.
Joinville         -          Terça-feira, 14 de Janeiro de 2003         -          Santa Catarina - Brasil
 
 

ANotícia  

G  
E  
R  
A  
L  

 



Bloqueio na BR-101
reduzido em duas horas

Aos domingos, caminhões ficarão parados entre as 16 e às 22 horas, mas PRF pode liberar antes

Carlito Costa

Florianópolis - O bloqueio ao trânsito de caminhões no trecho não- duplicado da BR-101 vai ser mantido neste fim de semana com algumas alterações. O horário do bloqueio na sexta-feira permanece o mesmo, das 18 às 21 horas. Já no domingo, a interrupção começa mais tarde, às 16 horas, e termina às 22 horas - era das 14 às 22 horas. Nos dois dias, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) pode liberar a passagem dos caminhoneiros se avaliar que há boas condições de tráfego. As mudanças foram acertadas ontem, em reunião entre o secretário estadual dos Transportes e Obras, Edinho Bez (PMDB) e representantes do Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes (DNIT) e da PRF.
A Polícia Rodoviária sugeriu que o bloqueio nas sextas-feiras fosse suspenso, com base na experiência do primeiro dia, na semana passada. O secretário Edinho Bez acertou, no entanto, que a medida fosse mantida por pelo menos mais um fim de semana, para uma avaliação mais precisa. "A decisão de interromper o tráfego de caminhões nas noites de sexta foi tomada com base nas informações da própria PRF, que classificou o horário como crítico", disse Bez. "Por isso vamos manter esse horário por mais um fim de semana para que se tenha uma média do movimento no trecho".
Já para o domingo, os órgãos envolvidos na operação concordaram que o horário das 14 horas, utilizado no primeiro fim de semana, é muito cedo para o início do bloqueio. "Eu mesmo verifiquei que o movimento nesse horário é muito pequeno, e que não haveria necessidade de manter os caminhoneiros parados", disse o secretário. A decisão foi realizar o bloqueio a partir das 16 horas, e autorizar a PRF a liberar os caminhões se o fluxo de automóveis na rodovia for pequeno. A autorização vale também para a sexta-feira. "Queremos facilitar a vida dos caminhoneiros, não atrapalhar", afirma Bez.

Objetivos

A PFR vai receber da Secretaria de Transportes um contador para medir com mais precisão o volume de tráfego do trecho. A avaliação de ontem foi de que o bloqueio cumpriu seu objetivo no último fim de semana. Não foram registradas mortes na rodovia nem houve a fila de 25 quilômetros no trecho.
O secretário de Transportes solicitou ao DNIT um relatório sobre as condições das rodovias federais no Estado, que deve ser entregue em dois dias. Bez citou como um dos casos críticos o trecho da BR-282 na altura de Alfredo Wagner, no planalto serrano. O secretário pretende levar o relatório ao ministro dos transportes, que visita Santa Catarina no próximo dia 20, para justificar a manutenção de obras importantes em rodovias federais no Estado.


Orçamento
prevê só R$ 29 milhões

Brasília - Prioridade para o governo federal, conforme o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ministro dos Transportes, Anderson Adauto (PL), a duplicação do trecho Sul da BR-101 custará US$ 1,15 bilhão - dos quais US$ 322 milhões serão financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), um mesmo montante será aplicado pelo Banco do Japão para a Cooperação Internacional e o restante será contrapartida do governo federal. Os recursos internacionais estão garantidos, embora o governo federal não tenha até o momento assinado contratos de financiamento com esses bancos.
A informação é confirmada pelo gerente do Ministério que trata de assuntos relativos ao Corredor do Mercosul, Carlos la Selva. Segundo ele, essa praxe administrativa pode ser cumprida a qualquer momento, sem implicar em riscos da perda do investimento internacional. "Não impede, por exemplo, de começar a obra", afirma. "Em meados do ano esses contratos serão assinados", acrescenta. Ele não quis falar sobre a previsão do governador que "em julho as máquinas já estarão nas pistas".
O secretário de Estado dos Transportes, Edinho Bez (PMDB) diz que o processo juntos aos financiadores internacionais tramita sob controle. "Logo que for anunciado o dia da abertura dos envelopes deverão ser elaborados os contratos imediatamente", afirma. O BID informa que o dinheiro está disponível. "Aguardamos ainda a assinatura do contrato por parte do governo federal do Brasil. O governo brasileiro tem de nos dizer se ainda quer o dinheiro", informa a assessoria de comunicação do banco.
Quanto ao Orçamento da União, apenas a rubrica 1208 (adequação de trechos rodoviários na BR-101 em Santa Catarina) se refere especificamente a obras na BR-101 no Estado, no valor de R$ 29.935.200,00. Todas as outras prevêem recursos orçamentários para o complexo Corredor do Mercosul, que engloba mais três BRs situadas entre Minas Gerais e Rio Grande do Sul.(Osmar Gomes, especial para A Notícia)


Deputados
aguardam suplementações

Brasília - O secretário Edinho Bez informa que em 2003 serão aplicados R$ 60 milhões no trecho catarinense da BR-101. "É isso que ficou acertado". Outros R$ 30 milhões, conforme ele, serão destinados a BR-101 no Rio Grande do Sul. O deputado federal Carlito Merss (PT) diz que é possível suplementação de verba conforme o andamento da duplicação. "No próximo ano, por exemplo, poderá ser bem maior o valor orçado", antecipa.
A rubrica, aliás, foi garantida no apagar das luzes das discussões sobre Orçamento da União, no final de dezembro. Detalhe importante: o Orçamento da União, que ainda não foi sancionado pelo presidente da República, ainda deverá sofrer ajustes através de decreto que estipulará até quanto poderá gastar cada Ministério, conforme anunciou ontem o ministro da Fazenda, Antônio Palocci.
Definições sobre o futuro da duplicação da BR-101 devem ser anunciadas pelo ministro dos Transportes, Anderson Adauto (PL), em sua visita confirmada a Santa Catarina no próximo dia 20. Lideranças de todos os partidos esperam que seja revelada oficialmente a data de reabertura do edital, suspenso por portaria publicada na semana passada.
O governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB), quinta-feira passada, em Brasília, após audiências no Palácio do Planalto e no Ministério dos Transportes, anunciou que o mesmo edital será reaberto até o final de março. A expectativa em torno de uma solução administrativa urgente é tanta que a comitiva de lideranças petistas catarinenses cancelou nova audiência com o ministro, que estava prevista para hoje, quando seriam repassadas informações sobre a análise técnica do edital, feita desde quarta-feira passada após ser publicada a suspensão do edital. (OG)


Suspensas
obras nas estradas

Florianópolis - O Ministério dos Transportes determinou a suspensão, a partir de ontem, todas as obras e os serviços de infra-estrutura de transportes realizadas pelo governo federal. De acordo com a portaria assinada pelo ministro Anderson Adauto (PL), estão liberadas apenas obras de conservação, serviços de manutenção terceirizada de rodovias e obras emergenciais. Também estão suspensos os processos de privatização de rodovias e portos. De acordo com a assessoria de comunicação do DNIT, a medida não atinge a duplicação do trecho Sul da BR-101, entre Palhoça (SC) e Osório (RS). O DNIT deve divulgar hoje a relação completa das obras suspensas.
A suspensão temporária de novas obras na malha rodoviária federal já havia sido anunciada pelo ministro logo depois da posse. O motivo é a avaliação dos contratos em andamento e a economia de recursos do governo federal para priorizar o combate à fome.
Para o presidente do Sindicato dos Engenheiros de Santa Catarina (Senge), Carlos Abraham, a visão do governo de não priorizar novas obras é equivocadas. "O DNIT está retomando a velha visão do extinto DNER de atuar como tapa-buracos", afirma o engenheiro. Abraham também critica a utilização das Forças Armadas na recuperação de rodovias, como foi proposto pelo governo federal. "As forças armadas dispõe de boa qualificação técnica para executar o serviço, mas essa não é a sua função". Para Abraham, o uso do Exército nas obras prejudica o mercado para os engenheiros. O ministro Anderson Adauto faz uma visita a Santa Catarina no próximo dia 20, quando deve participar de uma audiência pública em Criciúma. (Carlito Costa)


Mototaxista
cai em cratera

Buracos na pista da SC-415, que liga Garuva a divisa com o Paraná, provocam acidentes

Joinville - A péssima conservação da SC-415, no trecho entre Garuva e a divisa com o Paraná, fez mais uma vítima na madrugada de ontem. Por volta das 2h30, o mototaxista Mário Luis de Araújo, 34 anos, solteiro, saiu de Garuva para fazer uma corrida em Guaratuba (PR), quando, na volta, sua moto se chocou com um enorme buraco no km 15 da rodovia. Com o impacto, o capacete do motoqueiro rachou. A Polícia Rodoviária do Paraná socorreu Araújo, que foi levado para o Hospital Evangélico, em Curitiba, com suspeita de traumatismo craniano.
Segundo Sônia de Araújo Criminacio, irmã de Mário, seu estado de saúde é grave. Ela prefere esperar a recuperação do irmão, mas adianta que já pensa em processar o Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Assumindo interinamente a direção do DER de Joinville, o engenheiro Marco Antônio dos Santos Bittencourt prometeu se inteirar dos fatos na manhã de hoje.


Mulher atacada por
dois cães pitbull em Imbituba

Ainda em estado de choque, comerciante está hospitalizada com 20 perfurações nos braços

Tubarão - A família da comerciante Marlene Mendes Papaleu, 57 anos, atacado na manhã de domingo por dois cachorros da raça pitbull, na praia do Rosa, em Imbituba, registrou queixa na manhã de ontem na delegacia de polícia. A filha da Marlene, Nicole Papaleu, 23 anos, alega que o dono dos cachorros ameaçou seu cunhado de morte. Marlene, que é de São Paulo e veio para o litoral catarinense ajudar a filha na confeitaria da família, continua internada no hospital São Camilo, em Imbituba, ainda em estado de choque. Ela foi ataca por volta das 6 horas, quando ia para a confeitaria, logo que saiu do portão da sua casa, na estrada-geral da praia do Rosa.
"Fiquei sem reação. Eu não sei como consegui me levantar e só protegi meu rosto. A sorte é que um vizinho escutou meu pedido de socorro e me ajudou", contou. Marlene foi levada às pressas para o hospital. A agressão dos cachorros resultou em 20 perfurações nos dois braços. "As perfurações foram profundas e não posso levar pontos. Não sei nem quando vou ter alta". Ela registrou queixa na delegacia por lesão corporal e ameaça, espera que alguma atitude da polícia. "Os cachorros ficam soltos, sem a menor segurança. Algo tem que ser feito."
A filha de Marlene, Nicole Papaleu, contou que a mãe é a quinta vítima dos mesmos cachorros, que pertencem a casa do vizinho. Ela disse, ainda, que ontem de manhã o dono dos cães ligou para seu cunhado, Ramão de Oliveira Neto, dizendo que os dois animais não eram deles. "Mas tem testemunhas que viram os cães e sabemos que são deles." Segundo ela, ele chegou a ameaçar seu cunhado. "Ele falou que se continuássemos insistir que os cachorros são dele, iria acabar com a nossa raça. Por isso, registramos queixa por ameaça." Marlene também ressaltou que pessoas viram o dono do dos animais dando banho e retirando sangue dos cães.

Inquérito

O delegado de Imbituba, Manoel Silveira Teixeira, disse ontem que vai verificar quem é o dono dos cachorros. "A pessoa citada tem o nome de Marcelo e é dono bar Jamaica, da praia do Rosa", disse Manoel. Marcelo será chamado para prestar depoimento amanhã. Se identificado como proprietário irá responder por lesão corporal. "Se for comprovado por laudo médico lesão grave, poderá pegar de um a cinco anos de reclusão. Já no caso de ameaça, será aberto um termo circunstanciado." Quanto ao destino dos cães, o delegado irá orientar o proprietário a colocá-los em um lugar de extrema segurança, longe do contato externo da residência. O caso será encaminhado para a Justiça.
Esse não é o primeiro caso de agressão canina registrada na delegacia esse ano. No dia 9 de janeiro, Amélia de Souza, caminhava com os netos e uma cachorro de estimação, em frente ao bar Zimbauê, em Imbituba, quando dois pitbull correram em sua direção. Ela conseguiu proteger os netos, mas os cães atacaram seu cachorro.


Aluguel é
opção de segurança

São Bento do Sul - Alugar um cachorro para cuidar da casa é uma alternativa de segurança para quem sai de férias. Os animais são adestrados e recebem treinamento especial para guardar o patrimônio. Em São Bento do Sul, o canil Duhan Tamys alugou 15 cães durante as festas de final de ano.
O proprietário de um galpão onde são guardados carros batidos e apreendidos pela polícia alugou um cão adestrado. Durante o final do ano, ladrões fizeram um buraco na cerca de arame, na esperança de que o cachorro fugisse. Como é treinado para guardar um determinado território, o animal não escapou e nada foi roubado. O dono do galpão ficou tão satisfeito com o cão que decidiu comprá-lo.
Rogério Portella, proprietário do Duhan Tamys, afirma que a procura por cães alugados cresceu em São Bento do Sul no último ano. Além do vigia canino, as residências que optam pelo aluguel também acabam vistoriadas pelos representantes do canil, que responsabilizam-se pela alimentação e higiene do animal.

Adestramento

Os cachorros são adestrados quando têm em média sete meses de vida. É nesse período que formam sua personalidade e possuem capacidade de aprendizado mais apuradas. O treinamento de cada animal varia de 30 a 60 dias. Segundo Portella, a presença do proprietário é fator determinante para o aprendizado do cão.
Nos primeiros dias de adestramento o cachorro aprende a ser obediente ao dono. Após esta fase, recebe orientações de vigilância. "Os cães são treinados para guardar um determinado território. Fora da casa do dono eles são completamente inofensivos", conta o proprietário. O preço do aluguel varia conforme o tipo de cão, de residência e serviço solicitado.


Complexo
precisa de mais obras

Florianópolis - A Secretaria da Justiça e Cidadania vai precisar de mais 30 dias para concluir as obras do Complexo Penitenciário de São Pedro de Alcântara. É o que conclui o relatório da vistoria feita, semana passada na unidade prisional. O documento, elaborado pela equipe técnica da Diretoria de Planejamento e Coordenação, foi entregue ontem ao secretário interino da Segurança Pública, coronel PM Pedro Roberto Abel.
Os técnicos apontam uma série de serviços que precisam ser feitos para que o prédio possa a vir ser ocupado. Entre as melhorias estão a complementação da rede elétrica; a colocação de mangueiras nos hidrantes do sistema preventivo de incêndio; a conclusão da colocação de vasos sanitários em diversos setores da edificação entre outros. De acordo com a equipe técnica da DIRP, a previsão é que a conclusão dos serviços deva demorar em torno de 30 dias, quando, então, será possível iniciar a transferência de presos. Atualmente, mais de 600 presos estão recolhidos nas delegacias de Polícia da Grande Florianópolis.
O Complexo foi inaugurado no final de dezembro, embora não estivesse concluído para ser ocupado. Possui 19.704 metros quadrados de área construída. São 978 vagas distribuídas em 266 celas coletivas e 14 celas individuais, divididas em quatro blocos carcerários com solários individuais.


Retomado o
expediente em DP de Chapecó

Chapecó - Menos de oito horas depois de suspender o atendimento ao público, em função da Operação Veraneio e do remanejamento de policiais civis do Oeste para o Litoral, a 2º Delegacia de Polícia (DP) de Chapecó voltou a funcionar, ontem. A reabertura foi uma determinação da Secretaria de Segurança Pública e foi informada através de nota da 12º Delegacia Regional de Polícia.
"A delegacia vai funcionar normalmente, sem a transferência de serviços para outra unidade da Polícia Civil", disse o delegado de polícia José Henrique da Costa, diretor de Polícia do Interior (DPI), através da assessoria de imprensa. Costa admite a falta de pessoal na região, mas adiantou que, em breve, esta carência será suprida com a nomeação dos novos policiais civis recentemente formados pela Academia da Polícia Civil (Acadepol). Ainda segundo o Diretor de Polícia do Interior, a possibilidade a fechar a 2ª DP de Chapecó transferindo seus serviços para a 1ª DP está totalmente descartada.
A proposta da delegacia regional era centralizar o atendimento ao público na 1º DP, no bairro Passo dos Fortes, enquanto durasse a Operação Veraneio. A medida serviria para aumentar o número de policiais no expediente, já que a região está com o quadro reduzido e vários policiais foram deslocados para cidades do litoral.


Reais

CDL combate notas falsas
Joinville - A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Joinville vai iniciar uma série de medidas para combater o aumento da circulação de notas falsas na cidade. A campanha abrangerá desde o treinamento do comércio para não receber as cédulas falsificadas à confecção de cartazes com orientações à população. Na semana passada, a Polícia Federal confirmou o crescimento da quantidade de ocorrências relacionadas ao dinheiro falso e anunciou que está em alerta com a ação de falsários na região Norte.

Dólares

Presos golpistas em Florianópolis

Florianópolis - A Polícia Federal apreendeu US$ 600,00 falsos com dois turistas argentinos, no final de semana. Na quinta-feira, os argentinos fizeram compra em uma loja de roupas, na Estrada Geral da Joaquina, e pagaram com uma nota de US$ 100,00. A polícia foi acionada depois que o comerciante tentou fazer o câmbio. A própria vítima localizou os golpistas e a PM os prendeu na praia Mole. No carro dos turistas, foram encontradas mais mercadorias e outras duas notas de US$ 100,00 também falsas.

Banco do Brasil

Cheiro de envelope mobiliza vigilância

Joinville - Um envelope suspeito obrigou funcionários do setor de câmbio da agência central do Banco do Brasil em Joinville a chamar a vigilância sanitária na tarde de ontem. Uma funcionária, que não quis se identificar, sentiu um forte cheiro de arruda no pacote, mas mesmo assim abriu a correspondência que continha apenas guias de importação e exportação. A Vigilância Sanitária enviou amostras do envelope e dos documentos para o Centro de Informações Toxicológicas em Florianópolis.

Acidente

Pintor morre ao cair do 10º andar

Florianópolis - Um pintor morreu ao cair do 10º andar de um edifício, na rua Durval Melquíades Souza, centro da Capital. Por volta das 14h20 de ontem, Tiago Hilário de Jesus, 19 anos, estava trabalhando na fachada do prédio quando o equipamento de segurança, chamado de balancinho, arrebentou. Como o pintor não usava o cinto de segurança, despencou e morreu na hora. O equipamento foi recolhido e deve ser submetido à perícia, já que um inquérito policial foi aberto na 1ª DP. O corpo foi encaminhado ao IML.


Burocracia
emperra obra em Blumenau

Demora está na liberação de relatório ambiental

Blumenau - A construção de uma rua de 5 km ligando os dois maiores bairros de Blumenau, Garcia e Velha, cortando um montanha, considerada a mais importante obra do sistema viário blumenauense dos últimos tempos, enfrenta o emperro burocrático. Conforme o diretor do Instituto de Planejamento Urbano da Prefeitura (Ippub), Alexandre Gevaerd, há demora na liberação do relatório de impacto ambiental (Rima) por parte da Fundação de Meio Ambiente (Fatma).
O Rima é um resumo do estudo de impacto ambiental (EIA) e traz com detalhes as conseqüências que a obra irá provocar em uma área coberta por vegetação nativa e que abriga as mais diversas espécies ainda existentes da mata atlântica. Ele detalha a quantidade de árvores e suas respectivas espécies que terão de ser derrubadas para que seja construída a rua.
Para a elaboração do Rima, foram realizadas, no ano passado, audiências públicas com técnicos da Fatma, que inicialmente não encontraram nenhum problema para a execução da obra. Engenheiros da Fatma visitaram o traçado. Segundo o chefe de Planejamento Viário do Ippub, Paulo Roberto Salles Oliveira, que acompanhou os profissionais, o grupo ficou satisfeito com a região, inclusive prevendo que a cidade precisa desse tipo de obra, uma das últimas do Projeto Blumenau Século 21, que obteve recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES).
Os 5 km de estrada irão cortar um terreno muito acidentado, por isso a carestia da obra, que inicialmente está orçada em R$ 5,3 milhões. Conforme Gevaerd, será construída apenas uma pista. "Dependendo da demanda, no futuro poderá ser duplicada". A ligação começa na rua João Pessoa, na altura da rua Gustavo Budag, proximidades do Colégio Adolfo Konder, e vai até a rua Hermann Huscher, no Garcia, próximo ao Viena Park Hotel.
Além dos dois maiores bairros da cidade, também o centro da cidade será beneficiado com o alívio da pressão de tráfego de veículos. Será uma obra que vai projetar Blumenau para o futuro. Atualmente, quem precisa sair do bairro Garcia para ir ao bairro da Velha ou vice-versa tem de, necessariamente, passar pelo centro de Blumenau, constituído apenas de três ruas, 7 de Setembro, 15 de Novembro e Castelo Branco, e disputar espaços com veículos oriundos de outros 30 bairros. Com a nova ligação, esse tráfego será desviado, possibilitando inclusive que as pessoas procedentes das regiões Norte, Nordeste e Leste do município possam chegar até o lado Sul através dessa nova via.


Construção de nova
ponte metálica volta à discussão

Blumenau - As discussões sobre a construção de uma nova ponte metálica no centro de Blumenau devem ser retomadas a partir desta semana, quando a Prefeitura volta à normalização de seus trabalhos. O local já foi escolhido pelo conselho deliberativo do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Blumenau (Ippub) após várias reuniões no final do ano passado. A obra também vai revolucionar o sistema viário de Blumenau.
O centro de Blumenau é constituído de três ruas que interligam 30 bairros: 7 de Setembro, 15 de Novembro e avenida Castelo Branco, conhecida como Beira-rio. Com a construção da ponte, todo o tráfego da Beira-rio procedente da região Sul em direção ao Norte poderá ser desviado para o bairro Ponta Aguda. Há 15 anos, na administração do prefeito Dalto dos Reis (PMDB), foi discutido um projeto que visava à duplicação da Beira-rio como forma de solucionar o problema de congestionamento. Depois de grande pressão da comunidade, o projeto foi engavetado porque, além de caro, agrediria a paisagem da Beira-rio e não seria a solução ideal para o problema do trânsito na área central de Blumenau. "A Beira-rio é como uma lingüiça, com as extremidades estranguladas", dizia, na época, o ex-vereador Luiz Antonio Soares. "Com a duplicação da Beira-rio, vamos encher mais a lingüiça e estrangular mais as pontas", alertava.
Agora, o projeto da nova ponte visa à exatamente o contrário: desestrangular uma das pontas da "lingüiça", esvaziando-a do tráfego congestionado e o desviando para o bairro Ponta Aguda, que faz a ligação com a região Norte e a rua Itajaí, uma das principais saídas de Blumenau em direção ao litoral.
Conforme o diretor do Ippub, Alexandre Gevaerd, o local mais provável, indicado pelo conselho deliberativo do Ippub, é na altura das ruas Nereu Ramos e alameda Duque Caxias, ambas localizadas na foz do Ribeirão Garcia. A ponte em duas pistas ligaria essas duas ruas com as Paraguai e avenida Brasil, no bairro Ponta Aguda.
A grande preocupação dos técnicos do conselho foi quanto ao impacto ambiental. Mas conforme Gevaerd, o estilo futurista e as linhas suaves com que está sendo planejada a ponte vão fazer com que enriqueça ainda mais a paisagem de Blumenau. Atualmente, o local é constituído da chamada Prainha, com o restaurante Moinho do Vale e a curva do rio, e se consagra como um dos principais cartões-postais da cidade.
Gevaerd calcula que o custo da obra gire em torno de R$ 15 milhões a R$ 20 milhões e ela é a principal do elenco que constitui o projeto Blumenau do Futuro, que busca recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) nos mesmos moldes em que foi executado o projeto Blumenau Século 21, que contemplou diversas obras no município.


Vila Noel fica mais
uma semana aberta a visitas

Blumenau - Mais de 25 mil pessoas visitaram a Vila Noel, instalada na praça Hercílio Luz durante os 40 dias em que foi desenvolvida a programação do Natal em Blumenau. Devido à grande procura do local por turistas, a Vila Noel permanecerá em funcionamento até o final desta semana. Um Papai Noel e uma bota gigantes vêm fazendo a alegria da criançada e têm encantado os turistas.
"Sempre que fizermos algo diferente, iremos atrair os turistas", diz o presidente da comissão organizadora e presidente da Câmara de Diretores Lojistas de Blumenau (Sindilojas), Lorival Berri. Segundo ele, devido ao sucesso proporcionado pela criação, a Vila Noel será transformada em peça turística nos próximos anos, e o evento como a data no calendário promocional turístico de Santa Catarina e do Brasil. "Todos os turistas que visitaram nossa cidade neste ano irão retornar no ano que vem e talvez trazer outras pessoas para conhecer a nossa criação", diz Berri.

Pedidos

Quem entra na Vila Noel, instalada no Biergarten, mergulha no clima natalino. Além da música, o ambiente é todo voltado para o Natal, com renas e um presépio gigante, brinquedos e luzes distribuídos pelo parque. A Casa do Papai Noel é toda decorada com móveis rústicos e tecidos com a simbologia do Natal. Este ano, o que mais chamou a atenção foi a árvore de Natal, onde as pessoas colocaram seus pedidos ao Papai Noel. Muitos deles foram atendidos através de doações de anônimos da comunidade.


Golfinhos são
mortos em praias

Universidade quer usar animal morto em pesquisas

Laguna - A Polícia Ambietal (PA) de Laguna atendeu em menos de 24 horas dois chamados a respeito de golfinhos mortos na praia. O fato assustou a polícia, que pretende fazer uma campanha de orientação na tentativa de identificar os autores da morte. O último caso foi de um golfinho adulto, de três metros, encontrado morto na praia de Ipuã, em Laguna, na manhã de ontem. O animal estava em em avançado estado de decomposição.
De acordo com o tenente da PA Arlei Pacheco da Rosa, o destino do animal ainda é incerto. "Devido ao tamanho, teremos de encotnrar uma máquina para carregá-lo. Dependendo do estado, talvez a Prefeitura o enterre". No domingo pela manhã, um pescador avistou um filhote de golfinho boiando na localidade de Pontal, Molhes da Barra, em Laguna. O pescador relatou à PA que viu o golfinho morrendo depois de um impacto de uma lancha. O tenente irá tentar checar a informação e identificar o dono da lancha, que poderá responder por crime ambiental. Até ontem à noite, o corpo do golfinho estava dentro de uma caixa de isopor conservado em gelo.
Rosa espera contato com o grupo o labotário da Universidade do Sul Catarinense (Unisul), que se interessou em utilizar o animal em pesquisa. Caso contrário, será enterrada pela Prefeitura. O tenente também espera que a Unisul desenvolva o laudo da morte do animal, já que o biólogo que auxilia a Polícia Ambiental voluntariamente está de férias. "Por enquanto, sofremos com a falta de técnicos e peritos", explica.
No início do ano passado, outro golfinho foi avistado morto com lesões na boca. "Todos os casos são encaminhados para o Ministério Público. Temos dificuldades de identificar os culpados das mortes dos animais", diz o tentente, que pede apoio à comunidade para que denuncie quando há informação sobre o caso.


Natação - Ampliar de 240 para 400 o número de alunos da escolinha de natação é a meta de Rio Negrinho para 2003. Alunos do ensino fundamental, com idade entre sete e 13 anos, são o alvo do programa Estude e Nade.

Manchetes AN
Das últimas edições de Geral
13/01 - Bloqueio da 101 mais organizado no 2º dia
12/01 - Joinville ganha um novo perfil
11/01 - SC tem 47 praias impróprias para banho
10/01 - Casais formam associação para alimentar carentes
09/01 - Caminhões fora da 101 a partir de amanhã
08/01 - Governo propõe fechar 101 para caminhões
07/01 - Catarinenses se mobilizam pela duplicação

Leia também

Guaramirim
enfrenta situação crítica

Abastecimento de água opera com 50% de sua capacidade

Carlos Brandão

Guaramirim - O abastecimento de água do município de Guaramirim, Norte do Estado, está funcionando com 50% de sua capacidade. Isso graças à má qualidade da obra da estação de tratamento de água e efluentes (ETA) da Casan de Guaramirim. Iniciada em setembro de 1998, a ETA deveria ter sido entregue em fevereiro de 2000, mas foi concluída somente em meados de 2002. Desde sua ativação, só acumula problemas. Além disso, segundo o agente administrativo e operacional Irvando Luís Zomer (cotado para assumir a estatal em Guaramirim), a falta de hidrômetros, que se reflete também em Corupá, Schroeder e Massaranduba, igualmente representa um grande prejuízo para a empresa.
Quando foi anunciada a construção da nova ETA, a população de Guaramirim acreditava ver resolvidos os problemas com a falta de água, que durante o verão torna o dia-a-dia um sacrifício. Anos se passaram, e após quase R$ 4 milhões de investimentos, o que a comunidade viu surgir foi um elefante branco, com um grande vazamento na estrutura de concreto armado. Devido a erros no projeto estrutural, a ETA funciona com apenas 50% de sua capacidade. Um dos filtros de água simplesmente rachou ainda na fase de testes. Além desse dispendioso contratempo, a ETA apresentou problemas elétricos e com as lagoas de decantação.
As lagoas deveriam cumprir a função de separar os resíduos sólidos dos líquidos, mas a retirada dos resíduos sólidos não foi planejada. Ou seja, as lagoas estão em seu limite de uso poucos meses depois de ativadas. Segundo o agente Irvando, o maior desafio da nova gerência da Casan na região será justamente resolver os problemas com a estação, pois a ampliação da rede e do conseqüente abastecimento está intimamente ligada à recuperação da ETA. Caso isso não ocorra em breve, o abastecimento já consolidado também pode entrar em colapso. Outra questão que preocupa diz respeito à falta de hidrômetros para as novas ligações. "Só nos quatro municípios que atendemos faltam mais de mil equipamentos em ligações já feitas, onde podemos cobrar apenas a taxa fixa e não o consumo real".
"Além de injusto com os demais consumidores que pagam pelo gasto que o aparelho registra, essa situação também provoca uma fuga de receita mensal aproximada de R$ 10 mil, recursos que poderiam estar sendo reinvestidos em nossa região", ressalta o agente. Na área de responsabilidade da gerência regional de Joinville, informa o servidor, faltam mais de 15 mil hidrômetros para instalação em ligações já feitas, sem levar em consideração os pedidos em fase de ligação. Em todo o Estado, segundo Zomer, a defasagem é de 120 mil equipamentos medidores do consumo de água.


Estação de tratamento
de Corupá está obsoleta

Celso Machado

Corupá - Cerca de dez rios com grandes volumes de água, afluentes do rio Itapocu, maior manancial abastecedor da vizinha Jaraguá do Sul - onde o sistema é municipal e operado com muita eficiência -, cortam o município de Corupá. É uma das maiores bacias hidrográficas do Estado. Paradoxalmente, a cidade enfrenta sérios problemas de abastecimento. A estação de tratamento (ETA), construída há mais de 23 anos pela Casan, cujo contrato de exploração do serviço vai até 2009, está obsoleta. São apenas 15 litros/segundo frente a demanda atual ao redor de 1,2 milhão de litros/dia num universo aproximado de 2.400 ligações. O único reservatório tem capacidade para apenas 400 mil litros. Schroeder e Guaramirim enfrentam os mesmos problemas.
Em junho de 2002, a mando do ex-presidente da estatal Josué Dagoberto Ferreira, engenheiros e o então diretor regional da Casan Odir Nunes estiveram em Corupá e constataram o problema, garantindo investimentos emergenciais da ordem de R$ 200 mil na construção de um novo reservatório capaz de armazenar 750 mil litros. Nada saiu do papel. Segundo o ex-presidente da Câmara de Vereadores de Corupá Hermann Suesenbach (PMDB), que ao lado do prefeito Luis Carlos Tamanini (PMDB) tem acompanhado o assunto há mais de quatro anos, em um projeto feito em 1998 pela própria Casan, a pedido de lideranças locais, estava prevista a construção de outra ETA, orçada em R$ 1,8 milhão.
Mas de lá para cá, a alegação da companhia tem sido a falta de recursos para obras de grande porte. "Corupá tem uma bacia hidrográfica invejável, um potencial de água que é um dos melhores de toda a rede da Casan no Estado, no entanto a população está insatisfeita com a qualidade dos serviços prestados durante os 20 anos de instalação da estatal na cidade", observa Tamanini. O convênio entre o município e a Casan foi firmado em 1979, durante a gestão de Adelino Hauffe (PMDB e hoje vice-prefeito), com duração de 30 anos. Na época, a ETA foi construída com capacidade para 400 mil litros e servia mil ligações. Hoje, a mesma estação trata a água para cerca de 2.400 ligações e um consumo de 1,2 milhão de litros/dia.
Tamanini apóia o projeto do Consórcio de Águas, liderado por Jaraguá do Sul e que engloba municípios vizinhos. A proposta é integrar o abastecimento, criando um Serviço Intermunicipal de Água e Esgoto (Simae), mas de forma regionalizada. "Dou total apoio à idéia, mas não podemos esperar até que esse projeto seja viabilizado. A estatal precisa dar atenção ao município e resolver esses problemas o mais breve possível", salienta. (Colaborou Áurea Arendartchuk)


Sistema de filtragem
ineficaz em Schroeder

Schroeder - Um dos maiores problemas enfrentados hoje, em Schroeder, cidade servida pelo caudaloso rio Itapocuzinho, também é a falta de água, principalmente nos dias de chuva, quando aumenta a turbidez do produto. Por ser muito antigo, o sistema de filtragem da estação de tratamento (ETA) não tem capacidade para operar normalmente. Segundo o prefeito Osvaldo Jurk (PMDB), é preciso solução imediata, desde a troca do sistema de tratamento de água até o melhoramento da rede de distribuição e a ampliação das ligações. Técnicos da Casan também estiveram no município em junho do ano passado, fazendo levantamentos da ETA e do sistema de distribuição da cidade.
Depois disso, o ex-presidente da estatal comprometeu-se em fazer um projeto visando à melhoria do sistema, orçado em R$ 150 mil. Posteriormente, a alegação foi de que a empresa estava endividada e sem recursos para investimentos, mesmo com a Prefeitura de Schroeder manifestando disposição em participar dos custos. A estação de tratamento de Schroeder recebeu melhorias em 1994, mas à época a cidade tinha apenas 500 ligações contra as cerca de 1.800 hoje.
(CB. Colaboraram Áurea Arendartchuk e Celso Machado)


Faltam verbas
para barragem

Siderópolis - A falta de recursos pode atrasar o cronograma das obras da barragem do rio São Bento. Para a conclusão dos trabalhos, seriam necessários mais R$ 6 milhões, sendo que R$ 3,5 milhões do governo federal, já em caixa, e R$ 2,5 milhões em contrapartida da Casan, que não dispõe de valor. As obras podem ser paralisadas se a empreiteira não concordar em receber depois dos serviços prestados.
O presidente da Casan, Walmor de Luca, diz que fará um esforço para que sejam levantados todos os recursos. "Vamos bater à porta do governo do Estado para buscar uma solução", diss. A obra que estava para ser inaugurada pelo governador Esperidião Amin até o final do ano passado levará pelo menos mais seis meses para ser concluída.
Na vistoria realizada na barragem na tarde de ontem, De Luca constatou que ainda faltam as duas ombreiras de argila, a retirada de toda a vegetação do local onde vai ser formado o lago e recuperar toda a área degradada pela realização das obras. Uma das dificuldades encontradas pela nova administração da Casan, segundo ele, é o valor elevado das dívidas herdadas. Nos levantamentos feitos pela equipe financeira, foi confirmado que somente com fornecedores a dívida passa dos R$ 25 milhões. Na sucursal de Criciúma, as pendências giram em torno de R$ 180 mil. Com ações trabalhistas em andamento, o valor estimado é de R$ 345 milhões, e com a Fundação de Previdência dos Funcionários (Fucas), a dívida é de R$ 55 milhões, sendo R$ 33 milhões de contribuições trabalhistas não-recolhidas e R$ 21 milhões que foram pegos por empréstimo com juros acima do mercado.
Sobre o próximo fechamento de comportas para limpeza de adutora ou formação do lago, a empreiteira terá de avisar a Casan com antecedência para que a população seja alertada.


Secretário
recebe professores

Florianópolis - Os professores da rede pública estadual têm hoje a primeira audiência com o novo secretário de Educação, Jacó Anderle (PSDB). De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Santa Catarina (Sinte/SC), Marta Vanelli, a nomeação de 1.005 professores já aprovados em concurso público e de 1.300 diretores de escola eleitos no ano passado está entre os pontos mais imediatos a serem discutidos. Os professores já pediram uma audiência com o governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) para discutir o processo de municipalização do ensino fundamental.
O último concurso para a secretaria foi em 2001. No ano passado, foram chamados 3.968 professores, 47 consultores educacionais e 88 assistentes técnico-pedagógicos, além de 117 especialistas aprovados no concurso anterior, em 1998. A segunda chamada foi anunciada em agosto de 2002, mas a nomeação ainda não foi publicada no "Diário Oficial". "Depois da nomeação, o funcionário deve tomar posse em até 30 dias", explica Marta. "Muitos professores chegaram a pedir demissão de seus antigos empregos e estão sendo prejudicados". O Sinte vai pedir que o governo publique a nomeação dos novos professores imediatamente.
O sindicato também cobra a nomeação dos cerca de 1.300 diretores de escolas eleitos. Os antigos já foram exonerados. Em fevereiro, os professores devem dar início também à campanha salarial deste ano. Querem um piso de R$ 1.060,00. Hoje, o professor de ensino médio com carga semanal de 40 horas tem piso de R$ 350,00. Segundo o Sinte, a categoria acumula uma defasagem salarial de 250%.
Anderle disse ontem que pretende abrir um canal de diálogo permanente com os professores. O governo deve investir na capacitação. "Até o final de 2006, todos os professores terão de ter ensino superior, via educação a distância, através da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) e do programa Magister", anunciou. Disse também que a valorização profissional passa pela melhor remuneração dos professores, mas ainda não tem condição de dizer quanto e quando.
Marta adiantou que "o grande embate" com o governo Luiz Henrique será em relação à municipalização do ensino fundamental. "Não queremos que o Estado abra mão da responsabilidade nessa área, repassando-a aos municípios", explica. Para ela, o ensino fundamental está sendo atendido pelas redes estadual e municipais, enquanto há carência de vagas no ensino médio (a cargo do Estado) e infantil (dos municípios). "Se as prefeituras continuarem assumindo todo o ensino fundamental, terão dificuldade para ampliar o ensino infantil", argumenta.


Definida recuperação
da bacia carbonífera

Governo vai impulsionar projeto ainda em estudos

Florianópolis - O governo do Estado pretende impulsionar o projeto de recuperação da bacia carbonífera, iniciado há sete anos e ainda em projeto de estudos. Ontem, o vice-governador, Eduardo Pinho Moreira, o presidente da Fundação de Meio Ambiente (Fatma), Sérgio Grando, e representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) se reuniram para definir a entrega dos estudos efetuados pela Agência de Cooperação Técnica Japonesa, prevista para março deste ano. "A partir daí, o governo do Estado vai comandar a busca por financiamentos externos", explicou o vice-governador.
Em meados da década de 90, começaram as discussões para recuperação da bacia carbonífera, no Sul do Estado. Os estudos para diagnóstico foram iniciados em 1996 e finalizados em 2000. Depois, o governo estadual gestionou a liberação de US$ 750 mil para a realização de estudos complementares para levantar os dez maiores problemas da bacia, pela empresa E&E Solutions Inc., vencedora da licitação internacional aberta com linhas de financiamento do BID. A partir da entrega do relatório, em março, o governo do Estado passará à etapa de captação de recursos para a recuperação ambiental da bacia.
A bacia carbonífera está sendo castigada há décadas pela poluição causada pelas mineradoras. Os recursos hídricos foram os mais atingidos. Já são 26 rios da região que estão comprometidos, compondo três bacias hidrográficas: Urussanga, Tubarão e Araranguá. O comprometimento ambiental afetou também o solo e teve reflexos na pesca e mesmo no turismo. "O fato dos recursos hídricos estarem comprometidos reflete em toda a condição econômico-social da região", reconheceu Adhyles Bortot, técnico em controle ambiental da Fatma.
De acordo com o técnico, a degradação vem de décadas de exploração de minérios na região. Nos últimos anos, entretanto, a conscientização de empresas e comunidades envolvidas tem ajudado no estancamento da poluição. "De 1996 para cá, houve uma melhora significativa", admitiu Bortot, que destaca a ação de prefeituras, Ministério Público Federal e Estadual, Polícia Ambiental e órgão ambientais na fiscalização e conscientização. Foram degradados pela atividade das mineradoras 4.723 hectares, que agora precisam ser recuperados.


Cartilha ensina
importância de preservar
dunas existentes no Estado

Itajaí - A importância de preservar as dunas nas praias de Santa Catarina é abordada de forma simples e divertida na cartilha "Nino e Tonho: Conhecendo as Dunas", que começou a ser distribuída em todo o litoral pelo Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar (CTTMar), da Universidade do Vale do Itajaí (Univali). Na cartilha, os amigos Nino e Tonho vão aproveitar um dia de sol na praia. Durante o passeio, Nino explica para o amigo a importância daqueles "matinhos" que ficam sobre a areia.
A cartilha pretende desmitificar o sistema de dunas e estimular a prevenção desses ambientes, grandes responsáveis pela proteção da orla frente à ação das ressacas. Ela é resultado do Projeto Sistemas de Dunas Costeiras da Praia de Navegantes - Gravatá (SC): Morfodinâmica, Usos, Riscos e Estratégias de Gestão e faz parte do Projeto Gerenciamento e Segurança nas Praias. Para Fernando Luiz Diehl, diretor do CTMar e coordenador do projeto, trata-se de uma maneira inédita de orientar a população sobre a importância dos sistemas de dunas, além de se tornar uma cartilha que poderá ser usada pelas escolas, ensinando sobre o papel desempenhado pelas dunas na proteção da orla e seu correto manejo.
A cartilha reúne informações técnicas e de legislação. "Essa cartilha deve se constituir numa referência para que todos conheçam bem as características das praias que visitam e, com isso, usufruam com segurança dos 538 quilômetros de praias do litoral de Santa Catarina". Com ela é possível saber qual a importância das dunas e da vegetação como anteparo para os avanços da maré e ressacas, além de oferecer informações técnicas sobre a decomposição de lixo, os principais impactos causados pelo homem sobre as dunas e sua vegetação.


Donos de
postos são orientados

Caçador - A Polícia Ambiental (PA) está fechando o cerco contra os postos de lavação, em Caçador, que trabalham em discordância com as normas ambientais. De acordo com a PA, dos 35 que atuam atualmente, 28 estão irregulares. "O objetivo não é multar ninguém nem proibir que trabalhem, mas que a atividade esteja adequada à legislação", explica o sargento Collet.
O primeiro passo será a difusão daquilo que diz à legislação. Para isso, a PA marcou para o dia 3 de fevereiro uma reunião na Companhia da Polícia Militar (CPM) de Caçador com os proprietários dos estabelecimentos. Conforme o sargento, serão passadas algumas informações, como parâmetros da legislação.
"Acontece muito das pessoas instalarem um posto ao lado do rio, captarem a água para a lavagem dos veículos e a devolverem sem nenhum tratamento", explica Collet. Segundo ele, a água volta para o afluente com substâncias perigosas para o ecossistema e para a saúde humana, como o ferro, a graxa, o cormo, o óleo e outros elementos de maior densidade. "A legislação até estipula que a água do rio seja usada, mas deve ser tratada antes de devolvida. Nos rios não pode ser lançado nada que cause poluição", completa o policial.
A ação da PA vem apoiada por uma manifestação do Ministério Público exigindo providências a respeito da poluição do rio do Peixe, que corta o Meio-oeste. "É mais uma medida para tentarmos recuperar o rio, entre tantas que já foram tomadas", define Collet. Conforme ele, após as orientações que serão passadas na reunião, será fixado prazo para adequação às normas. "Caso os proprietários não façam isso e continuem infringindo as normas, os infratores serão inclusos em processos administrativos, civis e penais, além dos autos de infração que serão aplicados", finaliza o sargento.

 
Copyright © 2000 A Notícia - Fone: 055-0xx47 431 9000 - Fax: 055-0xx47 431 9100 - Rua Caçador, 112 - CEP 89203-610 - C. Postal: 2 - 89201-972 - Joinville - SC - BRASIL - EXPEDIENTE
 
Por: Torque Comunicação e Internet