Joinville         -          Quarta-feira, 18 de Julho de 2001         -          Santa Catarina - Brasil
 
 
ANotícia  




Leia também:
Da Fenashow à Fenachão.
ESPAÇO_VIRTUAL







Aparelho de GPS realiza
localização por satélite

Falta de mapas dificulta uso desse sistema no Brasil

Transitar pela cidade sem guia de ruas e dirigir em uma rodovia sem se preocupar com a sinalização são algumas das vantagens dos aparelhos de localização GPS (Global Positioning System). Por enquanto, esse equipamento só é plenamente utilizado em outros países, onde existe um mapeamento efetivo das cidades.
A comunicação de dados por GPS reúne hardware e software. Além de comunicação, o recurso também serve para o rastreamento e o monitoramento de veículos. A empresa instala no carro um equipamento que recebe e transmite informações. O trajeto dos dados é simples. Primeiro, o GPS localiza o veículo. Essa localização é transmitida por um meio de comunicação (satélite, estação de rádio ou celular) para uma central. Se for para transmitir alguma mensagem, os dados seguem o mesmo percurso.
Segundo o engenheiro Diogo Nava Martins, gerente de produtos da Santiago & Cintra, empresa especializada em sistemas de automação, as aplicações variam conforme a necessidade de cada usuário.
Ele explica que a comunicação via rádio é a mais barata. "Se for para uso corporativo, a empresa pode montar sua estação de rádio, ou alugar o serviço de outra." Além disso, a transmissão é mais rápida e não há aquela pequena demora (delay) entre a emissão e a recepção. "É interessante para quem transmite um grande volume de dados." A desvantagem é que se sair fora da área metropolitana, a conexão cai.
Instalar um celular no carro é outro meio utilizado para transmissão de dados. Cada veículo passa a ter o seu número e o proprietário do carro paga a conta mensal como um telefone normal. Essa é uma aplicação perfeita para quem não precisa transmitir muitos dados.
O satélite é outra conexão utilizada para veículos que circulam por lugares distantes da central, como, por exemplo, frotas de caminhões. "O delay é maior: chega a cinco minutos", diz Martins. Além de instalar o equipamento no carro, o usuário paga uma assinatura e os minutos usados na transmissão. "O roubo de cargas provocou o crescimento do monitoramento." Pelo sistema, a empresa localiza o veículo, mantém o motorista informado, indica os pontos de risco de uma rodovia e traça rotas.

Uso pessoal

Para uso pessoal, não há a necessidade de um teclado no carro. Instala-se um ponto para colocar uma pequena antena e um outro para colocar uma campainha. Assim, se o motorista estiver sendo assaltado, ele aciona a central, que minutos depois pára o carro. Martins lançou, na semana passada, uma aplicação que permite que a central encaminhe uma mensagem para o celular e um e-mail para um parente da vítima de assalto.
Para o empresário Murilo Marchese Júnior, 37 anos, porém, a falta de mapeamento das cidades não é empecilho para usar o GPS. Sua paixão pelo localizador começou há cinco anos, quando um amigo americano, que tinha o GPS, o presenteou com um. Desde então, o empresário já cadastrou cerca de 600 endereços no aparelho. "Quando você começa a usar, esquece o nome das ruas", observa Marchese, que hoje usa o GPS também no trabalho.
Como ele trabalha com pedras raras e necessita visitar lugares remotos, demarcou os pontos das pedreiras para ajudar na localização. "Também busco pedras exóticas na Europa e levo o GPS para marcar o caminho."

Tecnologia facilita vida
de motorista no exterior

Dirigir até uma cidade ou um país vizinho sem se preocupar com o trajeto já é realidade nos Estados Unidos e na Europa. Essa facilidade deve-se ao mapeamento já completado em várias cidades. Por isso, algumas fábricas de veículos oferecem o GPS (Global Positioning System), ou sistema de navegação (termo como é conhecido), como item de série em alguns modelos de seus veículos.
Segundo o diretor de vendas da Audi, Jaroslav Sussland, o aparelho é oferecido no exterior como acessório. São dois modelos: o simples, que indica só as direções, custa em média US$ 1.500,00; e o avançado, que mostra o mapa de onde o motorista está passando numa tela colorida, sai por aproximadamente US$ 2.500,00.
O acessório da Audi "fala" qualquer idioma. Para manuseá-lo é necessário indicar o país, a cidade e a rua. Automaticamente, o equipamento mostra a distância e o tempo que o motorista vai demorar para chegar ao destino.
Sussland afirma que a Audi, no Brasil, já está pronta para oferecer essa facilidade. "O problema é que as cidades não estão mapeadas." Ele acredita que quando o aparelho chegar, seu custo deve ser bastante elevado.
Lá fora, a Mercedes-Benz também oferece a tecnologia em seus carros. Nos EUA o equipamento é opcional e na Europa alguns carros já vêm com GPS de série. Segundo o coordenador de treinamento da Mercedes do Brasil, Rogério Sanchez, a concessionária brasileira também questiona a falta de mapeamento para lançar a linha por aqui. A estimativa é de que o aparelho instalado no Mercedes custe US$ 7 mil.
Os motoristas europeus dos novos modelos Scénic, Laguna e Avantime da fabricante francesa Renault já desfrutam da facilidade de dirigir sem ter de ficar olhando no mapa de ruas em papel. A fábrica da Renault no Brasil não tem previsão de quando isso chegará às mãos dos brasileiros.

Ajuda no combate ao crime

Alguns governos estaduais já estão adotando o GPS para ajudar no combate à violência. O sistema tem contribuído com o trabalho da polícia do Rio de Janeiro, de Minas Gerais, do Distrito Federal, de Pernambuco, de Goiás e do Ceará.
A tecnologia funciona da seguinte forma: quando há uma ocorrência, a vítima contata a polícia e a central já identifica de que telefone ela está ligando. A viatura mais próxima é avisada e o sistema monitora o veículo até chegar ao local da ocorrência.
No próprio terminal instalado no carro, o policial registra o boletim de ocorrência. Os dados registrados ajudam a polícia a obter estatísticas de criminalidade, acompanhando os pontos de violência mais crítica.
Ceará e Pernambuco são os Estados que estão mais avançados no uso da nova tecnologia. Ambos montaram o Centro Integrado de Operações, que reúne a Polícia Militar, a Polícia Civil, os Bombeiros e o Resgate. Ao descrever o incidente, a central já identifica o que será necessário encaminhar ao local da ocorrência.
Alguns hospitais privados também analisam a possibilidade de instalar o sistema em suas ambulâncias. Com o aparelho, a central localizaria o carro mais próximo com mais rapidez. Após a entrada do paciente no carro, seu estado de saúde seria informado ao hospital, que ficaria de prontidão à sua espera.
O uso de GPS já é tão difundido em ralis que o conceito tradicional de co-piloto - de orientar, com um mapa à mão, o melhor trajeto para o veículo - começa a mudar. Nas competições de hoje em dia - como o Rali dos Sertões, no Brasil -, o co-piloto ajuda principalmente a evitar buracos, pistas escorregadias e outros perigos, já que os principais problemas de orientação são resolvidos pelo GPS.

ORIENTAÇÃO VIA SATÉLITE

Aparelhos de GPS ajudam motorista a se localizar

  • Latitude, longitude, altitude, direção, velocidade, data e hora. Os aparelhos de GPS (Global Positioning System) trazem todas essas informações ao motorista, de forma rápida e prática, para ajudá-lo a decidir o melhor trajeto. Esses equipamentos são usados em alto-mar ou no campo, na maioria das vezes, para orientar navegantes, fazendeiros e pilotos de rali em lugares inóspitos. Aos poucos, começam a surgir os adeptos de GPS também em zonas urbanas e rodovias, à medida que aparecem os primeiros serviços que - associados a mapas de ruas e avenidas - oferecem orientação de trânsito.
    Para utilizar um GPS, basta comprar o equipamento em uma loja: não é necessário pagar nenhuma mensalidade pelo serviço. Os responsáveis pela localização de veículos e barcos são satélites geoestacionários, que emitem sinais que permitem descobrir a localização exata do usuário.
  • Por enquanto, o impedimento para a melhor localização é a falta do mapeamento das cidades brasileiras. Segundo Adilson Luís dos Santos, diretor da Maré Outdoor Sport, empresa representante da companhia de GPS americana Garmin, os mapas digitais de São Paulo, Belo Horizonte e Rio Janeiro estarão prontos para comercialização dentro de um ano. O trabalho será feito pela própria Garmin. Depois de comprar o software, o usuário poderá fazer atualizações regulares dos mapas pela internet. Hoje, a Maré já oferece o Garmin Map Service - World Map, com mapa de rodovias, divisas de municípios, Estados, rios e represas, que custa US$ 138,00.
  • Alguns roteiros estão à disposição na página da Maré Outdoor Sport (www.marenauticas.com.br), diz Santos. Outro endereço que tem mapas para baixar no aparelho é o www.gpstm.com.br, que oferece rotas da Europa.
    Há modelos para diferentes necessidades. O GPS III Plus, que sai por US$ 590,00, é um modelo portátil, ideal para caminhada, carro, avião e barco. À prova d'água, vem com mapas rodoviários da América do Norte. Outro modelo é o GPS Map 162. Em uma tela grande, o usuário confere com precisão os mapas. Ele precisa ficar em lugar fixo, como no painel de uma veículo. Custa US$ 792,00. Já o GPS eTrex Vista além de ser portátil e apresentar mapas, traz bússola eletrônica e altímetro barométrico (que fornece a altitude pela pressão atmosférica). Este é voltado para caminhadas e viagens de bicicletas. O preço é de US$ 680,00.


Viva uma aventura
virtual no velho Oeste

Usuário enfrenta quadrilha de ladrões de trem em novo game

El Paso é uma típica cidade do velho Oeste, localizada nos Estados Unidos, próximo à fronteira do México. É lá que se passa a mais nova aventura da Infogrames, conhecida como Desperados - Procurados Mortos ou Vivos. O ano é de 1881. O clima na cidade não anda nada bem nos últimos tempos.
Como nos bons e velhos filmes de faroeste, uma temida quadrilha de ladrões de trem anda agindo com forte freqüência, utilizando métodos agressivos e não poupando munição dos seus revólveres para conseguir realizar uma série inesgotável de assaltos e emboscadas.
A famosa companhia ferroviária da região, a Twinnings & Co. tem sido a "freguesa" dos malignos bandidos. Cansados dos elevados prejuízos, a companhia ofereceu uma generosa recompensa, algo em torno de US$ 15 mil, para qualquer ser corajoso que capturar e entregar o mais temido bando e seu líder, El Diablo.
É neste momento que um corajoso forasteiro, conhecido como John Cooper, chega à região e faz uma visita ao gerente local da Twinnings & Co. Ele propõem montar um bando de caubóis, constituído de antigos parceiros, e declara guerra aos bandidos. Está iniciada a aventura.
Durante o percurso, os destemidos caubóis terão de enfrentar perigosos inimigos, muitos dos quais conhecidos de Cooper, mas que agora fazem parte do bando de El Diablo e farão de tudo para destruí-lo.
Jornadas constantes a vastas regiões no sudoeste dos Estados Unidos, momentos de tensão na fronteira do México, montanhas rochosas e minas de prata, cidades fantasmas e fortalezas do exército no meio do deserto fazem parte do cenário do game.

Participação

O jogo é composto por recursos de inteligência artificial que proporcionam ao jogador participar da aventura como se estivesse realmente nela. Nesse game de velho oeste, a antiga regra básica de que o vencedor dos duelos é sempre aquele que puxa o gatilho da pistola mais rápido não é tão exigida. O jogador que possuir uma combinação habilidosa de inteligência, táticas e planejamento de estratégia poderá se sair bem.
A qualidade dos gráficos é muito boa. Os pequenos trechos de filmes de faroeste que aparecem entre uma missão e outra são perfeitos. Os recursos de áudio também causam ótima impressão. Esses três quesitos juntos contribuem para a boa qualidade do game. Ao iniciar o jogo, a sorte está lançada. Por isso, aproveite bem esta dica: mantenham sempre a cabeça abaixada e nunca, nunca mesmo, atirem no pianista!
A configuração mínima é Pentium 233 MHz MMX; 32 MB de RAM, Windows 95 ou superior; 4 MB de vídeo; dispensa placa aceleradora; placa de som compatível com DirectX.

Novo simulador de vôo civil

Os aficionados por aviação têm uma nova alternativa de simulador de vôo para microcomputador. Desenvolvido pela Terminal Reality, Fly! II permite ao usuário pilotar virtualmente o Pilatus PC-12 Turboprop, um aparelho monomotor que é utilizado para treinamento de pilotos civis.
Aventuras pré-configuradas definem as metas e os parâmetros de vôo. A pontuação é fornecida com base na performance e execução do objetivo primário. Entre os desafios enfrentados durante as missões estão danos estruturais e falhas mecânicas nos aviões e mudanças bruscas nas condições climáticas. O realismo da simulação também inclui veículos de apoio aos aeroportos, tais como caminhões, carregadores de bagagem e carros de emergência.
A versão dois de Fly! ganhou mais cenários em relação à original, utilizando o sistema "Terrascene 2", desenvolvido pela Perspective Consulting, e novas imagens globais fornecidas pelo How in the World?. Isto permite que os jogadores naveguem de acordo com as Regras de Vôo Visual (Visual Flight Rules - VFR). Os requisitos mínimos do sistema para rodar o jogo são processador Pentium II de 333 MHz, 64 MB de RAM, placa aceleradora 3D com 16 MB VRAM, sistema operacional Windows 95/98/ME/2000. O preço sugerido é R$ 79,00. INFORMAÇÕES: www.greenleaf.com.br.


Brasil terá 42 milhões
de internautas em 2006

O número de usuários da Internet no Brasil vai atingir a marca de 42,3 milhões em 2006, quase o triplo do total previsto para o final deste ano. A previsão consta do estudo "Uma nova onda: a previsão de uso da Internet no Brasil", elaborado pela consultoria norte-americana The Yankee Group. A consultoria, especializada na área de tecnologia, afirmou que essa segunda onda de usuários de Internet no Brasil será composta principalmente por novos estratos sócioeconômicos. Os milhões de novos internautas poderão acessar a Internet através de escolas, locais públicos, locais de trabalho e em muitos casos pela primeira vez em seus lares."
A consultoria dividiu em três categorias os grupos que, segundo ela, irão causar esse aumento expressivo do uso da Internet no país. O primeiro é composto pelos "usuários domésticos", das classes sociais B e C, que terão computadores com preços mais acessíveis e planos de financiamento mais flexíveis. O segundo grupo é composto pelos "usuários corporativos".
O estudo prevê que haverá uma maior penetração da Internet em pequenas e micro empresas e consolidação do acesso online nas empresas de médio e grande porte. O último grupo é compostos pelos "usuários acadêmicos". Haverá um maior acesso online nas escolas públicas, especialmente aquelas localizadas em áreas urbanas.
"A universalização da Internet no Brasil vai depender muito das iniciativas governamentais", disse Grant Smith, estrategista para América Latina da consultoria. "O fator fundamental será a entrada de computadores mais baratos no mercado, além do crescimento do acesso à Internet em escolas e outros locais públicos, como bibliotecas, centros de saúde, agências dos correios e centros comunitários."

Manchetes AN
Das últimas edições de AN Informática
11/07 - Obras dos grandes mestres no seu monitor
04/07 - A sensualidade das mulheres virtuais
27/06 - Internet ajuda na hora de comprar veículo
20/06 - Venda de música pela Web divide usuários
13/06 - Sites na Internet ajudam na hora de procurar emprego
06/06 - Previna-se contra a falta de eletricidade
30/05 - Empresas se preparam para o racionamento

Leia também

Webdesigner continua uma boa alternativa de trabalho

Exigências para o cargo estão maiores, mas o nível de remuneração também ficou mais alto

Depois da retração de mercado nas empresas pontocom, imagina-se que seja pouco recomendável seguir a carreira de webdesigner. Engano. O cargo continua sendo valorizado dentro das agências e portais. No entanto, é importante ressaltar: a exigência está bem maior e só há espaço para profissionais talentosos e atualizados. Quem se limita a conhecer as ferramentas de informática e não tem criatividade está condenado a concorrer com pencas de alunos recém-formados em cursos-relâmpago de webdesign, por uma vaga com salário não superior a R$ 500.
O mercado de trabalho para o webdesigner está aquecido, segundo o diretor executivo da Manager Assessoria de Recursos Humanos Online. "Com a evolução da tecnologia de construção de sites, o webdesigner está sendo muito valorizado", disse. Os salários variam entre R$ 2.220 e R$ 4 mil, avaliou Manager Online. No site da empresa, há 96 vagas. Mais 32 ofertas de trabalho podem ser encontradas na página da empresa de recolocação profissional Catho. Segundo pesquisa da empresa, o salário médio do profissional é R$ 1.904.
O webdesigner é uma função muito importante numa empresa de Internet, diz o diretor de Recursos Humanos do portal Terra, Florindo Pinato Neto. Mas encontrar alguém capacitado para o cargo é difícil. "É alguém que precisa combinar duas qualidades: o senso estético e o conhecimento técnico." No momento da seleção, Pinato escolhe profissionais talentosos, que dominem HTML, Photoshop, Fireworks e Flash; graduados na área de Publicidade e Desenho Industrial.
Na corrida pelas melhores vagas, tem vantagem quem fez graduação. Ou, pelo menos, é necessário ter bons conhecimento em arte visual. "É preciso saber de história da arte, para buscar inspirações, referências", diz o webdesigner da Thompson Digital, Felipe Cretella. "Não é nos cursos de informática que encontramos os profissionais que procuramos", diz o diretor da agência Modem Media, Fernando Tassinari. Para quem quer seguir a área, ele recomenda graduar-se em Desenho Industrial ou Artes Plásticas e, paralelamente, aprender a usar ferramentas de tratamento de imagens e programação em HTML.
Para o autor do livro recém-lançado pela Market Press Design/Web/Design: 2, Luli Radfahrer, o curso superior é indispensável para quem quer seguir a carreira. "É preciso uma formação conceitual sólida", reforça. Na opinião de Radfahrer, não adianta o mercado exigir um profissional bom na programação e também no design de um site. Para conseguir realizar um trabalho de qualidade, é preciso uma equipe que tenha os dois profissionais. No seu livro, ele ressalta: "Ninguém é capaz de fazer sozinho um site que preste."

Sete Zoom revela seus criadores

Depois de muito mistério envolvendo sua criação e sua finalidade, a Sete Zoom decidiu se revelar. Ou melhor, as empresas que estão por trás da modelo virtual mostraram suas caras: Unilever (fabricante do gel dental Close Up), que queria uma garota-propaganda, e OgilvyInteractive, que desenvolveu o projeto.
Sete Zoom será a hostess do Fator Close Up (www. fatorcloseup.com.br), um site de relacionamentos. Ela mesma conta que é filha de um deus da Mesopotâmia, Yot, e isso lhe garantiu o poder de aproximar as pessoas. Esse será seu trabalho no canal.
O serviço ajudará os solitários a encontrarem uma alma gêmea. Sete dará um empurrãozinho. A página ajuda a montar seu corpo em busca do parceiro ideal: basta selecionar suas características físicas e deixar seu alter-ego no endereço para as pessoas conhecerem.
Para os fãs da modelo, uma boa notícia: ela continuará conversando com os internautas em seu chat. Sete tem inteligência artificial e responde a qualquer pergunta. Às vezes, porém, ela se perde e fala coisas desconexas.

Origem do nome

Criador de seu perfil, o cartunista Laerte sugeriu que o nome fosse curto, de fácil lembrança e incomum. Sete Zoe foi a sugestão aprovada. "Um dia antes do lançamento, percebemos que o nome havia sido registrado pela Unilever. Para manter o projeto em sigilo, trocamos para Sete Zoom", lembra Sandra Chemin, diretora regional da Ogilvy para a América Latina. Muitas coincidências a cercam. Inicialmente, sete escritores criaram as 15 mil fichas de respostas que compõem o sistema de inteligência artificial. Durante sete meses o projeto ficou guardado a sete chaves.


Vírus divulga senhas de usuários do editor Word

Suas senhas podem ser divulgadas na Internet. Um novo vírus - que já está se espalhando pela rede - infecta arquivos produzidos no editor de textos Word e rouba senhas do usuário. Depois, as senhas são publicadas em um site da Web. O nome do arquivo é W97M-MARKER.FQ2. Segundo a Trend Micro, fabricante do antivírus PC-Cillin, o arquivo infectado no Word é o normal.dot.
Esse arquivo é o principal modelo dos trabalhos produzidos no editor de textos e também de qualquer documento que for aberto (sempre que você cria um novo arquivo no Word, ele usa o normal.dot como referência).
O nome de usuário e a senha que o internauta usa para se conectar ao provedor são enviados, pelo vírus, no dia 1º de qualquer mês a um site particular de FTP (File Transfer Protocol). Além disso, o vírus desativa a proteção de macro do Word. Isso permite que os arquivos infectados sejam abertos sem que qualquer anormalidade seja acusada pelo sistema. Para evitar a contaminação pelo W97M-MARKER.FQ2, a Trend Micro aconselha os internautas a manterem atualizado o antivírus.

 
Copyright © 2000 A Notícia - Fone: 055-0xx47 431 9000 - Fax: 055-0xx47 431 9100 - Rua Caçador, 112 - CEP 89203-610 - C. Postal: 2 - 89201-972 - Joinville - SC - BRASIL - EXPEDIENTE
 
Por: Torque Comunicação e Internet