Guto Campos e Cuattrin.

Setor de agronegócios cresce na Internet
Serviços específicos para agricultores já são encontrados em mais de 50 sites no Brasil.  AN_Informática 
Canoagem 2 - Guto Campos e Cuattrin (na K2 1.000 metros) e Roger Caumo (K1 500 metros) representarão os Brasil nas Olimpíadas de Sydney, no próximo mês de setembro. "Nossos atletas estão em Lake Placed para conquistar medalhas. E temos boas chances em várias categorias", resumiu o técnico da seleção brasileira de Canoagem Velocidade, o polonês Zdzislaw Szubski. Guto e Cuattrin têm boas condições de medalhas.

Manchetes AN

Das últimas edições de Esporte
08/07 - Sem Scolari, Vasco contrata o técnico Oswaldo Oliveira
07/07 - Alemanha vai sediar Copa pela segunda vez
06/07 - Fifa define sede de Mundial
05/07 - Luxemburgo encerra o ciclo de Aldair na Seleção
04/07 - Axel será novidade do Tricolor
03/07 - São Paulo e Cruzeiro vão disputar a final
02/07 - Saem hoje os finalistas da Copa do Brasil

Leia também

9 de Julho decide a última vaga olímpica

Catarinense Murilo Fischer, ciclista da Caloi, que lidera o ranking brasileiro, está cotado para ganhar a prova

São Paulo - A 57ª Prova Ciclística Internacional 9 de Julho, que será disputada neste domingo, a partir das 9 horas, na capital paulista, terá a participação de alguns dos principais atletas brasileiros, inclusive os que estarão representando o Brasil na Olimpíada de Sydney. A maior atração da prova será a definição do último ciclista que irá completar a equipe olímpica brasileira.
O mais cotado para a vaga é o catarinense Murilo Fischer que acredita que a prova não será fácil. "Esta será uma prova difícil, além dos bons atletas brasileiros teremos várias equipes de outros países, mas vamos pra ganhar", ressalta Fischer, que é o líder do ranking brasileiro 2000.
Outro nome forte em busca desta vaga para completar o grupo brasileiro é o paulista Cassio de Paiva Freitas, 2º colocado no ranking brasileiro, que além de treinar com Murilo Fischer também são amigos.
Murilo garante que o fato de disputarem a mesma vaga não vai interferir na amizade e nem durante as provas. "Entre eu e ele não tem nenhuma rivalidade, somos uma equipe, e entre uma equipe não pode haver isso, senão ela acaba. Claro que nós dois gostaríamos de ir para Sydney, mas não é possível. Vamos lutar sem rivalidade", afirma Murilo Fischer. Os outros três atletas que fazem parte do time de ciclismo olímpico, Cláudia Carceroni, medalha de bronze no Pan-americano de Winnipeg, Janildes Fernandes e Renato Seabra, também vão estar na prova. Mas ainda estarão fazendo parte das 15 equipes que participarão da prova os ciclistas, Marcio May, medalha de bronze nos Jogos pan-americanos de Winnipeg; Daison Mendes, campeã pan-americano de juniores; Elivelton Pedro, campeão pan-americano sub-23 de 1998; Patrique Gama Azevedo, campeão da 9 de julho o ano passado e Marcos Novello, medalha de bronze no campeonato mundial de pista 1999.

Equipes

Além dos brasileiros, vão estar na prova as equipes norte-americana, chilena, argentina e uruguaia. Os ciclistas sul-americanos, do Chile e da Argentina estarão participando com suas seleções nacionais. Entre os chilenos estão Jaime Bretti, Gonzalo Miranda, Sebastian Munoz e Pablo Valenzuela, e no time argentino estarão os ciclista Guilhermo Martin Brunetta, Fernando Jose Antogna, Juan Pablo Raffler e Ezequiel Gonzallo Romero.


Prólogo abre o rali em SP

Florianópolis - Os três pilotos catarinenses que vão disputar de moto a 8ª edição do Rally Internacional dos Sertões, Jovânio Palhoça Frutuoso (Motosuper/Pirelli/Husqvarna/AMA), Dário Schrull (AMA Lubrificantes/Honda) e Emerson Hatscbach (Trevo da Sorte/AMA Lubrificantes) vão participar do prólogo, um teste de velocidade para decidir a ordem de largada para a primeira etapa do rali.
O Rally Internacional dos Sertões inicia na quarta-feira (12) em São Paulo. Trata-se da mais difícil e concorrida prova do calendário nacional, com percurso de 5.359 quilômetros até Fortaleza (CE). A programação começa no sábado com vistoria, domingo acontece o prólogo e no dia 11 a largada promocional. Um dos estreantes na prova é o piloto catarinense Dário Schrull, que tem nove anos de experiência como piloto de enduro de regularidade.
A expectativa do piloto Dário Schrull, natural de Ascurra, é tão grande quanto o percurso. Mas mesmo sem ainda ter corrido a prova, Dário tem de cor e salteado algumas lições básicas transmitidas em conversas com çorredores veteranos do Rally dos Sertões. "Não adianta sair rachando e se matar nos primeiros dias. A estatística diz que metade dos pilotos desiste até o quarto dia por quebra do equipamento, na maioria dos casos, ou por contusões. É preciso andar redondinho e não cometer erros e é isso que pretendo fazer", assinala Dário.


Blue Life tem liderança de vários Estados

São Paulo - Tenistas de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Santa Catarina estão liderando o ranking da Blue Life Junior,s Cup, o maior circuito de tênis juvenil brasileiro. Depois de quatro etapas realizadas, em Brasília, Belo Horizonte, Recife e São José do Rio Preto, quatro jogadores paulistas estão na primeira colocação do ranking, dois cariocas, um catarinense, dois brasilienses e um mineiro também.
O paulista Arthur Takahashi é o líder isolado nos 12 anos, tendo sido campeão em Brasília, Belo Horizonte e Recife e vice em São José do Rio Preto. Nos 14 feminino a número um do ranking do circuito também é paulista. Nathalia Rocha foi campeã em Minas Gerais e no interior de São Paulo. No masculino dos 14, o líder também é de São Paulo. O campineiro Henrique Meloni, ganhou duas das quatra etapas, em Recife e Belo Horizonte. A outra paulista que ocupa o posto de número um do ranking é Marcela Evangelista, nos 18 anos, campeã em Brasília e São José do Rio Preto.
No Rio de Janeiro, as líderes do ranking são Rebeca Neves, nos 10 anos e Paula Madruga, nos 12. De Santa Catarina, o número um do ranking dos 10 anos é Lucas Abella. Da Capital Federal, vem Larissa de Carvalho e Lenoir Ramos, ambos nos 16 anos e de Minas Gerais o representante é Marcelo Melo, nos 18 anos. O campeão de cada categoria do circuito marca 200 pontos no ranking nacional e ainda ganha uma passagem aérea para disputar o Orange Bowl, nos EUA.


Pete Sampras quer seguir rotina de vitórias na grama

Chiquinho Leite Moreira
Agência Estado

Londres - Discreto nos seus hábitos e atitudes, Pete Sampras torna-se um extravagante quando o assunto é recordes. Neste domingo, quer ser conhecido como o tenista de maior número de títulos do Grand Slam do planeta. Faz a final de Wimbledon e, se vencer, irá levar para a prateleira de sua casa em Tampa, na Flórida, o 13º troféu dos mais cobiçados do tênis. O jogo será diante de um adversário ameaçador, o australiano Patrick Rafter, às 9 horas de Brasília, com transmissão pela PSN.
Com seis títulos de Wimbledon nos últimos sete anos, Sampras bem que poderia ser coroado como o "rei da grama". Conhece, como poucos, os segredos desta traiçoeira superfície.
Entre os segredos de Sampras está uma impressionante capacidade de valorizar suas conquistas. Este ano, em Wimbledon, esteve a ponto de abandonar a competição, depois de sofrer com uma tendinite na perna esquerda. Fez uma enorme encenação. Seus rivais chegaram a sonhar com a possibilidade de vê-lo fora da disputa.
Nos últimos dias, para fugir da pressão, Sampras resolveu mudar o discurso. Disse que o recorde de 13 títulos do Grand Slam não é mais importante nesta decisão. Se não ganhar em Wimbledon, pode buscar a marca em setembro, no US Open, ou no próximo ano. Aos 28 anos, garante estar em condições de seguir em um elevado nível técnico por mais dois anos.
Com casamento próximo de ser anunciado, com a atriz Bridguite Wilson, e com diversas contusões atrapalhando suas atuações, ninguém acredita, porém, que Sampras esteja mesmo falando a verdade.

Galeria

Entre os 62 troféus conquistados, 12 estão em um lugar especial: os de US Open de 1990, 93, 95 e 96; de Wimbledon de 1993 a 95 e de 1997 a 99; e do Aberto da Austrália de 1994 e 97. Existe apenas um título que ele parece já estar conformado em não ganhar, o de Roland Garros.
Só de prêmios oficiais em torneios já ganhou mais de US$ 40 milhões. Para uma estrela como Sampras, esta cifra deve ser multiplicada por três, pelo menos, com seus ganhos de patrocinadores, garantias em participações de torneios e publicidade.
Com planos de atrapalhar a festa de Sampras, Rafter entra na quadra disposto a mostrar a eficiência de seu jogo em quadras rápidas. Dono de um saque eficiente, preciso e veloz, tem nos voleios uma de suas armas mais poderosas. é o primeiro australiano a ir à final de Wimbledon desde 1987, quando Pat Cash conquistou o título.
O australiano quer comprovar a recuperação de uma cirurgia no ombro, voltando a conquistar títulos do Grand Slam. Já foi campeão do US Open em 1997 e 98.


Intelbras/São José recebe a Ulbra/Canoas

São José - O vôlei masculino adulto da Intelbras/São José volta à quadra na próxima segunda-feira, dia 10, para o primeiro compromisso após o término da Superliga Nacional. A equipe dirigida pelo técnico Djalma Cardoso enfrenta a partir das 20 horas a Ulbra, de Canoas (RS), em partida amistosa no Ginásio Municipal de São José, no Centro Histórico do município. A partida é uma promoção do Santa Catarina Voleibol Clube e da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Social e faz parte da Campanha do Agasalho, e a entrada será uma peça de roupa. As duas equipes voltam a se enfrentar quarta-feira no mesmo local.
Passando por uma fase de reestruturação, o grupo dirigido por Djalma Cardoso está bastante modificado em relação ao que disputou a Superliga Nacional e ainda busca novas parcerias com a iniciativa privada. Treinando desde maio para o Campeonato Catarinense que inicia na próxima semana, a Intelbras manteve seis jogadores da equipe anterior: Alí, Boi, Wilson, Tito, Diego e Espingarda, e ganhou três reforços nas últimas semanas. Chegaram o levantador Toni, ex-Ulbra, o líbero Xuxa, ex-Lupo Náutico, e o ponta Edson, ex-Minas.
De acordo com o técnico Jorge Schmidt, o Jorginho, "o objetivo da equipe Ulbra/Compaq, é buscar a integração entre os jogadores". Ele sabe que a equipe ainda mudará muito durante a temporada, mas como poucos já jogaram juntos, "esta oportunidade de integração será importante, ao mesmo tempo que os atletas vão pegando ritmo de jogo".


CBB não faz
controle das
"estrangeiras"

São Paulo - Longe do Brasil e também do controle da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) e da comissão técnica da seleção olímpica. Esta é a situação das jogadoras do País que estão disputando a WNBA, nos Estados Unidos, e que voltarão, na véspera da Olimpíada, para serem titulares da seleção de basquete nos Jogos de Sydney. A CBB não estabeleceu nenhum programa para manter sob controle a condição física e técnica das pivôs Alessandra (Indiana Fever) e Cíntia Tuiu (Orlando Miracle), da ala Janeth (Houston Comets) e da armadora Claudinha (Detroit Schok).
O técnico Antônio Carlos Barbosa "ouviu dizer" que a pivô Alessandra (jogou apenas 10 minutos em 3 das 15 partidas de seu time na WNBA) está com tendinite no tornozelo, e soube que Cíntia, Janeth e Claudinha estão bem. A Confederação Brasileira de Basquete tentou um contato, mas para obter informações para um guia olímpico, e não conseguiu falar com Alessandra.
Também não há confirmação sobre a condição psicológica da pivô. Alessandra, segundo comentários, não teria ambiente na WNBA e estaria disposta a abandonar a temporada. As demais jogadoras continuam realizando treinamentos em São Paulo com o técnico Antônio Carlos Barbosa. Neste final de semana, elas estão de folga e na segunda-feira retornam aos treinamentos.

 
Copyright © 2000 A Notícia - Fone: 055-0xx47 431 9000 - Fax: 055-0xx47 431 9100 - Rua Caçador, 112 - CEP 89203-610 - C. Postal: 2 - 89201-972 - Joinville - SC - BRASIL - EXPEDIENTE
 

Torque ComunicaÁ„o e Internet