Joinville         -          Terça-feira, 10 de Outubro de 2000         -          Santa Catarina - Brasil
 
 

ANotícia  

















Estímulo

Crianças com alguma dificuldade de relacionamento são incentivadas com brincadeiras para que expressem seus sentimentos
Foto: Marcelo Caetano

Pais equilibrados,
crianças felizes

Para terapeuta, limites na hora certa são base da educação

Genara Rigotti

Pais equilibrados que sabem impor limites na hora e na medida certa. Essa é a regra básica para educar crianças felizes e emocionalmente sadias. A dica é do ludoterapeuta Julio Schuruber, que atende crianças de quatro a 12 anos que estão com alguma dificuldade de relacionamento na escola, com os amigos ou na convivência familiar. Durante as consultas, os pacientes são estimulados através de brincadeiras. "A criança não consegue falar sobre as coisas que sente e vive com a mesma fluência dos adultos. Ela se expressa através do brinquedo", diz o terapeuta.
Segundo ele, na brincadeira de casinha ou de boneca as meninas repetem a sua relação familiar e forma como são tratadas pela mãe. "É o que nós chamamos de identificação projetiva. O brincar é a expressão total do sentimento, porque o psiquismo infantil é o minipsiquismo adulto", enfatiza. No seu consultório, cada criança tem uma caixa de brinquedos. "A criança monta a sua vida através dos brinquedos. Nós interpretamos o que ela está dizendo com a ajuda dos pais", explica Julio.
Na sua opinião, não existem brinquedos determinados para cada idade do desenvolvimento infantil. "O cuidado dos pais deve ser com a segurança dos brinquedos. Preferir sempre os que ofereçam menos risco de acidentes para os pequenos. É claro que, se uma criança de um ano ganhar uma carrinho de controle remoto, com maior ou menor dificuldade ela vai aprender a brincar, mas lá pelos cinco, seis anos, quando as crianças da sua faixa etária estiverem brincando com os carrinhos, ela já vai ter enjoado do brinquedo. Os pais correm o risco de ter criado um filho precoce", alerta.
"A adequação do brinquedo depende principalmente da segurança, mas é claro que a medida que a criança se desenvolve existe um aproveitamento melhor dos recursos disponíveis", frisa. Outro fator que deve ser levado em conta pelos pais é o custo-benefício. Com base nas suas experiências, Julio garante que a criança não pode ter tudo o que quer. "Ela precisa aprender a lidar com o 'não' desde cedo, ou então os pais estarão gerando um adulto que não aceita as frustrações", ressalta. "É fato que a criança precisa muito mais de um pai e uma mãe, presentes, que lhe ensinem a brincar, do que uma série de brinquedos que ficam guardados nas caixas", enfatiza.
No entanto, o terapeuta adverte os pais muito ansiosos para que não sobrecarreguem a criança. "Os pais precisam prestar atenção na criança, quando ela está disposta a aprender", ensina. São dois os sinais de alerta para os pais, conforme Júlio: criança que não brinca desde cedo e criança que não consegue brincar em grupo depois dos seis anos de idade tem problemas emocionais e precisa de ajuda. "Afinal, a primeira noção de sociedade de interação da criança ocorre através das brincadeiras em grupo", indica. A terapia com as crianças acontece em encontros semanais e uma vez por mês o psicólogo orienta os pais das crianças.
Através da terapia, a criança é estimulada a soltar sua imaginação e seu poder de criação para reconstituir o cotidiano. "O maior problema é a forma desarticulada que os pais estão educando os filhos. Eles têm dificuldades de determinar limites e tentam suprir de forma errada a ausência no dia-a-dia da criança. Não percebem que, assim, contribuem com o desajuste emocional do filho", afirma.


Alternativa
Brinquedo é importante ferramenta colocada à disposição dos pequenos especiais
Foto: Luiz Micheluzzi

Fórmula certa para criar os filhos não existe

"O filho único, por exemplo, é uma criança que recebe uma cobrança maior, geralmente é bastante solitária, tem dificuldades em aprender a dividir e corre o risco de tornar-se adulto antes do tempo. Tudo porque falta equilíbrio dos pais", assegura. "Afinal, os pais são os únicos modelos que a criança tem", explica.
"Atendo crianças que se preocupam tanto com os pais que perdem a infância. Ficam sem energia para viver as suas próprias vidas", relata o terapeuta. Conforme Júlio, não existe fórmula certa para criar os filhos, é um processo de aprendizado com erros e acertos. "Uma coisa é certa para se ter adolescentes sadios: é preciso pais atuantes na infância, que saibam impor limites - através do 'não' e através do modelo - e compartilhem as atividades que gostam. O pai que gosta de futebol e tem paciência de tocar a bola com filho vai aprender com ele e terá um parceiro para acompanhá-lo pela vida toda", determina.
O brinquedo aparece sempre como uma importante ferramenta à disposição dos pais. A terapeuta ocupacional Liliana Etchatz Fenili trata crianças com síndromes e paralisia cerebral que possuem dificuldades em realizar movimentos. No seu trabalho, não basta ensinar a brincar ou avaliar como a criança brinca, é preciso encontrar formas alternativas da criança brincar mesmo com a deficiência ou dificuldade que ela apresenta. "Se ela não consegue chegar até o brinquedo, nós adaptamos", relata. "O nosso papel é explorar junto com a criança até que ela consiga explorar sozinha determinado brinquedo", completa.
Em seu consultório, Liliana atende crianças de todas as idades com deficiências leves, moderadas e graves. Também orienta os pais para continuarem o trabalho em casa. Uma bandeja com alças de PVC coladas com durepox, um jogo de quebra-cabeça com pinos para ajudar no manuseio ou um mouse adaptado em forma de caneta são algumas das idéias à disposição em seu consultório. (GR)


Receio em pedir ajuda

"Nosso pensamento é saber de que forma a criança pode brincar. Todo mundo conhece o pianinho que tem sons de animais. Em vez de piano, nós temos uma tapete musical, que a criança pode apertar com a mão aberta ou com o pé para associar os sons dos animais às figuras", explica a terapeuta Liliana Fenili.
"O brinquedo contribui com o desenvolvimento cognitivo, emocional e motor da criança, deficiente ou não. Culturalmente, os pais aprenderam que a criança doente deve ser deixada quieta em seu canto. Ao contrário, acreditamos que é preciso estimular cada fase de seu desenvolvimento corretamente. A brincadeira é a atividade da criança e o brinquedo é a ferramenta principal", informa. Ela admite que ainda existe receio dos pais buscarem ajuda para lidar com os filhos. "Felizmente, estamos quebrando esse tabu e muitos professores chegam a indicar o tratamento, principalmente nos casos de atraso no desenvolvimento. É bom ver a satisfação dos pais quando eles aprendem como brincar e estimular os filhos", encerra. (GR)


Manobra radical tem lugar certo

Skatistas devem ganhar mais duas pistas em bairros para prática do esporte

Cansados de praticar esporte em rampas improvisadas e degraus, os skatistas de Joinville reividicavam uma pista para fazer manobras sem correr o risco de ser atropelado. Agora, esse problema está resolvido. No domingo pela manhã, foi inaugurada uma pista para a prática do esporte, que fica ao lado do Centreventos Cau Hansen. Com medidas profissionais - 648 metros quadrados e seis obstáculos - poderá ser palco de importantes competições desse esporte.
O presidente da Associação Joinvilense de Esporte Radicais (Ajer), William Vieira da Silva, afirma que a cidade poderá sediar competições de nível internacional, destacando-se entre os municípios Sul do País. Um dos colaboradores do projeto, Vinícius Ricardo de Aragão, diz que a situação de Joinville em relação a esse esporte irá melhorar. "Com certeza vamos colocar no mercado atletas de nível", garante. Ele cita o caso de Curitiba que projetou skatistas de renome depois que foi construída uma pista profissional. Ele lembra que, além da diversão, o objetivo também é concentrar os adolescentes em um local para a prática do esporte, o que previne o uso de drogas e a disseminação da violência.
Na atualidade, um dos principais destaques de Joinville é Fernando Alex Soares, o Fernandinho, que está em primeiro lugar em um campeonato promovido em Itajaí. Ele confirma que sem a pista era difícil treinar porque seus vizinhos e motoristas reclamavam por temer danos ao patrimônio particular ou público.
Na cerimônia de inauguração, estavam o prefeito Luiz Henrique da Silveira e secretários. Segundo o prefeito, planeja-se a implantação de novas pistas, uma na praça Tiradentes, no bairro Floresta, e outra na zona Leste da cidade. Ele não descarta a criação de uma escolinha de skate, mas a abertura vai depender do interesse dos jovens.
Com a implantação da nova pista, está programado para o final de novembro um campeonato joinvilense e para o próximo ano um circuito catarinense de skate.


Mostra divulga área
de atuação dos agrônomos

A partir de hoje, vai estar aberta à visitação uma exposição no Shopping Mueller em homenagem ao Dia do Agrônomo, comemorado nesta quinta-feira. Dois profissionais vão estar no local orientando a comunidade e prestando informações a estudantes que pensam em seguir a profissão. O Núcleo de Engenheiros Agrônomos de Joinville, que está promovendo o evento, tem como principal objetivo divulgar a profissão e as áreas de atuação.
Entre as atividades serão apresentadas técnicas de cultivo como a hidroponia - cultivo de vegetais em meio líquido sem o uso da terra - plantas medicinais, aromáticas e produtos orgânicos. Também devem ser abordadas alternativas naturais de cura e alimentação, jardinagem e paisagismo, plantas ornamentais, meio ambiente com ênfase na necessidade de proteção dos mananciais hídricos e o abuso na utilização dos agrotóxicos. "Vamos vestir uma manequim com os equipamentos de proteção necessários para manusear a aplicação de produtos tóxicos", explica Carlos Alberto Amaral, presidente do núcleo de agrônomos, que hoje conta com aproximadamente 70 filiados.
"Através de painéis e pôsteres vamos dar as explicações necessárias", diz. "Outro assunto que chama atenção da comunidade são os transgênicos e a produção de mudas em laboratórios", acredita Carlos. "Vamos desmistificar a profissão", garante. Segundo ele, hoje o agrônomo tem um compromisso com o planeta e com a sociedade.
"Antes as pessoas pensavam que o agrônomo só teria campo de trabalho nas lavouras, atualmente, ele está atuando com competência em vários setores da sociedade", afirma. A exposição está montada na alameda de serviços e promete muita informação para quem é leigo no assunto.


Casa do Fritz &
Frida é atração em festa

Mais de 50 mil já visitaram a 13ª Fenachopp até domingo

A apresentação do coral da Sociedade Lírica faz parte da programação da abertura oficial da Casa do Fritz & Frida (Fritz & Frida Haus), hoje, a partir das 19 horas, no pavilhão de eventos da Expoville. O espaço é uma das atrações da 13ª Festra Nacional e Internacional do Chopp (Fenachopp), que prossegue até o dia 23 de outubro. Como no ano passado, a casa foi montada com a cara da "Cidade das Flores". O resgate da cultura germânica foi feita através de pesquisa bibliográfica e de campo pelos alunos do curso técnico em turismo e hotelaria do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).
Além da exposição, o visitante também pode ler um jornal criado pelos alunos, que conta os principais fatos da história de Joinville, degustar pratos típicos alemães e interagir no espaço do visitante, criando uma lista de nomes, piadas, brincadeiras ou qualquer curiosidade alemã. Coquetel típico especialmente preparado pelos alunos do curso de cozinheiro do Senac será servido aos convidados para a abertura.
Nesta edição, estão sendo apresentadas fotografias e reproduções gráficas relativas a vários temas, com explicações pertinentes, entre eles, o roteiro dos imigrantes, famílias ilustres cujos nomes definem ruas de Joinville, construções históricas, vestuário da época e restaurantes típicos. Há um espaço para interação com o visitante, onde podem ser dadas contribuições sobre temas ligados à exposição. A entrada é gratuita.
Desde a abertura do evento, no dia 4 de outubro, até domingo passado, a administração registrou um público de 50.750 pessoas. Foram consumidos 32.500 litros de chope e refrigerante.

Iluminação

Cerca de três mil metros de corda luminosa enfeitam 800 metros quadrados da fachada da Expoville, o que renova o visual da festa. O objetivo é valorizar a arquitetura típica, explica o idealizador da Fenachopp, Laércio Berckhause. O projeto foi desenvolvido pela empresa Luminarium, de Joinville.


Futebol infantil define os
classificados para 2ª fase

Apesar de ainda restar alguns jogos para completar a fase de classificação, o citadino de futebol infantil tem definidos os seis times (três de cada chave) que se candidatam ao título da temporada e para ficar com a Taça Restaurante Pingüim 2. Na rodada de domingo pela manhã, o resultados das duas partidas apenas reafirmaram definição da primeira fase.
No empate em 2 a 2, Aviação e JEC/Irineu confirmaram as primeiras posições da chave B, onde também o Sesi/Cruzeiro (4 a 0 sobre o DPM Cine Vídeo) manteve-se entre os líderes. Na chave A, o Caxias (17 pontos) tem a melhor campanha, seguido por Fluminense/FPV (15) e Tamandaré (14), que ficaram com as três vagas, enquanto o Aventureiro (4) está de fora.
Na chave B, o Aviação (17 pontos) aparece na frente, com Sesi/Cruzeiro (16) e JEC/Irineu (15) também passando à segunda fase. O 25 de Agosto, com 3, está eliminado.
Natureza é a vedete em Água Doce
Fauna e flora fazem cidade despertar para vocação dos turismos rural e ecológico.  AN_Turismo 
Na Segundona, em disputa da Taça Manchester Bingo, a desistência do Garuva tirou três pontos do Mildau. Além disso, o líder até a rodada de domingo deixou escapar a dianteira com a inesperada derrota em casa frente ao Cruzeiro. Agora, o time da Estrada do Sul pulou para primeiro no returno e fica a três pontos do melhor índice técnico - o próprio Mildau.
Nos outros jogos, Ponte Preta derrotou o Juventude por 3 a 2 e também passa a ser o segundo melhor pelo índice técnico. Em Araquari, Sete de Setembro e Recanto Lagoa empataram em 1 a 1. No feriado de quinta-feira, jogam Ajax/Primavera Sport Center x Sete de Setembro. No citadino sênior (Taça Auto-elétrica Graciosa) os resultados foram: Linense 2 x 2 Aventureiro, Paissandu 4 x 1 Tamandaré e América 2 x 1 Contra Chama. No júnior, Caxias 3 x 1 Fluminense/Pianox e América 6 x 2 Aviação/Empreiteira Fortunato.


FUTSAL - O Futsal Joinvilense perdeu mais uma vez jogando em Joinville e caiu na tabela do Estadual da 1ª Divisão. A derrota, sábado, no Abel Schulz, foi para o Pinhalense por 7 a 6. A equipe, era era líder de sua chave, caiu para a 3ª colocação.

Manchetes AN

Das últimas edições de AN Cidade
08/10 - Deficientes não têm trânsito livre
07/10 - Escolhida a rainha da 13ª Fenachopp
06/10 - Rizicultores amargam perdas na produção
05/10 - Cartão inteligente vigora em 2001
04/10 - Famílias esperam justiça pela perda de suas casas
03/10 - Luiz Henrique deve reformular equipe
02/10 - Cidade decide destino por mais quatro anos

Leia também

Sucesso

Pescadores prestigiam competição que envolve seis principais pesque-pague do interior

1º Circuito de
Pesca atrai 95 duplas

Competição iniciada no domingo terá mais cinco etapas, estendendo-se até 8 de abril de 2001

Herculano Vicenzi

Com a participação de 95 duplas de pescadores, foi aberto, domingo, no pesque-pague Q-Lagoa, em Estrada do Pico, no distrito de Pirabeiraba, o 1º Circuito de Pesca de Joinville. O número de participantes deixou mais que satisfeitos os promotores do evento, que não esperavam tantas duplas nas abertura do circuito, que envolve os seis principais pesque-pague do interior joinvilense.
O 1º Circuito de Pesca é uma promoção conjunta da Associação dos Aquicultores de Joinville (Ajaq), Fundação Municipal 25 de Julho, Prefeitura e Promotor. O principal objetivo é ampliar a divulgação dos pesque-pague existentes no município, para estimular o joinvilense a aumentar o consumo de peixe de água doce, informa o agrônomo Roberto Hoppe, presidente da Ajaq e coordenador da estação de piscicultura da Fundação Municipal 25 de Julho.
A competição terá mais cinco etapas e se estenderá até o dia 8 de abril de 2001. A próxima etapa será no dia 12 de novembro, no pesque-pague Piraí, em Estrada do Atalho, região de Vila Nova.

Muita festa, pouco peixe

A primeira etapa do circuito ficou caracterizada por muita festa e pouco peixe. Além das 95 duplas de pescadores inscritos, dezenas de outras pessoas compareceram no pesque-pague Q-Lagoa para apreciar a pescaria. A competição foi realizada entre 10 e 12 horas e, em seguida, o local se transformou um palco de festa popular, registrando elevado consumo de cerveja, churrasco e peixe frito.
O resultado da pescaria foi magro, frustrando as previsões otimistas de muitas equipes e do próprio dono do Q-Lagoa, Emílio Benkendorf. Ele lamentou a minguada captura de peixes, ressaltando que "jamais consegui reunir tantos pescadores de uma só vez e, por isso, eu queria que todas as duplas conseguissem sair daqui com uma sacada de peixe, pois seria a melhor forma de fazer propaganda do meu pesque-pague".
Roberto Hoppe esclareceu que a súbida queda de temperatura na tarde de sábado e a elevação brusca na manhã de domingo foi a maior responsável pela captura de pouco peixe.


Temperatura atrapalha

Além da acentuada alternância de temperatura, o barulho provocado pelo grande número de pessoas contribuiu para malograr as espectativas. "Felizmente, a maioria dos pescadores compreendeu que pescaria é assim mesmo, tanto assim que, no final da etapa, o Q-Lagoa se transformou em palco de festa", concluiu o presidente da Ajaq.
O regulamento do 1º Circuito de Pesca de Joinville obedece os seguintes critérios: as equipes são formadas com uma dupla, com direito a um pescador reserva. Mediante pagamento de R$ 30,00 de inscrição, todos os peixes capturados são dos pescadores. A classificação é estabelecida através do peixe mais pesado de cada dupla.
Na primeira etapa a classificação ficou assim: primeiro lugar, equipe Santos, com uma traíra de 1.805 gramas; segundo, equipe Vendramin, com uma traíra de 1.590 gramas; terceiro, equipe Barriga Gorda, com uma carpa cabeçuda, com 1.160 gramas; quarto, equipe Piraí, com uma tilápia de 690 gramas; e em quinto, equipe Brasil 1, com um jundiá de 615 gramas. Cada uma das primeiras quatro equipes, além de troféu, ganhou também um porco vivo.
Na próxima etapa, no pesque-pague Piraí, na região do bairro Vila Nova, os principais prêmios serão um boi de 400 quilos para o primeiro lugar e um boi de 250 quilos para o segundo colocado, além de troféus até o quinto colocado.


Estréia

Guimar Schlottag participou pela primeira vez como piloto

Encontro reúne cerca de
500 motoqueiros na cidade

O Motoclube Forasteiros promoveu, sábado, no Trattus Bar, um encontro de motociclistas. Mais de 500 participantes prestigiaram o evento, que tem por objetivo unir os interessados em motos. Entre as atrações, estavam a exibição de manobras radicais e apresentações das bandas Raserback, Treeback e Dusfess.
Segundo o presidente do Motoclube Forasteiros, Ivan da Silveira, estiveram presentes motociclistas de outros Estados. "Veio gente de São Paulo, Minas Gerais e também muitos aqui da região", disse. Ele contou que se decepcionou com a fraca representação joinvilense. "Em torno de 95% das pessoas eram de fora. Até para receber o troféu, doado aos presentes, faltou representante dos motoclubes de Joinville", lamentou. Ele disse que falta apoio para o movimento e incentivo dos motociclistas da cidade.
Uma das histórias que marcou o encontro foi a presença da motoqueira Guiomar Schlottag, 36 anos. Ele veio com o marido e dois filhos para o encontro, sendo a primeira vez que ela participa como piloto e não como caroneiro. E com um detalhe especial: ela pegou a sua carteira de habilitação dois dias antes de viajar. "Eu não tinha noção de como se dirigia uma moto, mas meu marido disse que eu fui muito bem", festejou. Ela resaltou que havia dirigido a moto apenas duas vezes antes de viajar. Guiomar contou que ela e o marido participam há dois anos desses encontros e são coordenadores do Motoclube Aliados do Asfalto.


Copa de judô
promove o intercâmbio

Competição reúne atletas de 6 cidades em Joinville

Cerca de 110 judocas, representando nove clubes, disputaram sábado, em Joinville, a 3ª Copa de Judô do Colégio Santo Antônio. As delegações representaram Canoinhas, Balneário Camboriú, Joinville, São Francisco do Sul, Itapema e Itajaí.
A competição reuniu atletas de cinco a 17 anos. No total, foram seis categorias no tatame do centro esportivo do colégio, na rua Papa João 23. Pela manhã, lutaram as categorias mirim (5 e 6, 7 e 8 anos) e infantil (9 e 10 anos). Na parte da tarde competiram a infanto-juvenil (11 e 12 anos), pré-juvenil (13 e 14 anos) e juvenil (15 a 17 anos).
Para o professor de judô do colégio Santo Antônio, Roberto David da Graça Júnior, a copa é importante para integrar as academias da região. Segundo ele, 34 alunos do colégio participaram.
A supervisora geral da Federação Catarinense de Judô, Lelis Maria Poyer, concorda com o professor. E, segundo ela, a prova que a idéia deu certo foi o aumento no número de competidores em relação ao ano passado.
Campeão da seletiva do campeonato Brasileiro, Thiago Henrique Koch, 14 anos, chegou de Itapema para conferir. O judoca conta que entrou no judô porque estava andando em más companhias e "fazendo coisas erradas". Hoje, além de estar com notas melhores na escola, Thiago garante que a prática do esporte o ajudou a ter disciplina e ocupar melhor o tempo.
Outro exemplo é a menina Amanda Simões Pires, 10 anos. treinando judô há três anos, Amanda já tem títulos como 2ª melhor do Brasil, em 1999, e a 3ª melhor do Brasil, em 2000. Amanda garante que o judô melhorou muito em sua vida. "Aprendemos a ter disciplina, a respeitar as pessoas, as minhas notas estão mais altas. Enfim, tudo melhorou", diz.
E se o objetivo da copa era promover a integração, parece que a idéia deu certo. Amanda Pires diz que fez muitas amizades. "Quero voltar no ano que vem porque é super legal", explica. Assim como ela, Jaqueline Ribeiro, 13 anos e Fernanda Rocha, 13 anos, também gostaram do campeonato.
Luta corporal oriunda do guerreiro Samurai, o Judô foi implantado em Santa Catarina pelo japonês naturalizado brasileiro, Kenzo Minami. Radicado em Joinville, o professor lembra que na época de pioneirismo houve muita dificuldade, mas que a população de Joinville deu muito apoio. "Hoje está bem divulgado. A boa colocação dos atletas brasileiros nas Olimpíadas ajuda muito", observa.
Na categoria mirim todos receberam premiações com o primeiro lugar. No restante, nem todas as categorias tiveram todas as posições preenchidas.

 
Copyright © 2000 A Notícia - Fone: 055-0xx47 431 9000 - Fax: 055-0xx47 431 9100 - Rua Caçador, 112 - CEP 89203-610 - C. Postal: 2 - 89201-972 - Joinville - SC - BRASIL - EXPEDIENTE
 

Torque Comunicação e Internet