Joinville         -         Sábado, 28 de maio de 2005        -          Santa Catarina - Brasil
 
 

ANotícia  

P  
O  
L  
Í  
C  
I  
A  










Mandante de assassinato
capturado após programa

Acusado de armar morte da ex-mulher em São Paulo, Sidney Vares foi preso após aparecer no "Linha Direta"

Rosângela Ricardo
Especial para A Notícia

Balneário Camboriú - O foragido da Justiça de Cosmópolis (SP), Sidney Alves de Vares, 38 anos, foi capturado na madrugada de ontem em Balneário Camboriú, Litoral Norte catarinense, minutos depois de ter a foto exibida em rede nacional no programa "Linha Direta", exibido pela Rede Globo. Ele foi denunciado à Policia Militar por pessoa não identificada e preso aos dez minutos de ontem na Lanchonete Jhonathan, na rua Concórdia, bairro dos Municípios. Ele estava há cerca de um mês no Litoral catarinense, trabalhando como auxiliar de serralheiro. Admitiu que veio para o Sul justamente para se esconder da Justiça.
Vares é acusado de tramar a morte da ex-mulher, a professora Odete de Souza Vares, 30, em abril de 2004, com quem tinha uma filha de três anos. O crime aconteceu em Cosmópolis, na região metropolitana de Campinas, sudoeste de São Paulo. Os outros homens envolvidos na morte da professora - Valdevino Pereira Caldeira, Everaldo Campos e Adriano Cassio Sartori -, apontados pelo ministério público como os pistoleiros contratados pelo réu para eliminar a ex-mulher, já haviam sido capturados anteriormente e foram eles quem denunciaram o nome do mandante. Todos os envolvidos tiveram mandado de prisão expedido em agosto de 2004, com validade até agosto de 2024, pelo juiz Venilton Cavalcante Marrera, da Justiça de Cosmópolis.
Inconformado com o fim do casamento com a professora, cujo relacionamento durou 10 anos, Vares contratou os pistoleiros para matarem a ex-mulher. Com a morte dela, ele ficaria com o seguro de vida e um imóvel avaliado em R$ 70 mil, comprado pela professora. Os bandidos seqüestraram a professora e simularam um assalto. No entanto, dois meses após sua morte, a polícia chegou aos matadores, que acabaram confessando a trama e apontando Vares como mentor do crime.


Flagrantes com crack em
três regiões do Estado

Eva, flagrada com 48 pedras de crack e dinheiro, em Porto União

São José - Três homens foram presos em flagrante, no final da tarde de ontem, por tráfico de drogas, depois que foram encontrados cerca de quatro quilos de maconha dentro do veículo em que estavam. O carro, um Corsa, foi interceptado numa blitz da Polícia Militar na saída da ponte Pedro Ivo Campos. O trio foi conduzido à Central de Polícia, onde prestou depoimento.
Ao abordar dois jovens, por volta das 22 horas de quinta-feira, policiais militares descobriram crack e aparelhos eletrônicos. O fato ocorreu na rua Fagundes Varela, na localidade de Areias, em Barreiros. Os policiais faziam ronda quando observaram dois jovens ao lado de duas motocicletas. Quando se aproximaram, um dos rapazes tentou escapar para uma casa.
Na mesma residência foram encontradas 33 pedras de crack já preparadas para serem comercializadas, papel para embalagem de drogas, além de uma barra de crack, com quantidade suficiente para a produção de mais 40 pedras. Todo o material apreendido foi encaminhado para a Central de Polícia de São José. Estão detidos Caio César Sabri, 19 anos, Eduardo Horstman e João Renato Pereira, 20, e Rodrigo de Matos, 22.
Em Criciúma, foram apreendidas no início da tarde de ontem 46 pedras de crack, comercializadas no bairro Tereza Cristina, margens da Ferrovia Tereza Cristina. O material estava com Samuel Pereira, 23. A polícia chegou ao acusado depois de receber informações sobre movimento intenso registrado em sua casa. De acordo com a polícia, trata-se de velho conhecido na área policial. Detido em flagrante, Pereira foi indiciado por tráfico de drogas e encaminhado para o presídio Santa Augusta, onde aguarda decisão da justiça.
Em Porto União, a dona-de-casa Eva Galvão, 33 anos, foi presa em flagrante na quarta-feira no bairro São Pedro. Com ela, a polícia encontrou 48 pedras de crack e objetos que podem estar relacionados a furto ou venda de drogas, pois a mulher não soube informar a procedência. A polícia já vinha monitorando a ação de Eva há dias e através de denúncia anônimo soube que ela havia recebido a droga. A polícia abriu inquérito para tentar descobrir de onde a acusada trazia a droga e para quem a vendia.


Golpe em associação

Três PMs têm prisões decretadas

Três policiais militares tiveram prisões preventivas decretadas esta semana, acusados de desvio de verba, emissão de cheques sem fundos, apropriação indébita, enriquecimento ilícito e dilapidação (levar à ruína) na Associação dos Cabos e Soldados da PM em Santa Catarina. As prisões dos soldados Carlos Alberto Floriano, Luiz Henrique Santos e Alexandre André Cardoso foram decretadas pelo juiz da Justiça Militar, Getúlio Correa, atendendo ao pedido do promotor de Justiça Sidney Eloy Dalabrida.
Carlos Alberto, Luiz Henrique e Alexandre ocupavam os cargos de presidente, vice-presidente e tesoureiro, respectivamente, da associação e teriam passado quatro anos apropriando-se de dinheiro pertencente à entidade, bem como emitido dezenas de cheques sem fundos e de contas encerradas, causando prejuízo a grande número de comerciantes da região.
O presidente da associação é o único que continua foragido. Outros dois soldados, Marcos José Machado e Handerson Laertes Martins, também já tiveram prisões solicitadas, mas o pedido ainda não foi apreciado pela Justiça.
O processo criminal foi instaurado com base em documentação apresentada por outros policiais agregados à entidade. Conforme o representante do Ministério Público Estadual (MP), os acusados se apropriaram de vários bens da associação e ludibriaram policiais militares "causando-lhes a ruína financeira, por conta de manobras fraudulentas". Eram ainda feitos descontos na conta-corrente dos militares associados, de valores que teriam sido gastos em convênios com farmácia, supermercados, postos de gasolina, entre outros, sem que tais recursos, no entanto, fossem repassados às empresas conveniadas.
Segundo o promotor, há ainda indícios de fraude no processo de renovação da diretoria da associação, realizada no mês de março, com o ex-presidente da entidade "transferido" para o cargo de tesoureiro. "Há fortes suspeitas de que o presidente atual, soldado Marcos José Machado, seja apenas testa de ferro do soldado Carlos Alberto Floriano, que deixou a associação depois do início das investigações", ressalta o promotor.
Durante o período em que teriam ocorrido as irregularidades, explica o promotor, a associação recebeu subvenções sociais em dinheiro, valores que foram empregados em finalidades diversas das declaradas nas prestações de contas, para as quais foram inclusive utilizados documentos falsos". A PM foi procurada pela reportagem e informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não irá se manifestar a respeito do assunto por ele ser da alçada do ministério público e também por estar aguardando a conclusão do inquérito. (Fabiana de Liz)

Manchetes AN
Das últimas edições de Polícia
27/05 - Mais uma quadrilha de desmanche flagrada
26/05 - Preso suspeito de liderar desmanche
25/05 - Confronto entre gangues mata 2 em festa
24/05 - Seis fogem da delegacia de São Francisco
23/05 - Criciúma tem 4ª vítima de homicídio neste mês
22/05 - Desaparecidos deixam rastro de angústia
21/05 - Caminhoneiro morto quando tentava desobstruir estrada

Leia também

Vizinhos suspeitam que
morador incendiou casa

Briga entre irmãos teria sido causa de incêndio em Jaraguá do Sul

Jaraguá do Sul - Uma casa de madeira foi consumida pelo fogo por volta de 7 horas de ontem. Localizada no bairro Três Rios do Norte, em Jaraguá do Sul, a casa teria sido queimada por um dos moradores. No entanto, a polícia informa que não há registro sobre a ocorrência. De acordo com moradores próximos, o incêndio foi provocado por L. A., 25 anos, que após desentender-se com o irmão A., de 22 anos, quis vingar-se. A casa pertence a mãe dos dois rapazes, moradora noutro local, e estava registrada no nome do filho mais novo, A., de 22 anos, solteiro. O irmão mais velho repartia a casa em companhia da mulher e dois filhos.
Assim que A. saiu, L. teria ordenado que mulher e filhos pegassem objetos e saíssem da casa, para poder incendiá-la. Segundo vizinhos, a relação entre os dois irmãos não era amigável. A. não havia ontem procurado a polícia para denunciar o irmão, suposto responsável.


Ladrões fazem
vigia de refém e levam fumo

Canoinhas - Carga de aproximadamente 13 toneladas de fumo embalado foi roubada de caminhão que aguardava na frente de empresa fumageira em Canoinhas, no Planalto Norte. O assalto foi praticado por cinco homens armados por volta das 21 horas de quinta-feira. O caminhão Mercedes Benz AAG 9780 (Canoinhas), carregado com o fumo, estava estacionado na Avenida Expedicionários, no bairro Campo D'Água Verde, ao lado da Universal Leaf Tabacos, quando os assaltantes renderam o vigia da empresa.
O funcionário foi levado como refém juntamente com o caminhão até uma estrada paralela à BR-280, onde os assaltantes transferiram a carga para outro caminhão. Após a transferência da carga, o vigia foi amarrado num matagal às margens da rodovia. O caminhão que continha a carga foi abandonado na entrada da cidade. O vigia só conseguiu se libertar por volta das 4 horas da madrugada de ontem e comunicou o roubo à polícia. Nem os assaltantes, nem a carga roubada foram localizados.


Preso acusado de violentar a neta

São José - Um homem de 55 anos, acusado de abusar sexualmente da neta de sete anos, está detido numa sala da 1ª Delegacia de Polícia. Nas três celas da DP há sete presos. O avô não foi obrigado a ficar na carceragem, por causa da lei implacável entre criminosos contra estupradores. O acusado foi flagrado pela nora, de cuecas, deitado com a menina na cama na casa da família, no bairro Praia Comprida. A detenção ocorreu quarta-feira. Uma das filhas adultas do acusado disse à polícia que foi violentada pelo pai quando era criança.
O abuso contra a neta ocorreu há dois meses. A criança foi submetida a exames no Hospital Infantil Joana de Gusmão, mas o resultado ainda não foi divulgado. No ano passado, foram denunciados 609 crimes contra crianças e adolescentes. Crimes de estupro e atentado violento ao pudor são considerados "qualificados" pela Justiça quando a vítima tem menos de 14 anos. O qualificador aumenta a pena, neste caso, em mais metade do previsto. O Código Penal prevê de seis a dez anos de reclusão.


 

Copyright © 2000 A Notícia - Fone: 055-0xx47 431 9000 - Fax: 055-0xx47 431 9100 - Rua Caçador, 112 - CEP 89203-610 - C. Postal: 2 - 89201-972 - Joinville - SC - BRASIL -EXPEDIENTE
 
Por:Torque Comunicação e Internet