Joinville         -          Sexta-feira, 20 de Abril de 2001         -          Santa Catarina - Brasil
 
 
ANotícia  












ACOLHIDA

Lar Abdon Batista garante atendimento integral, hoje, a 85 crianças de zero a 18 anos e se mantém com a ajuda da comunidade; principal carência atualmente é a falta de voluntários para atuar com os abrigados
Fotos: Cleber Gomes

Um lar para as
crianças abandonadas

Há 90 anos, instituição se transforma em família

Diogo M. Vargas

Sem dúvida a casa mais acolhedora de Joinville, o Lar Abdon Batista completa 90 anos de existência neste 21 de abril. Para comemorar, será celebrada uma missa de ação de graças no dia 25 (quarta-feira), na capela do Lar. Haverá também a apresentação do coral formado por crianças da entidade.
Hoje, o Lar Abdon Batista atende a 85 crianças e adolescentes carentes ou abandonadas, filhas de pais com problemas mentais, viciados em drogas, encaminhadas pelo Juizado da Infância e Juventude e Conselho Tutelar. O atendimento é integral e gratuito para casos de extrema necessidade, dos recém-nascidos a jovens com 18 anos.
Tem 30 funcionários, mantidos pela Prefeitura e Associação de Amigos das Crianças do Lar Abdon Batista, criada em 1984. A manutenção da instituição se dá através da ajuda da comunidade, campanhas, convênios e colaborações do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente.
Em 21 de abril de 1911 um grupo liderado por Abdon Batista reuniu-se no Clube Joinville e formou a Sociedade de Caridade - Asilo de Órfãos e Desvalidos, na rua Afonso Pena. Em 1916, passou a ser dirigido pelas irmãs da Divina Providência. Na inauguração, em 16 de julho do mesmo ano, ficaram internados quatro idosos e quatro meninas.
Nos anos seguintes o número de internos cresceu, chegando, em 1960, a 120 crianças e 21 idosos. A sociedade funcionou até 1923. Na época, por motivos financeiros, a Prefeitura recebeu o asilo como patrimônio e assumiu a manutenção.
Atualmente, as crianças estão divididas em sete grupos. Residem em apartamentos tipo família, onde recebem educação religiosa. Durante o dia, são acompanhadas por professores, pedagogas, assistente social, psicólogo e fonoaudiólogo.

Voluntários

Para a diretora, irmã Blandina Lohr, 58 anos, é um desafio e uma responsabilidade trabalhar no Lar Abdon Batista. "Temos alegria e ao mesmo tempo preocupação, lutando para um futuro melhor dessas crianças". O presidente da Associação de Amigos das Crianças do Lar Abdon Batista, Evaristo João Furtado, 56, frisa o objetivo de fazer as crianças felizes.
"A maioria delas é traumatizada. Portanto, exige muito de cada um que trabalha aqui", comenta. A irmã Robélia Schlickmann, 61, há 38 no Lar, já arriscou a própria vida na dedicação à entidade. "Muitas vezes encaminhei mães com problemas mentais até o hospital sozinha", lembra.
A falta de voluntários para atuar com os abrigados hoje é a grande carência da instituição. Outro problema é a ausência de uma enfermaria, que reduziria os índices de internações em hospitais.

* O Lar Abdon Batista fica na rua Afonso Pena, 680, bairro Buacarein. Telefone 422-6944.


CASA
Edith (E), com irmã Blandina: no lar desde os dois anos

Na entidade há 77 anos

Ela é a moradora mais antiga do Lar Abdon Batista. Edith Bohrn tem 79 anos e está desde os dois na casa. Ninguém sabe como realmente foi parar lá. Como tem deficiência visual, o que se imagina é que teria sido entregue pelos pais para receber atendimento e acabou ficando no local.
Com dificuldade para se comunicar, conta que fez de tudo no Lar: brincou, trabalhou, ajudou a cuidar das crianças... "Considero esse lugar minha casa. Só quero sair quando morrer".
A diretora, irmã Blandina Lohr,diz que foram raras as vezes em que Edith recebeu visitas. Nunca conheceu os pais. Apenas uma sobrinha, que reside em São Bento do Sul, aparece para vê-la. Sem poder andar há um ano, a moradora número um passa os dias escutando o som da televisão e rezando. (DMV)



EXPERIÊNCIA
Gerd Baumer falou sobre ética e voluntariado

"Solidariedade é arma
contra o caos atual"

Diogo M. Vargas

Estamos num grande caos. O caos da velocidade dos inventos, do crescimento populacional, do deslocamento dos corpos e, sobretudo, da velocidade de informações. A saída para resolver o "problema de massa" e o descontrole da humanidade é o restabelecimento dos limites e princípios de vida, com ética e solidariedade.
O tema "Ética e Voluntariado" foi desenvolvido pelo vice-presidente do Conselho de Administração da WEG S/A, de Jaraguá do Sul, Gerd Edgard Baumer, quarta-feira à noite, numa palestra promovida pelo Rotary Club de Joinville Norte. Gerd falou para sócios do Rotary, autoridades municipais e convidados.
O vice-presidente da WEG disse que o mundo precisa de um resgate dos valores. Criticou os meios de comunicação do Brasil, "que estão metralhando a população com notícias ruins, violência e sexo". Relatou o bombardeio de lixo ao homem: o lixo auditivo (barulho de máquinas), cultural (glorificação da violência), humano (corrupção) e dos valores (ter ao invés de ser).
"Não estamos acompanhando essa velocidade do 'novo' mundo. Temos que nos retreinar. Investir na solidariedade é um bom exemplo. Nos Estados Unidos, 49% da população têm função voluntária, além do trabalho. O homem parado é um homem perdido", observou.
Para Gerd Baumer, o Brasil tem a mentalidade errada de que só pode ser solidário quem está de bem com a vida. Sendo assim, a mudança implica no estímulo da percepção e da consciência.
A ética, no seu entendimento, ultrapassou os princípios ditados anteriormente, como os dez mandamentos de Jesus Cristo. Hoje, são os códigos de leis e as regras de conduta impostas pela sociedade.


Ética se dá com o exemplo

"A ética só é ética se for praticada. Não se ensina, se dá com o exemplo", diz o vice-presidente do Conselho de Administração da WEG S/A, de Jaraguá do Sul, Gerd Edgard Baumer
O ex-governador de São Paulo Mário Covas, falecido recentemente, é um exemplo típico de homem público ético em seu comportamento. "Revelou sua doença totalmente, nunca deixou os médicos mentirem sobre o que tinha".
Aos 67 anos, o joinvilense Gerd Edgard Baumer tem grande experiência mundial em administração. Fez cursos em universidades dos Estados Unidos, França, Japão e Coréia do Sul. Também é bacharel em direito e ex-funcionário do Banco do Brasil. Fundou os Bombeiros Voluntários e a Apae de Jaraguá do Sul.
Fora a defesa da síntese de que tudo depende de cada um, revelou a receita para o sucesso, citando valores "D" que sempre deram certo na humanidade. São eles: determinação, dedicação, desprendimento e disciplina. "Em conjunto com o estabelecimento de limites, equilíbrio, harmonia, seleção, amizade, oração e o desejo de sonhar, certamente entenderemos o que se passa". (DMV)


Atendimento
Serviços oferecidos na instituição

* Atendimento à criança de zero a seis anos: berçário, maternal, jardim e pré-escolar;
* Atendimento à criança e ao adolescente entre 7 e 17 anos: encaminhamento às escolas da comunidade, atividades culturais, esportivas e recreativas, oficinas de trabalho artesanal (bordados, pinturas, fabricações de peças decorativas, produção de chocolate, conserto de roupas e brinquedos usados), orientação sexual e religiosa;
* Atendimento médico, psicológico e odontológico: para todos os abrigados;
* Atendimento familiar: entrevistas domiciliares, grupo de apoio com pais ou responsáveis, estudos sociais, encaminhamento a serviços públicos e geração de renda através de oficinas produtivas.


Taxistas criticam
criação de cooperativa

Categoria não está satisfeita presidência de sindicato

Oliver T. Albert

A criação da Cooperativa dos Motoristas Autônomos de Transporte de Passageiros de Joinville (Coopertáxi) não deve ter o apoio da maioria dos atuais taxistas. Decepcionados com o trabalho do presidente da entidade que representa a categoria, Francisco de Assis Marques, eles não concordam com alguns pontos da iniciativa. Os taxistas afirmam que Francisco Marques pouco fez nas duas décadas em que está como presidente do Sindicato dos Condutores Autônomos de Veículos Rodoviários de Joinville (Sincavir). Além de pedirem descontos dos combustíveis, eles exigem melhor distribuição dos pontos pela cidade e maior fiscalização às lotações clandestinas, como mototáxis e veículos particulares.
"Creio que a cooperativa não vai dar certo, porque pouca coisa deverá mudar", afirma Ariel Francisco, que trabalha há cinco anos no ponto da rodoviária e divide espaço com outros 20 taxistas.
Assim como seus colegas, Francisco diz que o uso de uniformes (calça e camisa azuis) não é uma boa idéia. Justifica que alguns taxistas trabalham durante 24 horas e não podem ficar com a mesma roupa o dia inteiro. "Não temos condições para comprar dois conjuntos".
Outra questão é a venda de pontos. Este é o principal motivo para a criação da cooperativa, que pretende coibir essa prática. Segundo alguns motoristas, mesmo com a criação da Coopertáxi, o comércio ilegal deverá continuar. Informam que colegas chegam a vender pontos por valores acima de R$ 100 mil. Conforme disseram, um ponto no aeroporto, por exemplo, não é vendido por menos de R$ 150 mil.
A concentração de taxistas no centro da cidade é outra questão que incomoda a categoria. Amírio Marques, presidente do ponto em frente ao Shopping Cidade das Flores, diz que o movimento caiu cerca de 40% desde que surgiram diversos placas (lugares) na região central. "Temos também a concorrência de mototaxistas, lotações e até veículos particulares. E o pior é que a Sincavir e a Prefeitura não fiscalizam esses serviços que insistem em nos substituir", observa.
O chefe da divisão de transportes da Prefeitura, Rúben Neermann, rebate informando que as fiscalizações contra vendas ilegais de pontos e transportes irregulares estão sendo feitas. "Mas as vendas dificilmente conseguimos pegar, uma vez que não temos como saber ao certo quem vende. Não há documentos que provem o comércio", explica.

Eleição

O presidente da Sincavir informa que a próxima eleição no sindicato irá ocorrer em dezembro deste ano. "Quem estiver insatisfeito com a minha gestão que crie uma chapa e concorra no fim do ano", afirma, acrescentando que a escolha de nova diretoria ocorre a cada três anos.


Regional cria serviço
para evitar poluição

A cada dois meses, um caminhão da Secretaria Regional do Costa e Silva está percorrendo as ruas da região Norte da cidade recolhendo móveis e eletrodomésticos usados. A iniciativa vai evitar que moradores atirem utensílios no rio Cachoeira por não terem onde colocá-los.
"Fizemos uma limpeza no Cacheira e percebemos que objetos como geladeiras velhas, sofá e pneus estavam assoreando o rio e causando cheias", afirma o secretário do Costa e Silva, Genésio Deretti. A coleta, que começou neste mês, também vai beneficiar famílias porque o material que está em bom estado será doado.
Segundo o secretário, o trabalho deverá ser feito nos onze bairros que são de responsabilidade da regional do Costa e Silva. "A população deve ter consciência de que a natureza reage sempre que é agredida. Neste caso, a resposta foram as constantes cheias dos últimos meses na região".
As pessoas que quiserem se desfazer de objetos como geladeira, fogão, bicicletas, pneus e outros utensílios domésticos podem ligar para o telefone 425-5511 ou 425-3508. Será feito um mapeamento dos locais da coleta e, dentro de um mês, o caminhão passa recolhendo.

Preservação

No início deste mês, foi assinado contrato para elaboração do Projeto do Parque Morro do Boa Vista.
A formalização significa transformar a imensa área verde, existente na região central da cidade, em área de turismo e lazer para a comunidade.
Para que a comunidade dê suas sugestões, foi disponibilizado o telefone 422-0182. Há planos para que o parque abrigue teleférico, restaurante, trilhas, churrasqueiras, quiosques e a sede das ONGs ligadas à ecologia e ao meio ambiente, além da sede da Fundema.


Boa produção de pinhão
deve manter preço estável

Um produto que a partir desta semana passa a ser ofertado é o pinhão, cuja colheita estava proibida até o último dia 15. Ele inicia sua cotação com preços relativamente baixos, e, embora a tendência histórica seja de elevação, até julho motivada pelo aumento da procura ligada às festas juninas, este ano os preços deverão manter-se estáveis porque a perspectiva é de boa produção.
Após a elevação dos preços do tomate, batata, pimentão e cebola, motivados pelo aumento da procura ligada à Semana da Páscoa, o que se observa é uma estabilização nos valores desses produtos. No caso específico do tomate, havia uma tendência de alta que acabou não se confirmando em função da diminuição da procura, o que acabou provocando a queda.
As frutas estão em sua maioria, com os preços estáveis. Há uma tendência de pequena elevação nos preços do mamão, maçã e manga. Já a tangerina ponkan deve ficar mais barata. A laranja confirma a tendência de queda e os produtores do interior de São Paulo e Paraná, que começam a colher a nova safra, já estam ofertando o produto mais barato.


Vigilância autua lanchonetes

Denúncia de falta de higiene leva fiscal à rodoviária

Arlei Zimmermann

Duas lanchonetes que estavam manipulando alimentos em local inadequado, já que estava sujo de poeira provocada pela reforma que está sendo feita na estação rodoviária, foram autuadas na manhã de ontem pela Vigilância Sanitária. A vistoria das cinco lanchonetes que funcionam no prédio foi feita ontem pelos fiscais Lia Renata Abreu e Antônio Paulon, após receberem uma denúncia de que os estabelecimentos estavam vendendo alimentos sem apresentar condições de higiene.
Em um dos estabelecimentos, estava sendo usado até mesmo um minibotijão de gás para a fritura de pastéis, o que é irregular. Os fiscais entregaram ao administrador da rodoviária, Edson Macedo, um auto de intimação. "Na verdade, os proprietários receberam orientação, se não obedecerem, poderão ser multados e ainda ter suas lanchonetes interditadas", explica Lia.
O administrador esclarece que não optaram pelo fechamento das lanchonetes durante a obra para não prejudicar os usuários. Os cinco estabelecimentos tiveram seus espaços reduzidos e limitados por tapumes de madeira. Os comerciantes não quiseram se manifestar sobre a autuação.
A dona-de-casa Zulma Antunes, 43 anos, que diz não ter coragem nem de tomar um café na rodoviária, critica o acúmulo de pó nos balcões das lanchonetes e da situação dos banheiros. Ela diz que, na semana passada, os banheiros não estavam funcionando.
O administrador pede compreensão dos usuários da rodoviária porque as obras somente serão concluídas em 10 de junho. "Estamos fazendo de tudo para que o prédio ofereça melhores condições aos usuários", justifica. Quanto aos banheiros, informa que apenas o gratuito foi desativado. "Mas quem não tiver condições de pagar R$ 0,50 pode usá-lo de graça", diz.


Saúde prepara equipe
para orientar agente

Médicos, enfermeiros e coordenadores das regionais de postos da Secretaria Municipal de Saúde participaram esta semana, no Novo Hotel, de curso de capacitação para implantação do sistema de agentes comunitários de saúde. Das 11 unidades que farão parte desse projeto, cinco já estão recebendo treinamento para conhecer o processo de supervisão do trabalho desses profissionais.
O médico e coordenador técnico do Programa de Saúde da Família (PSF), Ronald De Gregório, informa que essa primeira fase vai englobar os ambulatórios Vila Nova (rural), Profipo, Espinheiros, Jardim Sofia e Rio da Prata. "Desse curso, os 20 profissionais sairão com todo o planejamento de como vão trabalhar com os agentes comunitários", garante De Gregório.
Hoje, começa o treinamento das equipes. "Trinta e oito pessoas fazem parte da primeira fase de capacitação dos agentes comunitários", revela o coordenador. Na segunda-feira, mais profissionais serão treinados na Amunesc. O restante das equipes serão preparadas gradativamente.


BOLÃO

Estadual no Alvorada

A equipe do Alvorada começa neste sábado a defender a hegemonia do Campeonato Estadual de Bolão 16 masculino. O bicampeão catarinense defende o título que conquistou nos dois últimos anos nos jogos da primeira fase acontecendo nas canchas da equipe joinvilense, no bairro Iririú.
Além do Alvorada, participam pela chave A as equipes do Baependi (Jaraguá do Sul), Guairacás (Timbó), Tiradentes (Itajaí), Albertinense (Rio do Sul) e Floresta (Agrolândia). Pela chave A, em Blumenau, os jogos deste sábado e domingo reúnem o Pingüins (Indaial), Vasto Verde (Blumenau), Brusque, Beneficiente (Brusque), 1º de Julho (Lages) e Caçadorense (Caçador).
Depois da rodada do final de semana, a chave A do Estadual de Bolão 16 masculino terá seqüência em sua fase de classificação com as etapas de Itajaí (26 e 27 de maio) e em Jaraguá do Sul (14 e 15 de julho). A Federação Catarinense de Bocha e Bolão desenvolve o campeonato neste ano desprezando a fórmula adotada nas três últimas temporadas. Uma das mudanças foi reunir equipes das série ouro com da prata, classificando para a segunda fase três equipes de cada chave. As seis equipes disputam o título de 2001 em cancha neutra, sem considerar a pontuação da primeira fase.
A competição, além de novo formato, perdeu o patrocinador que tinha até ano passado, quando era disputado o Circuito Perfiltech. Os jogos no Alvorada, neste sábado e também no domingo, têm início previsto para as 8h30.

Manchetes AN
Das últimas edições de AN Cidade
19/04 - Cooperativa tentará coibir comércio de pontos de táxi
18/04 - Hospital São José compra equipamentos
17/04 - Maternidade homenageia bebês e funcionários
16/04 - Proximidade da morte muda a vida
13 e 14/04 - Desabamento e rachaduras atingem casas
12/04 -Novo aeroporto é incentivo econômico
11/04 - Índios recebem a visita de crianças

Leia também

Fonoaudiólogos
defendem saúde da voz

População pode ter atendimento gratuito das 19 às 21 horas de hoje no Shopping Mueller

Rosane Felthaus

As estatísticas da Organização Mundial de Saúde revelam que a maior incidência de câncer de laringe (nas pregas vocais) é registrada no Brasil. Cerca de 15 mil brasileiros contraem a doença a cada ano e outros 8 mil morrem por não ter feito o diagnóstico em fase precoce.
A Semana Nacional da Voz, promovida em todo o País entre os dias 16 e 22 de abril, chama atenção para o problema e tenta mudar este quadro através de um simples e educativo trabalho de conscientização. "A voz é saúde", simplifica a fonoaudióloga Andrea Medeiros de Farias Tereisen, coordenadora das atividades em Joinville.
A campanha na cidade, promovida voluntariamente por 24 fonoaudiólogos e nove profissionais de áreas afins, oferece atendimento gratuito à população no terceiro piso do Shopping Mueller. O objetivo não é o de apenas orientar. "Estamos diagnosticando a alteração e encaminhando a pessoa para consulta especializada e gratuita", explica Andrea. O atendimento no shopping encerra-se hoje, entre 19 e 21 horas.
Nos primeiros quatro dias de atendimento 310 pessoas receberam orientações da equipe. Trinta e três foram encaminhadas a especialistas. A maioria que procura atendimento no shopping reclama de rouquidão. "A rouquidão persistente é um dos sete sinais de alerta de câncer", diz a fonoaudióloga, com base em levantamento da União Internacional Contra o Câncer (UICC). "Mas o diagnostico precoce simplifica a cura".
O cigarro é vilão. "Cerca de 90% dos casos de câncer acontecem entre os fumantes", destaca Andrea. Entre os sintomas, está a alteração de voz. "O problema existe. O melhor remédio é a prevenção".
O diagnóstico baseia-se na análise da voz e é rápido. O grupo voluntário dá dicas de como identificar e evitar doenças. O atendimento, entre as 19 e 21 horas, será encerrado na noite de hoje.

Ansiedade

A doméstica Pedrina Carvalho, 40 anos, procurou os profissionais no Shopping Mueller na noite de quarta-feira. Como milhares de outras pessoas, Pedrina reclama da rouquidão. "Fico dias sem conseguir falar praticamente nada. Perco a voz freqüentemente".
Pedrina convive com o problema há cerca de seis anos. "Já procurei o posto de saúde municipal. O clínico geral disse que eu teria que fazer uma consulta particular com um especialista. Não tenho dinheiro para pagar o médico".
Os recursos da doméstica, que ganha cerca de R$ 30,00 por semana, não foram suficientes para pagar atendimento privado. "Meus filhos ficaram doentes e tive de gastar o pouco que tinha com o tratamento deles", conta.
Na tentativa de solucionar o problema, Pedrina recorreu à ajuda de amigos para fazer um teste de audiometria e um exame de videolaringoscopia em Curitiba. "A doutora me pediu para tomar dois remédios. Na época (há cerca de dois anos) os comprimidos custavam mais de R$ 50,00", lembra.
Diante das dificuldades financeiras, Pedrina deixou de tomar a medicação. Enquanto aguarda atendimento no shopping, diz que continua sem saber o motivo da rouquidão. "Tenho medo de ter um câncer. Vi o anúncio do atendimento gratuito, peguei um ônibus e vim de Garuva. Gostaria de voltar para casa aliviada".
As mãos trêmulas revelavam a ansiedade de Pedrina. O diagnóstico final, após seis anos de angústia e espera, parece estar próximo. "Ela (a fonoaudióloga) disse que eu tenho de assistir a uma palestra sobre prevenção", diz, enquanto procura a sala onde receberá orientações.
Depois de uma hora de expectativa, Pedrina Carvalho soube que não faz parte do grupo de 15 mil brasileiros que contraem o câncer de laringe a cada ano. A rouquidão de Pedrina, segundo a fonoaudióloga Andrea Medeiros de Farias Tereisen, é causada por refluxo gastroesofágico. "O refluxo prejudica as cordas vocais", explica Andrea. Pedrina, aliviada, volta para casa. "Vou procurar o postinho", diz, sorrindo.


Crise é 1º passo à prostituição

Rede Joinvilense de Jornalismo entrevista dona de boate

Leandro S. Junges

A ex-garota de programa e ex-auxiliar administrativa Márcia Channel, 35 anos, que hoje é proprietária de uma das mais conhecidas boates de Joinville que serve como casa de prostituição, é a entrevistada do programa X da Questão da Rede Joinvilense de Jornalismo desta semana.
No programa, que vai ao ar a partir das 15 horas deste sábado, na TV Cidade (canal 20), Márcia conta parte da sua história e fala sobre os sentimentos, angústias e alegrias que envolvem quem trabalha e se diverte na noite de Joinville.
Assuntos como prostituição, drogas, Aids - temas comuns mas nem sempre abordados por quem vive na noite - e mesmo a relação econômica e afetiva que envolve as garotas de programa e seus clientes são tratados com naturalidade pela empresária.
Formada no ensino médio por um colégio particular e com passagens por grandes empresas da cidade, Márcia diz ter se tornado garota de programa exclusivamente pelas dificuldades financeiras. "Tinha uma filha para criar e as dificuldades nos obrigam a fazer muitas coisas", diz.
E é à falta de dinheiro ou às crises familiares que ela atribui como principais causas que levam tantas garotas a se tornar prostitutas. "É uma profissão como qualquer outra e quem for inteligente pode tirar dela o seu sustento e até o da família". Lembra que cada garota de programa pode tirar em média R$ 1,5 mil por mês. "Mas isso é variável. Pode ser muito mais, mas depende da garota".
Questionada pelos participantes do programa - profissionais que representam o jornal A Notícia, as rádios Floresta Negra e Cultura AM e TV Cidade de Joinville - ela também fala sobre a economia movida pelas casas e boates da cidade, a exploração infantil e as "regras" impostas pela própria atividade noturna e que determinam o sucesso ou o fracasso dos empreendimentos.


Liga abre dois Citadinos
de futsal no mês que vem

Categorias pré-mirim e infantil, com oito equipes cada, marcam início oficial da temporada 2001 da modalidade em Joinville

O futsal de Joinville abre a temporada de campeonatos oficiais no dia 12 de maio. A movimentação das competições tem largada com as categorias de bases através dos citadinos pré-mirim e infantil, em cada um com oito participantes. A definição dos times e a fórmula das disputas aconteceu durante os arbitrais realizados pela Liga Joinvilense de Futebol de Salão, terça-feira à noite, na SER Tigre.
Os dois citadinos terão na primeira fase a distribuição dos times em duas chaves. No pré-mirim, cada uma das duas chaves reúne quatro times. Os confrontos serão cruzados entre chaves e os dois primeiros colocados de cada grupo passam para o cruzamento olímpico. E daí saem os dois vencedores para a disputa do título da temporada.
O Citadino pré-mirim terá na chave A as equipes do América, AABB/Consórcio União/JEC B, Contra Chama e AABB/Consórcio União/JEC A. Pela chave B atuam AD Embraco, FME de Araquari, Royal Master/SER Tigre e Cedae/Vasco. Os jogos, a partir de 12 de maio, serão realizados sempre nos sábados à tarde, iniciando a rodada às 14 horas.
Os times do Citadino infantil de futsal também formam duas chaves. Pela A participam AD Embraco, Cedae/Vasco da Gama, AABB/Consórcio União/JEC A e América. Pela B estão FME de Araquari, AA Tupy, Royal Master/SER Tigre e AABB/Consórcio União/JEC B.
Os times do infantil jogam na mesma chave em apenas um turno. Na segunda fase os confrontos passam a ser pelo sistema eliminatório e conforme o índice técnico: 1º da A x 4º da B, 2º da A x 3º da B, 2º B x 3º da A e 1º da B x 4º da A. O critério prossegue até chegar aos dois finalistas para a decisão do campeonato. Conforme estabeleceu a LJFS, as rodadas serão sempre aos sábados, com início às 9 horas.


AABB disputa certames
da Federação Catarinense

O futsal da Associação Atlética Banco do Brasil de Joinville está as voltas com a participação nos certames estaduais de futsal. Depois da estréia da equipe infantil, agora a comissão técnica prepara o time da categoria mirim.
No infantil, a equipe que tem o patrocínio do Consórcio União terminou o turno da 1ª fase em 1º, depois da derrota para o Itamirim por 5 a 1 e das vitórias sobre a Malwee (6 a 1) e Apama (4 a 1). A próxima rodada será dias 4 a 5, em Jaraguá do Sul.
O mirim está treinando para a estréia que acontece nos próximos dias 27 e 28 - sexta e sábado da semana que vem - em Jaraguá do Sul. Os adversários na rodada inaugural do certame da Federação Catarinense de Futsal serão de Jaraguá, Itajaí e São João Batista. O mirim da AABB tem patrocínio da Pianox e Esquema Objetivo.


Bom tempo permite à FME
retomar o futebol escolar

Dois dias depois do mau tempo impedir o prosseguimento dos jogos, a fase municipal do Campeonato Estadual Escolar de Futebol encerrou ontem a primeira rodada. Os jogos de ontem foram nos campos do CSU do Itaum, Juventus e Profipo. A partir de hoje entra no circuito o estádio do 25 de Agosto, além de permanecer o CSU e o Profipo.
O destaque entre os 10 jogos do masculino ficou por conta da goleada do Rui Barbosa sobre o Osvaldo Cabral por 7 a 2, além de dois 6 a 1 - do Castello Branco no Francisco Eberhardt e do Carlos Gomes no Hans Dieter Schmidt - e ainda a escola Elizabeth Von Dreifuss vencer o Léa Lepper por 6 a 0, sendo todos estes jogos no campo do Profipo. Os outros jogos de ontem pelo torneio masculino: Curt Monich 2 x 0 Ana Harger, Abdon Batista 4 x 1 Tufi Dippe, Mariano Costa 6 x 2 Maria Amin, Eladir Skibinski 5 x 0 Padre Valente e Francisco Oliveira 1 x 1 Rudolfo Meyer.
Com a necessidade de encerrar a fase municipal até a primeira semana de maio, a Fundação Municipal de Esportes deve marcar novas datas para os jogos que deixaram de acontecer na terça e quarta-feira. Uma das alternativas é levar os jogos atrasados para sábado da semana que vem, quando acontece a implantação do primeiro núcleo do futebol dentro do projeto Jovem Cidadão. O lançamento do núcleo, no dia 28, pela manhã, está previsto para a Serrana. No dia 1º de maio deve ocorrer a implantação do núcleo do Fluminense. Ainda dia 28, às 17 horas, a fundação implanta o primeiro núcleo do caratê também pelo projeto de massificar do esporte em Joinville. A solenidade será na escola Karen Barkemeyer, na Vila Nova.


Boa média de gols no feminino

A estréia das equipes femininas na fase municipal do Campeonato Escolar de Futebol foi completada ontem. As meninas aproveitaram a chance deixando suas marcas com muitos gols. A primeira participação das mulheres no certame teve início com um jogo isolado, na terça-feira, com a escola Hans Dieter Schmidt vencendo a Maria Regina Leal por 3 a 2.
A rodada de ontem pela manhã registrou uma boa média de gols: Saul Sant'Anna 3 x 0 Juracy Brosig, Ana Harger 1 x 0 Maria Amin, Alícia Bitencourt 3 x 0 Sadalla Amin, Jorge Lacerda 5 x 1 Elizabeth Von Dreifuss, Dom Jaime 1 x 0 Jandira D'Ávila e Francisco Eberhardt 2 x 1 Abdon Batista.
Os jogos de pelo torneio feminino hoje voltam a acontecer pela manhã, no CSU do Itaum e 25 de Agosto, com três partidas em cada local. A definição dos classificados fica para a próxima quarta-feira.


Circuito de tênis reúne
202 atletas na 1ª etapa

A primeira das duas etapas classificatórias do Circuito Hoppe Tênis 2001 começa a ser disputada nesta noite com a marca expressiva de 202 participantes. Os jogos assinalam a inauguração da quarta quadra da Academia Hoppe Tênis, na rua Max Colin, 2.088. O coordenador do evento, Rogério Hoppe, ficou surpreso com a quantidade de participantes, comparando-se com os quase 90 participantes da etapa mais prestigiada do ano passado.
A categoria com maior número de inscritos é da adulto C masculino, reunindo 35 jogadores. Segundo Rogério Hoppe, a maioria dos inscritos na adulto C, com atletas acima de 20 anos, é estreante em torneios deste gênero. "São pessoas que têm atividades profissionais durante a semana e procuram no tênis uma oportunidade de praticar esporte e motivados pela fase Guga", destaca Rogério.
O circuito deste ano terá, além dos jogos que começam nesta sexta-feira, ainda outra etapa de classificação e o master decisivo nas categorias adulto A, B, C e D, juvenil A, B e C, infantil e mirim, no masculino, além do feminino A e B.

 
Copyright © 2000 A Notícia - Fone: 055-0xx47 431 9000 - Fax: 055-0xx47 431 9100 - Rua Caçador, 112 - CEP 89203-610 - C. Postal: 2 - 89201-972 - Joinville - SC - BRASIL - EXPEDIENTE
 
Por: Torque Comunicação e Internet