.
Joinville         -          Quinta-feira, 17 de Abril de 2003         -          Santa Catarina - Brasil
 
 

ANotícia  

G  
E  
R  
A  
L  

 



Incra vai cadastrar
as famílias de sem-terra

Acordo também prevê entrega de cestas de alimentos

Florianópolis - O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) vai cadastrar de todas as famílias de sem-terra acampadas e assentadas no Estado, além de distribuir cestas básicas através do programa Fome Zero. Esse foi o principal acordo obtido ontem de manhã pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), durante audiência com a direção do órgão federal.
A atividade fez parte da movimentação do MST, iniciada no último dia 10 em Gaspar, ponto de partida de uma marcha com cerca de mil integrantes, terminada segunda-feira em Florianópolis. "As reivindicações apresentadas são básicas e podem ser atendidas, principalmente já constarem no nosso programa de trabalho", diz o superintendente do Incra no Estado, João Paulo Strapazzon.
Os sem-terra se concentraram na frente da sede do órgãos nas primeiras horas da manhã de ontem, tomando conta de toda a rua Jerônimo Coelho, no Centro de Florianópolis, enquanto 35 representantes do movimento apresentaram a lista de reivindicações. As primeiras a ser atendidas são as de cadastramento e cesta básica, enquanto as demais vão demorar um pouco.
"A assistência técnica só vai ser possível a partir de julho, após as assinaturas de convênios e contatos com a Empresa de Pesquisa e Extensão Agropecuária (Epagri), o que já está sendo feito", destaca Strapazzon. Também vão ser feitos esforços para dotar os assentamentos de infra-estrutura básica (estradas, água e energia elétrica).
"Nossa prioridade absoluta para esse ano é solucionar os problemas nos acampamentos, recuperar os assentamentos, garantir assistência técnica e crédito", destaca o dirigente do Incra em Santa Catarina. Os sem-terra que estão acampados na Assembléia Legislativa devem deixar o local hoje, aparentemente satisfeitos com os resultados das audiências e atividades desenvolvidas nos dois últimos dias na Capital.


Impasse
na região Norte

Agricultores da Vila da Glória querem garantir terras ou investimento

Joinville - A negociação frustrada entre a empresa de reflorestamento Comfloresta e agricultores para a compra de uma área de 151 hectares localizada na Estrada Geral da Vila da Glória, em São Francisco do Sul, pode deixar 11 famílias sem terra - o grupo soma 18 pessoas. O impasse se arrasta há aproximadamente um ano e, mesmo sem uma definição, colonos iniciaram os trabalhos de plantio na região.Os agricultores dizem que já investiram R$ 25 mil na área onde estariam morando há dois anos. Por outro lado, a Comfloresta garante que os colonos se apropriaram indevidamente da terra em setembro do ano passado. Agora, exige a saída imediata dos trabalhadores do local.
A negociação entre trabalhadores e a Comfloresta faz parte do programa do governo federal Banco da Terra. O terreno seria comprado pela União. O valor do investimento seria repassado ao governo pelos agricultores em um período de 17 anos, mas a Comfloresta não aceitou quantia avaliada (R$ 273.006,00) e desistiu do negócio. No entanto, os agricultores há haviam ocupado a área.
"Os agricultores estão aqui há dois anos. Receberam permissão para usar a área, investiram e, de uma hora para outra, estão sendo expulsos", observa o advogado dos agricultores, Edson Zanetti. Segundo o advogado, a empresa de reflorestamento não recebeu o valor combinado porque enfrenta "problemas judiciais". "Se não podiam fazer parte de um programa sério, não deveriam ter entrado nas negociações", acusa.
O gerente de reflorestamento da Comfloresta, André Vasques, nega as informações. "Essas pessoas invadiram o local em setembro do ano passado", afirma. Vasques lembra a empresa vem pagando os impostos da área em dia e é a real proprietária. "O governo nos fez uma proposta de compra e não aceitamos. Infelizmente, o que está acontecendo é um problema social", comenta.


Nova missão do BID
vem ao Brasil tratar da 101

Brasília - As audiências do ministro dos Transportes, Anderson Adauto, para tratar da novela BR-101 começa a surtir efeito. O representante do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no Brasil, Valdemar Wirsig, garantiu ao ministro durante encontro anteontem, em Brasília, que um missão do banco de Washington estará em solo brasileiro nos dias 5 e 6 de maio para fazer uma pós-análise do projeto de duplicação do trecho Sul da rodovia. É um passo importante nas negociações, já que a missão vai verificar se mantém a mesma proposta avaliada em dezembro.
"Mas o ministro só vai se pronunciar sobre o andamento das obras depois de expirar os 60 dias", assinalou a assessoria de imprensa do ministério. O anúncio deveria ter sido feito no dia 31 de março, mas um dia depois o próprio ministro se impôs mais um prazo de dois meses para determinar se continua ou não com o mesmo edital de licitação. Na época alegou que antes de retomar o processo de licitação precisa concluir as negociações ainda em curso com os organismos multilaterais de financiamento.
O BID já anunciou que empresta 30% do valor da obra, US$ 322 milhões, e ainda a outra parte do Banco Japonês de Cooperação Internacional (Jbic), também US$ 322 milhões, que desistiu de investir no Brasil.  Antes, porém, o governo federal precisa cumprir uma série de pendências de contratos anteriores e ter em caixa o restante dos recursos para concluir a duplicação. A obra está orçada em US$ 1,1 bilhão.
Dentre os afazeres da União, está o cumprimento das cláusulas do contrato de duplicação de Belo Horizonte a São Paulo, de Florianópolis a Curitiba e de Curitiba a São Paulo. Uma delas é a concessão. O BID quer saber quem será responsável pelas rodovias - se o próprio governo, o Estado, ou se vai instituir o pedágio.
O coordenador de Infra-estrutura do BID, Pablo Peña, reafirmou ontem ao deputado federal Eliseu Padilha (PMDB-RS), durante audiência, em Brasília, que o banco tem recursos para o financiamento, mas está aguardando somente o sinal verde do governo brasileiro. (Silvia Pinter, especial para A Notícia)


Moradores
continuam mobilizados

Florianópolis/Tubarão - Enquanto o processo se arrasta, a comunidade de Palhoça, na Grande Florianópolis, pretende fechar o trânsito na BR-101 na próxima quinta-feira, dia 24, aniversário da cidade. A manifestação, em protesto contra a não-duplicação do trecho Sul da rodovia, vai ser realizada no trevo de Santo Amaro da Imperatriz, das 10 às 11 horas. Já a Comissão Permanente de Acompanhamento da Duplicação quer atingir, até dia 30 deste mês, dois milhões de assinaturas em abaixo-assinado que será entregue ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. também no dia 24, os representantes da comissão se reúnem em Florianópolis com o governador Luiz Henrique da Silveira para discutir o processo.


Índios vão para as escolas

Debates mostram a vida nas aldeias e reservas

Joinville - Índios de aldeias do Paraná e Santa Catarina e antropólogos do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) de Florianópolis, participaram de palestras e discussões, durante todo o dia de ontem em oito escolas do município sobre a situação dos povos indígenas. "O índio de hoje está buscando liberdade de ação, liberdade para cobrar políticas do poder público e também para contribuir com melhorias para a qualidade de vida de suas sociedades", ressaltou o vice-presidente do Conselho Nacional dos Povos Indígenas e cacique da reserva caingangue de Guarapuava (PR), Pedro Seg Seg.
Segundo ele, o fato do índio ter incorporado traços culturais do homem branco não aniquilou suas tradições, seus valores, costumes, religiosidade e modo de fazer as coisas. "Todos os povos incorporam traços culturais de diferentes sociedades e com o índio acontece a mesma coisa. Ele não vive mais isolado da sociedade no meio do mato, ele tem contato com os costumes do homem branco e isso não impede que conserve suas tradições e exija respeito e dignidade", frisou. No colégio Presidente Médici, durante a palestra para as 1ª e 2ª fases do ensino médio, Pedro explicou como é a vida na reserva em Guarapuava.
"Lá, mais de 90% da reserva é preservada ou é área de reflorestamento. Somos em 450 índios e temos escola dentro da aldeia, com computador e tudo. A relação do índio com a natureza é de respeito, porque nosso objetivo é ter sustentabilidade, é oferecer para os nossos descendentes um bom lugar para viver e perpetuar nossos costumes e tradições", explica. "Na área de reflorestamento, por exemplo, a gente não comercializa a árvore, mas o fruto dela, que é o pinhão", completa. O índio guarani Wera Tupã, da aldeia Mbya localizada no Morro dos Cavalos, em Palhoça, lembrou que ao confeccionar o artesanato para vender, os índios tiram o material da natureza, mas existe todo um ritual para isso.
Com a discussão promovida ontem, os alunos e professores vão desenvolver projetos interdisciplinares sobre as questões indígenas. Além do colégio Presidente Médici, os índios visitaram as escolas Geraldo Wetzel, Laura Andrade, Max Colin, Elisabeth Von Dreifuss, Hilda Krish, Ana Maria Harger e o colégio Celso Ramos. Na noite de ontem, eles participaram do seminário "Os povos indígenas na realidade brasileira", promovido pela Câmara de Vereadores de Joinville.


Laudo pede
interdição de ponte

Canoinhas/Três Barras ­ Um laudo técnico elaborado pela Secretaria de Planejamento da Prefeitura de Canoinhas aponta que a ponte que liga o distrito de Marcílio Dias ao bairro São Cristóvão, em Três Barras, não oferece segurança aos usuários. O laudo recomenda a interdição imediata da ponte para o tráfego de veículos pesados. Já o secretário de Planejamento, Irio Golanovski, sugere que a ponte deva ser interditada e passe por reformada. O laudo foi entregue ao prefeito Orlando Krautler (PFL). Porém, prefeito precisa de parecer do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) para vetar o trânsito na ponte, uma vez que a travessia é utilizada pelos moradores dos dois municípios. Antecipando-se a um possível acordo entre os dois municípios para a reforma da ponte, o vereador de Três Barras, Leandro Thibes de Morais (PP), cede a madeira para obras emergenciais.


Atendimento pelo
SUS ameaçado em Jaraguá

O maior hospital do Vale do Itapocu cobra credenciamento para receber pelo serviço

Peterson Izidoro

Jaraguá do Sul - A direção do maior hospital do Vale do Itapocu, o Hospital Jaraguá, com 137 leitos, deu um ultimato para as secretarias Municipal e Estadual de Saúde. Ou a instituição recebe o credencimento para atender pelo Sistema Único de Saúde (SUS) pacientes atendidos em regime de urgência e emergência e em especialidades como oncologia, ortopedia e neurocirurgia ou suspende por tempo indeterminado todos os atendimentos pelo SUS. Cerca de 70% dos pacientes do hospital são atendidos atualmente pelo sistema público, inclusive da ala pediátrica, a única da região que disponibiliza internação pelo SUS.
O diretor do hospital, Hilário Dallmann, informou ontem que o encontro com o secretário municipal Airton Weber, marcado para a próxima terça-feira, será decisivo para o futuro da saúde pública de uma região que abriga perto de 170 mil habitantes em cinco municípios. "Podemos até fechar as portas, porque o déficit em relação ao que recebemos do atendimento pelo SUS só aumenta a nossa dívida", afirmou o diretor.
A dívida do Hospital Jaraguá chega a R$ 1,5 milhão que, segundo Dallmann, foi herdada por causa de defasagem entre custos reais e o que paga o SUS, mesmo com a ajuda de custo da Prefeitura. Em média, o hospital gasta R$ 74,00 por cada paciente atendido pelo SUS. A contrapartida do governo estadual não ultrapassa 35% deste valor. "Tivemos uma diferença mensal de R$ 100 mil no ano passado", explica o diretor. O balanço financeiro de março de 2003 mostra que o hospital arrecadou R$ 140 mil com os atendimentos pelo sistema, mas que teve uma despesa aproximada de R$ 240 mil, mantendo a média deficitária.
"O problema é que estamos prestando o serviço e não recebemos por isso", disse. O Hospital Jaraguá registra uma média de cinco mil atendimentos por mês de pacientes pelo SUS, incluindo internações. Em 2002, a instituição conseguiu empréstimo federal na ordem de R$ 2,21 milhões, justamente para amenizar a dívida.
O hospital é um dos mais bem equipados de Santa Catarina, incluindo a recém-inaugurada Unidade de Terapia Intensiva Infantil (UTI), doada pelo industrial Wandér Weege (Malwee Malhas). "Se conseguirmos o credenciamento que estamos pedindo, poderemos equilibrar a receita do SUS", acredita Dallmann, que fez o primeiro pedido de credenciamento em 1999. O último foi negado e o Ministério da Saúde informou no começo de março deste ano que o credencimento só será possível com a intervenção da Prefeitura ou do governo do Estado.
O secretário Airton Webber minimizou a situação. "Vamos nos encontrar e resolver". Já a diretora do Hospital São José, com 100 leitos disponíveis, irmã Jacira Maria dos Santos, a outra instituição hospitalar do município, que também vive grave crise financeira, prevê um colapso na saúde da região. "Não quero nem imaginar o Hospital Jaraguá sem o atendimento do SUS. Já trabalhamos com lotação máxima e chegamos até a encaminhar alguns pacientes para lá por falta de vagas aqui", disse ela.


Adiada
obra em Blumenau

Blumenau - O início da construção do Hospital Regional Universitário, em Blumenau, previsto para esse mês, foi adiado. O reitor da Universidade Regional de Blumenau (Furb), Egon Schramm, explica que todas as empresas que participaram da licitação para construção apresentaram propostas com valores maiores do que os recursos disponibilizados pelo governo federal. Para a primeira etapa, a Furb conta com 2,2 milhões oriundos de um convênio entre a universidade e o Ministério da Saúde/Fundo Nacional da Saúde (MS/Funasa).
Por conta disso, o reitor diz que haverá um atraso nas obras, mas garante que elas terão início ainda esse ano. Até porque se esses recursos não forem utilizados no exercício de 2003, a instituição corre o risco de perder o valor. De acordo com o reitor, agora a Furb terá que fazer uma alteração no plano de trabalho, de forma a baixar o valor dos investimentos iniciais. "Primeiro fazemos isso para dar início à obra, depois vamos em busca de recursos complementares", declara.
A previsão inicial era de que o hospital, que ficará localizado no campus 5, bairro Fortaleza, começasse a ser construído ainda esse mês. O edital de concorrência foi lançado em janeiro e previa a execução da construção do prédio onde funcionará pronto-atendimento, centro de diagnóstico, central de utilidades e área de circulação. O prédio terá 2.175 metros quadrados.
De acordo com o diretor do Centro de Ciências da Saúde, Romualdo Izon Heil, esse valor (que já está disponível) a princípio seria suficiente apenas para a construção da parte física - os fundamentos para os quatro pisos do prédio de pronto-atendimento e o primeiro piso com a cobertura. Além das verbas complementares que serão buscadas para concluir essa primeira etapa, ainda faltam recursos para compra de equipamentos. Durante o ano, o coordenador tentará viabilizar recursos para compra dos equipamentos. O objetivo, a partir do momento que o prédio estiver pronto, é de estruturar inicialmente o espaço para realizar atendimento ambulatorial.
O investimento necessário para compra dos equipamentos está estimado em R$ 500 mil. De acordo com Heil, esses recursos tanto podem ser viabilizados pela própria Furb ou pelo governo do Estado, que já havia se comprometido anteriormente a auxiliar o projeto. (Liliani Bento, especial para A Notícia)


Escolas estaduais vão
fornecer merenda orgânica

Florianópolis - A Secretaria de Educação e Inovação começou a implantar o Programa Estadual de Alimentação Escolar com o objetivo de fornecer um merenda mais saudável para os alunos e conscientizá-los da importância da ingestão de alimentos balanceados. Em um primeiro momento, 103 escolas da rede estadual de ensino fundamental começam a fornecer a merenda orgânica. O programa foi lançado, na terça-feira, em Laguna, com a participação de todos os diretores de escola e representantes dos agricultores locais. Fazem parte do projeto escolas das regiões de Florianópolis, Criciúma, Itajaí, Araranguá, Laguna e São José.
Segundo a gerente de Merenda Escolar, Inês Terezinha Lorenzi, a idéia é, através da alimentação dos alunos, iniciar um processo de conscientização de toda a sociedade. "Nosso objetivo é aumentar a qualidade dos alimentos fornecidos aos alunos, melhorando os seus hábitos alimentares e conseguindo, assim, assegurar a permanência dessas crianças na escola, já que para muitas a merenda é a única refeição do dia. Por meio dos estudantes, pretendemos ainda levar essa discussão para dentro das casa, de forma que as pessoas comecem a repensar a qualidade de vida", afirma.
Para ela, a medida é necessária, principalmente, quando se leva em consideração os índices de obesidade infantil. "Atualmente, as crianças comem muitos alimentos industrializados, muitas vezes, substituindo a água por sucos artificiais e refrigerantes. É preciso que haja um equilíbrio, com a ingestão de alimentos mais saudáveis como fibras, frutas legumes", destaca a gerente.


Polícia investiga morte
de menino em Joinville

Joinville - A Polícia Civil divulgou as primeiras informações sobre a polêmica que envolve a morte de Márcio Cercal, 12 anos, que faleceu ao cair de sua bicicleta e ter traumatismo craniano, na tarde de segunda-feira, em Joinville. O delegado Pedro Fernando Pereira Filho, responsável pelo inquérito, explicou que nenhuma marca de sangue foi encontrada na lataria do ônibus, que estava intacta. "O local do acidente não foi conservado como deveria, o que dificultou um pouco o trabalho dos policiais que fizeram a avaliação da área", explicou o delegado. A expectativa, agora, é que o caso venha a ser esclarecido diante do depoimento de duas testemunhas e o resultado do laudo do IML. O inquérito deve ser concluído em 15 dias.
O delegado adiantou que as únicas testemunhas que serão ouvidas são as que deram seus nomes aos policiais que atenderam a ocorrência. "Nós temos duas testemunhas. Uma delas é um morador e o outro é o motorista de um carro que vinha logo atrás do ônibus", disse. Caso venha a ser comprovado que houve o atropelamento, o motorista do ônibus (cujo nome não foi divulgado) responderá processo por homicídio culposo e pode pegar entre dois e quatro anos de detenção. A empresa de ônibus Transtusa vai aguardar a conclusão das investigações para se pronunciar sobre o caso.
A morte de Márcio é envolta em muitas informações distorcidas. No dia do acidente, testemunhas disseram que o garoto se assustou ao ver a proximidade do ônibus, perdeu o equilíbrio, caiu e bateu a cabeça no meio-fio. Mas durante o velório do garoto a família disse que foi procurada por uma testemunha e teve a certeza de que o garoto foi atropelado pelo ônibus.


Poucos buscam
certificação ambiental

Auditor defende mudanças na legislação do setor

Joinville - Um dos maiores comprometimentos ambientais hoje é a certificação das empresas. Setores da economia empenhados também na preocupação com a água, o lixo, a qualidade de vida no trabalho. Mas ainda é pequeno o índice no mercado envolvendo a conquista da ISO 14001, norma internacional que certifica o compromisso com os requisitos ambientais, ao contrário da ISO 9000, que atesta a qualidade e constitui o Brasil num dos países com elevada quantidade de empresas certificadas.
O pensamento de lucro ainda é um dos principais fatores que pesam na hora de buscar o reconhecimento. "Os que procuram a certificação de qualidade (9000) acreditam que ela é importante para vender. Com a ambiental (14001), avaliam o custo como muito alto para cumprir a legislação e entendem que não terão retorno. Há dois erros nisso: primeiro, que o sistema ambiental pode dar retorno tanto quanto o da qualidade, e segundo, que a legislação é para ser seguida independente da certificação ou não", alerta Rubens da Silva Ferreira, auditor da BVQI (Bureau Veritas Quality International) de São Paulo.
Dados estimados por Ferreira apontam que até junho do ano passado apenas 600 empresas brasileiras haviam conquistado a 14001. Em 2003, esse número deverá chegar a, no máximo, 1,2 mil. Na opinião do auditor, o Estado, as organizações não-governamentais e os órgãos ambientais falham quando o assunto é cobrança, "algo que não pode ser em cima apenas de quem conquistou a certificação, mas a quem ainda nem começou a se preocupar com isso".
Responsável por auditorias em todo o País, a BVQI enumera a destinação problemática final de resíduos como uma das falhas de quem apresenta o modelo ambiental e deixa a desejar na avaliação. O fato é que o número de fornecedores confiáveis ainda é pequeno. O auditor da BVQI defende mudanças na legislação e a busca por parâmetros de fora. "O meio ambiente não pode ser encarado como uma cidade, Estado ou país, mas como um todo", diz, destacando como positivo o ensino ambiental obrigatório.


Recurso defende
baleia-franca como símbolo

Imbituba - O deputado federal Carlito Merss (PT) salvou a possibilidade da baleia-franca se tornar símbolo nacional. Apresentou ontem, na Câmara, recurso contra a decisão do relator da Comissão de Economia, Indústria, Comércio e Turismo, Ronaldo Vasconcelos, que não acatou o projeto de lei 7.240/2002 que pede a adoção da baleia-franca como símbolo nacional do ecoturismo. Era o último dia para a apresentação, e o recurso teve o reforço de 70 assinaturas. Merss argumenta que a baleia-franca freqüenta a totalidade do litoral brasileiro, e o uso desse símbolo fortalece a luta pela sua preservação. Também citou no requerimento que o tema do ecoturismo merece um amplo debate, inclusive com audiência pública e reflexão pela composição plenária.
Até a próxima terça-feira, a equipe técnica do Senado irá conferir as assinaturas. Em seguida, o presidente da Câmara irá marcar a data para a votação em plenário do recurso do deputado. Aprovado o recurso, o presidente marca o dia da votação do projeto da baleia.


Cemitério sem licença

Concórdia - A Prefeitura de Concórdia não tem mais autorização para construir um novo cemitério público. A Fundação do Meio Ambiente (Fatma) cancelou a licença ambiental prévia concedida em dezembro do ano passado. De acordo com o diretor-geral da Fatma, Sérgio Grando, a falta de documentos e um abaixo-assinado apresentado por moradores vizinhos ao futuro cemitério, entre outras alegações, levaram ao cancelamento.
A decisão pegou de surpresa a Secretaria Municipal de Urbanismo e Obras Público, que já havia contratado empresa para obras de infra-estrutura do novo cemitério, localizado em Fragosos, comunidade distante 10 km do centro urbano.
A Fatma explicou que, após uma nova vistoria, foi verificado que faltava no processo um anexo com a legislação municipal que regulamenta a implantação de cemitérios. Viu ainda irregularidades na declaração de viabilidade do solo fornecida pela Prefeitura.
O impasse em torno do novo cemitério de Concórdia gera um problema grave. O lugar que vem sendo usado atualmente está no limite da sua capacidade. Localizado dentro da cidade, não tem mais para onde crescer. A Prefeitura já comprou o único terreno vizinho desocupado, e a previsão é de que as vagas existentes se esgotem antes do final do ano. A Fatma deve definir quando fará nova vistoria no local escolhido para o novo cemitério.


Santuário de
Santa Paulina recebe fiéis

Programação de Páscoa começa a partir de hoje em Vígolo

Nova Trento - O Santuário de Santa Paulina, em Vígolo, Nova Trento, tem programação especial, a partir de hoje, com missas, confissões, procissão e vigílias, para os peregrinos que visitarem o local em função da Semana Santa. Às 19h30, inicia a missa da Ceia do Senhor, com encenação da cerimônia do lava-pés. Os 12 apóstolos serão representados por idosos. Amanhã, a programação começa às 7 horas, com início das vias-sacras e confissões.
O ápice da programação será às 15 horas, com a celebração da Paixão e Morte de Jesus. A encenação será feita por grupos de jovens e adultos da comunidade de Nova Trento, além da participação das irmãs da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição. O grupo traz novamente a cruz de 1,5 metro com o Cristo crucificado até a igrejinha do santuário, para as orações pessoais e o chamado "beijo da cruz". Após a missa, haverá procissão até o local onde será construído o novo santuário, no topo do morro da congregação. Até o local, serão realizadas as paradas da via-sacra, com orações.
No sábado, é feita a Vigília Pascal, às 19h30, com a liturgia em quatro momentos: da luz, do batismo, palavra e eucarística. No domingo, com a comemoração da ressurreição de Jesus Cristo, são realizadas as missas festivas, às 10 e 16 horas. Durante toda a programação, dois padres jesuítas do santuário realizam bênçãos especiais e a confissão. Durante a semana, as irmãs do santuário se dedicaram à preparação do santo sepulcro e ornamentação da gruta, para celebrar a Páscoa. Esta será a primeira Páscoa em que o Brasil possui uma santa. A canonização de Madre Paulina vai completar um ano em maio.
Anete Costa, de Florianópolis, aproveitou a Semana Santa para orar no santuário e pedir por uma amiga, que ficou cega. "Santa Paulina sempre me ajuda a ter saúde, desta vez vim pedir para outra pessoa", disse. Pela primeira vez no santuário, Alba Rocha Bornancin veio comemorar 91 anos e pedir mais alguns à Santa Paulina. "Que ela me conserve com saúde e força", disse. Pediu, ainda, pelos filhos, netos e bisnetos, em especial ao que fará cirurgia no coração quando completar um ano.


Lava-pés é lembrado

Florianópolis - Já se preparando para a traição, morte e crucificação, Jesus surpreendeu os 12 apóstolos na última ceia ao se prostrar ao chão e lavar os pés dos seus discípulos. Passados quase 2 mil anos, o gesto será relembrado hoje, às 19h30, com a celebração da Missa do Lava-pés, na catedral metropolitana, seguida de adoração ao Santíssimo Sacramento até a zero hora de amanhã. Para o padre Francisco de Assis Wloch, o gesto é demonstração de humildade.
A missa será celebrada pelo arcebispo dom Murilo Krieger, que já durante a manhã, às 9 horas, conduzirá a Missa do Crisma, quando se faz alusão à instituição do sacerdócio e os padres e diáconos renovam o compromisso com a Igreja, além de se fazer a bênção e a consagração dos óleos do crisma, batismo e dos enfermos.


Católicos se dedicam
à penitência pelo jejum

Sobre o ritual de lava-pés, relembrado hoje, o padre Francisco de Assis Wloch acrescenta que a atitude é uma síntese da vida de Jesus, de total doação e entrega por todos.
A programação católica da Semana Santa, iniciada com a bênção e Missa de Ramos, na semana passada, continua amanhã, Sexta-feira Santa, com a dedicação à penitência através do jejum e da abstinência de carne. Nesse dia, as igrejas não realizam missas, apenas celebram a Paixão e Morte de Cristo, às 15 horas. Já às 18 horas, é feita a encenação da descida da cruz, da procissão do Senhor Morto e o Sermão da Soledade. A catedral de Florianópolis estará aberta às 7h30 para a via-Sacra e confissões entre 8
e 11h30.

Luto

A catedral permanecerá fechada no sábado, em sinal de luto pela morte de Jesus, sendo aberta, apenas, para a cerimônia da Vigília Pascal. As atividades do domingo encerram a Semana Santa com a realização de missas às 7h30, 9h30, 18 horas e 19h30, sendo que nessa última ocorrerá a encenação da Coroação de Nossa Senhora das Dores.
O chamado Tríduo Pascal, que envolve a "celebração dos mistérios" é formado pela quinta-feira, sexta-feira e sábado santos. Já a Páscoa, que significa passagem, é a solenidade religiosa mais importante para os cristãos e celebra e renova o mistério da aliança de Deus com a humanidade. Aborda os dias de traição a Jesus, a última ceia, julgamento, crucificação, morte, ressureição e subida aos céus.


Encenação bíblica
deve atrair 10 mil pessoas

Joaçaba/Herval do Oeste - Mais de 10 mil pessoas devem participar da 14ª Encenação da Paixão e Morte de Cristo, que será realizada em Joaçaba e Herval do Oeste nesta Sexta-feira Santa. O evento religioso, que é considerado o maior do gênero em Santa Catarina devido a grande aglomeração de público, terá mudanças este ano. O ato da ressurreição não será mais realizado. A mudança é para cumprir o contexto litúrgico, já que Cristo ressuscitou no domingo de Páscoa. No lugar do último ato, haverá uma grande manifestação pela paz. A dramatização ao ar livre vai ter início às 18h45, com saída em frente à igreja matriz de Herval do Oeste, com o encerramento acontecendo na catedral Santa Terezinha, em Joaçaba.
Além do público que acompanha a encenação
pelas ruas, vão participar da encenação cerca de cem pessoas, entre atores amadores, figurantes e técnicos. Sob a coordenação do maestro Severino Parisotto, a encenação é uma promoção conjunta das secretarias de Educação e Cultura de Joaçaba e Herval do Oeste e conta com a colaboração das duas paróquias, corais e Tiro de Guerra.
As 14 estações da via-sacra serão apresentadas em seis cenários, montados ao longo do percurso que compreende cerca de dois quilômetros e que deverá ser cumprido em uma hora e meia. Após a crucificação de Cristo, marcada pela zombaria dos infiéis e dos soldados romanos, que dividem entre si os seus despojos, os fiéis participam da procissão do Senhor Morto pelas principais ruas de Joaçaba.


Lixo - A central de reciclagem da Promenor de Blumenau vai manter plantão para recebimento de materiais no galpão, na rua Alberto Stein, no bairro Velha, no feriado de Páscoa.


Confirmado laudo do IML

Joinville - O delegado Ivan Brandt, da DP de São Francisco do Sul, que investiga a morte do bombeiro Paulo César da Silva durante uma farra-do-boi no dia 6, em Barra do Sul, afirmou ontem que não vê necessidade de exumar o corpo para outra necropsia. Confirmou que Paulo morreu por afogamento, e que os legistas do IML de Joinville não encontraram nenhuma lesão interna ou externa. Disse estar convicto de que o bombeiro não morreu devido a supostos ferimentos provocados por um boi, conforme desconfiam os familiares. "A exumação só acontecerá se houver alguma dúvida na investigação daqui para a frente".
O inquérito será concluído até 6 de maio. A estimativa é de que 20 pessoas que participavam da farra sejam indiciadas pelo crime de maus tratos a animais e por omissão de socorro a Paulo, encontrado morto perto do local.

Manchetes AN
Das últimas edições de Geral
16/04 - Polícias rodoviárias deflagram operações
15/04 - Mais uma criança morre no trânsito em Joinville
14/04 - Cristãos relembram os últimos dias de Jesus
13/04 - Visitas a presos na mira do Congresso Nacional
12/04 - Família quer provar morte durante farra-do-boi
11/04 - Crise atinge os hospitais particulares
10/04 - Fatma inspeciona empresas de papel

Leia também

Maria Melo (E): "Diziam que a vacina fazia mal, mas eu tomo há três anos e nunca tive qualquer reação"
Foto: James Tavares

Mais
de 112 mil idosos
imunizados em SC

Campanha iniciou sábado e já atingiu 25% da meta de vacinação contra a gripe no Estado

Carlito Costa

Florianópolis - A adesão à Campanha Nacional de Vacinação do Idoso em Santa Catarina foi bem maior no primeiro dia, sábado, do que no início desta semana. Até agora, 112.349 pessoas com mais de 60 anos já foram imunizadas no Estado, de acordo com dados da Secretaria da Saúde. Esse número corresponde a 25% da meta de imunizar quase 450 mil idosos. Só no sábado, mais de 80,4 mil pessoas (18%) receberam a vacina. A campanha continua até o dia 30 de abril.
A pensionista Maria Ramos da Silva Melo, 73 anos, foi uma das pessoas que procurou terça-feira o posto de saúde da comunidade de Rio Tavares, no interior da Ilha de Santa Catarina, em Florianópolis. Natural de Pernambuco, Maria já viveu em cidades de todas as regiões do Brasil. Há quatro anos, com o marido doente de câncer, deixou Porto Velho (RO), para morar em Florianópolis, onde já estavam três dos nove filhos. Viúva há dois anos, dona Maria já participou de três campanhas de vacinação.
"Antes eu morava na Barra da Lagoa, e o pessoal de lá não gostava muito de tomar a vacina, não", conta dona Maria. "Eles diziam que a vacina fazia mal, mas eu tomo há três anos e nunca mais tive gripe nem tive qualquer reação", relata a pensionista. "Meu marido também não gostava muito, ele se vacinou uma vez só, e mesmo assim ficou doente logo depois, ele dizia por isso que a vacina não adiantava." Para os atendentes do posto de saúde, a resistência aos poucos vai sendo vencida e a cobertura da campanha tende a aumentar.
As doses estão sendo aplicadas em mais de mil postos espalhados pelo Estado. A campanha inclui a vacina antipneumocócica (contra a gripe causada pelo vírus Influenza) e a dupla adulto (contra o tétano e a difteria). A secretaria distribuiu 500 mil doses. As campanhas de vacinação do idoso são realizadas no Brasil desde 1999, mas a adesão tem ficado bem abaixo da meta nos últimos anos, principalmente depois que a idade mínima foi baixada de 65 para 60 anos, em 2000. No ano passado, a Secretaria da Saúde atingiu 68% da meta.
A gripe é uma doença infecciosa causada por um vírus muito instável, o Influenza.
A gripe costuma ser confundida com resfriados, mas são doenças distintas. Os sintomas da gripe são mais generalizados e incluem febre alta, dores no corpo, dor de cabeça, tosse e sensação de intensa fraqueza. O resfriado é causado por outros vírus respiratórios e, embora os sintomas sejam parecidos, estes são mais localizados no trato respiratório superior (nariz e garganta), normalmente mais brandos e de curta duração.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o controle da gripe exige uma vigilância constante com a realização de imunizações anuais, oportunas e bem-sucedidas. Essa vacinação deve ser feita especialmente nos grupos de risco, como os idosos e os portadores de doenças crônicas que afetam o coração, os pulmões, os rins, o metabolismo ou o sistema de defesa do organismo.


Previsão
de frio mobiliza
postos no Alto Uruguai

Concórdia - A previsão da chegada de mais uma frente fria no final de semana está fazendo com que as secretarias da Saúde dos municípios do Alto Uruguai intensifiquem a campanha de vacinação entre os idosos. Desde a abertura da campanha, cerca de 20% das pessoas com 60 anos ou mais residentes na região procuraram os postos de saúde para receberem a vacina contra a gripe. De
acordo com estimativas dos hospitais do Alto Uruguai, a vacina reduz em 15% o
número de internações durante o inverno.
O clima estará bem favorável ao aparecimento de casos de gripe nos próximos dias. Depois do frio intenso registrado no início da semana, as temperaturas subiram e devem atingir máximas de 30°C no decorrer de hoje, de acordo com o Climaterra, empresa de meteorologia com sede em São Joaquim que faz previsões do tempo específicas para o Alto Uruguai. Na sexta e sábado, deve chover na região devido à chegada de uma nova frente fria.
A oscilação brusca de temperatura é sensível especialmente para idosos e crianças. Para evitarem as doenças pulmonares, as crianças e idosos devem se agasalhar bem e cuidar da alimentação. No caso das pessoas com mais de 60 anos,
a vacina ajuda bastante na prevenção. Segundo a enfermeira responsável pela 3ª
Regional da Saúde, com sede em Concórdia, Edi Sperandio, mais pessoas se vacinaram nos primeiros dias da campanha deste ano do que em 2002. Ela acredita que a meta de imunizar 70% dos idosos da região será atingida.
Quem já se vacinou contra a gripe não tem dúvidas de que a prevenção é importante. O aposentado Darci Ferri, 68 anos, que foi vacinador durante 35 anos em Concórdia, disse que "se a vacina não fosse coisa boa, não seria investido tanto dinheiro em campanha". (Jean Carlos de Souza, especial para A Notícia)


Lançado Programa
Chapecó Fome Zero

Proposta associa o combate emergencial da fome a série de medidas para emancipação e educação das famílias carentes

Chapecó - A Prefeitura de Chapecó lançou ontem uma versão melhorada do Programa Fome Zero, articulado pelo governo federal. Batizada de Chapecó Fome Zero, a proposta associa o combate emergencial da fome a uma série de medidas para emancipação e educação das famílias carentes. O município tem 7 mil famílias cadastradas nas unidades de assistência social, e pelo menos 2,5 mil conhecem de perto o drama da fome.
O lançamento atraiu lideranças comunitárias e políticas da cidade, dirigentes de clubes de serviços, empresas e prefeitos e vereadores de outros municípios do Oeste. No mesmo ato, também foi criado o Conselho Municipal de Segurança Alimentar, que terá a missão de mobilizar a comunidade, avaliar as condições das famílias e propor ações para o combate à fome e à miséria. A organização faz parte do conjunto diretrizes do Chapecó Fome Zero, que também prevê a promoção imediata de outras seis iniciativas.
O município vai criar o Renda Trabalho, que permitirá a contratação de um membro da família em situação de risco para trabalho temporário no serviço público. Para os idosos e doentes que não podem trabalhar, o acesso à complementação de renda será viabilizado pelo Projeto Renda Cidadã, que será gerido pela Secretaria de Assistência Social e Habitação. O Chapecó Fome Zero vai incentivar a abertura de cooperativas de trabalho e a ampliação do Movimento de Alfabetização dos Jovens e Adultos (Mova), com a meta de reduzir os índices de analfabetismo.
"Nossa política de segurança alimentar Chapecó Fome Zero terá como princípio que todas as pessoas tenham acesso diário à alimentação de qualidade e em quantidade suficiente. Mas não devemos nos esquecer da linha defendida por Herbert de Souza, que disse que é preciso atuar no emergencial articulando ações estratégicas e estruturais", comentou o prefeito Pedro Uczai. Segundo ele, o trabalho desenvolvido nos últimos anos tem resultado em avanços significativos. Houve uma inversão de prioridades, a partir da administração pública, que passou a oferecer à população o que ela realmente necessita.
"Procuramos potencializar os recursos disponíveis e hoje já contamos com 18 programas na área de assistência social, que garantem uma vida mais digna para milhares de pessoas. Com o Chapecó Fome Zero, vamos além. A ação diária do nosso município na área social parte do pressuposto que cada chapecoense deve ter garantias e condições dignas de vida", finalizou.


Lages amplia projeto
para atender famílias

Lages - O município lança hoje o seu programa de combate à fome para acabar ou ao menos diminuir a situação de pobreza extrema de um número estimado de 20 mil pessoas. Para isso, aproveita o trabalho que já é desenvolvido por oito instituições da cidade, ampliando este leque de atuação até dezembro, quando os organizadores esperam ter atingido 100% das famílias. No mês de maio, a Prefeitura inicia um repasse de verbas para as instituições. Aproximadamente R$ 30 mil, que devem ser utilizados para a compra de alimentos. Cada instituição vai gerir o orçamento que receber do município, mas todo o trabalho será coordenado pela organização do programa, que vai mapear as áreas de risco e distribuir as ações uniformemente. A primeira etapa beneficia 500 famílias, ou seja, 2 mil pessoas em média, considerando quatro integrantes por família. Como este volume corresponde a 10% da meta do Lages 100 Fome, a idéia é integrar a população à campanha e chamá-la à responsabilidade social, de acordo com o coordenador do Celso Loreschi.
Uma campanha publicitária vai convocar a comunidade a doar alimentos e ajudar o município a criar novas oportunidades de trabalho e renda através da informalidade.
Loreschi esclarece que num primeiro momento o programa é emergencial e quer assegurar ao menos uma refeição por dia para quem precisa, o que vai ser feito com a distribuição de um sopão. Está definida também a criação de um centro de armazenamento de doações para reunir os alimentos arrecadados, sob a responsabilidade da Secretaria Municipal da Agricultura. "Mas a proposta maior é promover o desenvolvimento sustentável, somando forças com as iniciativas que já existem no município", completa.
Lages conta hoje com 34 programas sociais geridos pela Secretaria da Promoção Social e Cidadania, e Sociedade de Apoio ao Menor Trabalhador (Samt). Nenhum deles, segundo a secretária da pasta, Maria Lúcia Brentano, tem caráter meramente assistencialista. Os programas atendem 00000 mil pessoas entre crianças, adolescentes, adultos e idosos, com capacitação de mão-de-obra, exclusão do trabalho e da prostituição infantil, geração de oportunidades, comercialização dos produtos - incluindo consultoria até o pós venda, tudo sem custo para os participantes. O Lages 100 Fome, que pretende se tornar uma ação permanente no município, vai ser lançado hoje, às 17 horas, na creche Lar do Caminho, no bairro Vila Esperança.


Renda Mínima tem início

Gaspar - Famílias carentes de Gaspar, no Médio Vale do Itajaí, passaram a vislumbrar, esta semana, a possibilidade de futuro melhor, com a distribuição dos primeiros cartões magnéticos do Programa Renda Mínima, lançado no município há 20 dias. "Até o final do ano, pretendemos atingir cerca de 60 famílias em situação de risco no município", diz a diretora de assistência social de Gaspar, Honorina da Silva. De acordo com ela, a Prefeitura disponibilizará R$ 120 mil anuais de seu próprio caixa para atender as famílias inscritas.
O valor dos saques mensais a que as famílias inscritas no programa terão direito - entre R$ 90,00 e R$ 120,00 - varia de acordo com a renda per capta de cada uma. As que não têm nenhuma renda receberão um salário mínimo. "É um processo gradativo de inclusão social, que tem como objetivo erradicar a miséria de nosso município e coloborar para uma distribuição de renda mais justa", analisa Honorina.
O Renda Mínima atenderá em Gaspar às famílias cuja renda mensal per capita seja inferior a um salário mínimo e que residam no município há pelo menos três anos. Os beneficiados também precisam atender a critérios, como freqüência escolar dos filhos, carteira de vacinação atualizada e documentos, como certidões de nascimento. A complementação do rendimento é concedida pelo prazo de seis meses, podendo ser prorrogada de acordo com a avaliação de uma equipe técnica.


Sindicato faz doação
de 12 toneladas de peixe

Florianópolis - O Sindicato das Indústrias da Pesca de Itajaí (Sindipi) doou ontem, em Santa Catarina, 12 toneladas de filé de peixe para o Programa Fome Zero nas cidades de Florianópolis, Joinville, Blumenau e Itajaí. Na Capital, ainda foram distribuídas 1,75 toneladas de alimentos não-perecíveis arrecadadas em dois jogos do Figueirense contra o Corinthians e o São Paulo.
Segundo o presidente do Sindipi, Antônio Carlos Momm, o objetivo é atender a uma solicitação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "A intenção é preservar a tradição do consumo do pescado durante a Quaresma entre a população mais carente", diz ele. Momm garante que o sindicato está pronto a colaborar sempre que for solicitado. O peixe foi arrecadado em 12 empresas do setor.
A distribuição dos alimentos na Capital para creches, igrejas, organizações não-governamentais e outras entidades de Florianópolis e São José, beneficiadas na região, receberam também, além de seis toneladas de filé de peixe, 1,75 toneladas de alimentos não-perecíveis, arrecadados durante dois jogos do Figueirense contra o Corinthians e São Paulo no Estádio Orlando Scarpelli, onde ocorreu ontem a entrega dos alimentos na Capital. O vice-presidente executivo do alvinegro, João Batista Baby, salienta que é desnecessário falar sobre a importância de um movimento da natureza do Fome Zero. "Vamos nos organizar agora para promover arrecadações nos próximos jogos", diz.
A cidade de Joinville recebeu 2,5 toneladas de filé de peixe, Blumenau duas, e Itajaí 1,5. Segundo Rui Ricard da Luz, coordenador operacional do Programa Fome Zero, já houve outra doações no Estado, mas essa é foi a mais representativa. "A doação de hoje tem o peso da solidariedade da Semana da Páscoa", reflete Rui.
Uma das instituições beneficiadas em Florianópolis é o Centro de Apoio à Formação Integral do Ser (Ceafis), que atende 190 crianças e adolescentes de sete a 14 anos. A entidade promove reforço escolar, evangelização, oficina de música, grupo de mães e distribui cestas básicas para famílias carentes.


Inglês ensinado na rede
municipal de Campo Alegre

Campo Alegre - Todos os alunos de 2ª a 4ª séries da rede municipal de Campo Alegre terão aulas de inglês. A partir do próximo ano, o idioma também integrará o currículo da 1ª série. O lançamento do programa foi dia 10, com a participação de pais e alunos, que lotaram o anfiteatro Sirley Maria Neummann Johanson para acompanhar a apresentação do método e do material didático. As autoras da coletânea de livros "Hello", da Editora Ática, adotada pelas escolas, estiveram presentes. A Secretaria Municipal de Educação investiu R$ 14,9 mil na compra do material, que será distribuído gratuitamente. Cantigas em inglês, acompanhadas de violão, violino, piano e saxofone marcaram o lançamento da disciplina.
Esta semana, os alunos começaram a ter as primeiras noções de inglês, que será implantado gradativamente. "A importância do inglês está relacionada ao futuro das crianças, que terão maiores oportunidades no mercado de trabalho", afirmou a secretária Marli Dreveck. Alunos das escolas do interior também terão aulas de inglês.


Santos óleos consagrados

Joinville - Mais de 80 padres de 15 cidades que estão sob a jurisdição da diocese de Joinville participaram, ontem à noite, na catedral, da missa da consagração dos Santos Óleos e da renovação das promessas sacerdotais. Essa missa era realizada na Quinta-feira Santa, mas este ano foi antecipada para oportunizar a presença da comunidade e a viabilização do deslocamento dos padres que viajam de localidades distantes. O objetivo foi atingido com sucesso, com a igreja completamente lotada.
Um dos momentos mais importantes da missa, celebrada pelo bispo dom Orlando Brandes, foi a bênção dos óleos, com os quais os padres de toda a região renovam seus estoques até a Semana Santa de 2004. São três tipos de óleos: o catecumenos, com o qual são ungidos os fiéis que se preparam para o batismo; o da crisma, que é usado como símbolo do Espírito Santo e na unção das ordenações sacerdotais; e o óleo da unção dos enfermos e dos que serão submetidos a cirurgias. "Neles, a pessoa recebe a força espiritual que reforça a fé no Espírito Santo", explicou o padre Dúlcio Antônio de Araújo.
O bispo lembrou que a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) instituiu a Campanha da Fraternidade com o tema "Vida, Dignidade e Esperança aos Idosos" e também 2003 como o Ano Vocacional. Em homenagem aos padres mais idosos, todos foram chamados a concelebrar a missa. Também foi lembrada a valorização dos seminaristas, religiosos e lideranças leigas, "e de todos que exercem ministérios na comunidade cristã e que participam dos batismos, e das catequistas e animadores de grupos de reflexão", disse o padre Dúlcio.
Durante a missa, o bispo lembrou que neste dia se comemora a instituição do sacramento da eucaristia, quando Cristo fez a última ceia com os apóstolos. Outra comemoração da Quinta-feira Santa é o dia do sacerdócio, quando o padre preside o momento da eucaristia transformando o pão e o vinho no corpo e sangue de Cristo. É quando os padres renovam as promessas sacerdotais e participam da comunhão com o bispo.

 
Copyright © 2000 A Notícia - Fone: 055-0xx47 431 9000 - Fax: 055-0xx47 431 9100 - Rua Caçador, 112 - CEP 89203-610 - C. Postal: 2 - 89201-972 - Joinville - SC - BRASIL - EXPEDIENTE
 
Por: Torque Comunicação e Internet